MENU

22 de junho de 2010 - 11:57Copa do Mundo

Bafanadas, 17

SÃO PAULO | Nem é preciso esperar o fim do jogo da França. Acabou de ser expulso Gourcouff, por um lance que, vá lá, é discutível, aquele cotovelo na cara do sul-africano. Mas la ines c’est morte, diria o poeta. A França já toma de 1 a 0, com um a menos. Deprimente. Desolador.

No começo da Copa, escrevi aqui que os deuses do futebol fariam com que os franceses tivessem um desempenho semelhante ao de 2002, sem marcar gols. Até agora, de fato, não comemoraram um sequer. Mais do que isso, a França escancarou as chagas de um time sem técnico, sem técnica, sem liga e sem alma. Das Copas que vi, é a situação mais grotesca de um grupo incluso dentre os favoritos, muito maior que qualquer mimimi e oba-oba que vimos da gloriosa seleção brasileira em 2006 (tempo: a França acaba de tomar o segundo; capaz de sair goleada e humilhada, com seus jogadores estapeados em bifas). Um comandante sem apoio e que fez o L’Équipe sair com uma manchete histórica, o “vai tomar no cu, filho da puta” que Anelka mandou a Domenech e que lhe mandou de volta pra casa. Jogadores que se unem para tirar um ou outro. Discussões que geram demissões de gente da federação local. Atos que revelam o significado real de uma crise.

Domenech leu carta dos comandados à imprensa e entrou em campo hoje, posicionando-se no lugar da bola no pontapé inicial, olhando para o horizonte, olhando para o nada, consciente de que estava no centro do mundo e que as câmeras o flagravam, dando tchauzinho pra si mesmo. Domenech se despediu de si porque provavelmente se despediu do esporte. Antes do jogo, Domenech despediu a França da Copa, Copa em que entrou sabendo da qual sairia despedido.

A França virou um resto diante do mundo, e muitos, como eu, acham que isso é consequência de um ato manual de sete meses atrás. O que a França é hoje aponta, acima de tudo, que não se deve brincar com irlandês nenhum. O St. Patrick deles é mais forte do que qualquer outro santo católico.

5 comentários

  1. James Azevedo disse:

    O Flávio Briatore do futebol… ou não…

  2. Diogo disse:

    QUE PAPELÃO FIZERAM OS FRANCESES !
    VERGONHA !
    DE GAULLE DIRIA QUE :
    “ESSE NÃO É MAIS UM PAIS SÉRIO”

  3. Diogo disse:

    Em um momento bem Glavão Bueno:

    Em 1994, França eliminada na 1ª fase – Brasil campeão.
    Em 1998, perdemos para os franceses na final.
    Em 2002, novo vexame francês – Voltamos com o penta.
    Em 2006, fomos novamente eliminados pelos franceses, desta vez, nas quartas.
    Este ano, a França protagoniza mais uma cena trágica. – O caminho do hexa já está aberto!

    Hehehe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>