MENU

23 de novembro de 2010 - 16:56F-Indy

Indy e os preços

SÃO PAULO | Sempre pinga um comunicado daquela gente prestativa de Indianápolis, e desta vez o recado era o seguinte: as crianças até 12 anos não vão pagar para entrar na corrida centenária da Indy 500, ‘The Most Important Race in History’, em 2011.

E pedem que os interessados comprem ingresso antes de fevereiro porque haverá um aumento.

Aí vou ver os abusivos preços para a gloriosa corrida. Se o fã quiser ver os treinos livres durante o mês, vai pagar o absurdo de US$ 5 por dia. Um assalto. Os dois dias da classificação e o Carb Day, a sexta anterior à prova, cacete, US$ 10 cada. E a corrida, levantem as mãos, US$ 20, pesadíssimos R$ 35 para ver ‘a corrida mais importante da história’.

Enquanto isso, aqui, a F1 custa apenas e tão-somente R$ 350 em Interlagos ali no setor G e a Indy, à beira-rio Tietê e no sambódromo, estava entre R$ 180 e R$ 350. Creio que os organizadores brasileiros gostam bastante de valorizar seus produtos.

35 comentários

  1. Davi Ribeiro disse:

    E aqui em Salvador a gente paga R$ 80,00 a 120,00 para ver a stock. Só tem gente fina…

  2. Samuel disse:

    Um pequeno ensaio sobre o Brasileiro…

    O Brasileiro é o povo mais rico do mundo, paga 160 reais em uma camisa do seu time, 350 pra ficar amontoado em um autodromo…

    porque? Brasileiro gosta de pagar caro!!! se estiver barato nao tem valor, gosta de falar o quanto gastou… porque? ainda vive como o exilado europeu sonhando com a aristocracia da metropole, onde o bom é caro e para poucos…

    muitos nao gostam dos “caipiras” americanos que fazem eventos pra muitos com valores baixos, a essencia americana eh a familia pobre que foi pra trabalhar e criar uma nova terra, nao enriquecer pra voltar a metropole…

  3. MARCO ANTONIO disse:

    Paga-se caro por acomodações rudimentares e ainda temos que beber aquela cerveja horrível e quente. É muita vontade de assistir F-1 ao vivo. Se fôssemos um pouco racionais, reuniríamos os amigos em torno de uma TV de 50 polegadas, regados a boa cerveja gelada e um bom churrasco.

  4. Daniel Betting disse:

    É realmente um absurdo o preço cobrado pelos organizadores da Fórmula 1 e Indy aqui no Brasil. Este ano fui no tal setor G, mas ao contrário dos 350 reais citados em seu post, paguei módicos 389 reis. Isso porque eu comprei os meus em fevereiro.

  5. dirk lindeke disse:

    Nota-se que nem o autor do post nem os leitores entendem de economia, o que já é de se esperar, sendo um repórter e os demais apenas brasileiros. O preço do ingresso é definido pelo mercado e não pela vontade de alguém. Sugiro leitura de Gregory Mankiw ou John Taylor.

  6. Paulo disse:

    Estamos falando de uma prova que nos EUA tem mais prestígio que qualquer uma de F1.
    A explicação dos preços estará relacionada com os salários miseráveis que os americanos recebem, comparativamente aos brasileiros. O Obama até deve ter dado alguma ajuda.
    A verdade é que a maioria dos eventos importantes no Brasil, têm preços absurdos, e nada compatíveis com a nossa realidade. Mas como somos tão consumistas…

  7. Claudio disse:

    Mas… se baixar o preço do ingresso no Brasil a níveis racionais, quem vai pagar o ingresso dos vip´s, da galerinha que só vai lá para aparecer na Caras, no Amaury Jr…?

  8. Alexandre Lourenço -SP disse:

    Ahh eu paguei 100 reais no ingresso da Indy aqui em SP, o que doeu no bolso foram aqueles hot dogs as bebidas, aff um roubo!!!!

  9. Gerson Rizzi disse:

    Também acho um absurdo esses valores cobrados aki no Brasil, mas a realidade é que enquanto o Esporte Automobilísmo não for valorizado tanto pelo público e principalmente pelos “cartolas”, nós pobres mortais e amantes desta categoria teremos que nos contentar com preços altos para ver ao vivo ou esperar as “esmolas” das redes de televisão que só ganham dinheiro das equipes e paatrocinadores e mal cumprem os contratos de divulgação. Nos EUA o automobilismo é destaque, é só ver as premiações que os pilotos reçebem e eu falo em dólares e não um simples troféu como aki no Brasil. Lá eles gostam de futebol mas se tiver que colocar 400 mil pessoas para ver uma Fórmula Indy em Indianápolis, com certeza não precisa muito esforço mais um exemplo é nos campeonatos da NASCAR, sempre os autódromos lotados e as provas são todos os finais de semana durante o ano todo. E ai qual a explicação? Vamos valorizar mais o automobilismo no nosso pais ao invés de criticá-lo e boicotar um esporte que tem um potencial tremendo.

  10. cesar disse:

    Por um lado, os ingressos pelo preco que vc comentou sao de General Admission para um gramado que fica dentro do circuito, sem praticamente nenhuma visibilidade. Mas um ingresso para o setor que fica bem em cima da curva 1 eh 85 dolares…

    Sim, os ingressos sao baratos mesmo. Mas alem disso, eh uma baita estrutura, vc entra e sai do lugar super rapido. Transporte coletivo nao existe, eh ateh pior que Interlagos, mas vc acha estacionamento na garagem e no gramado do pessoal que mora ali por perto (comeca a uns 15 dolares a um km do circuito, e sobe cinco dolares a cada 200m), mas quem acorda cedo MESMO acho estacionamento DE GRACA ao lado do autodromo.

    Mas nao sei onde vc viu o preco de 20 dolares para a corrida.

  11. Abilio Augusto disse:

    Devia estar incluso no preço da SP 300 a retirada dos guard-rails, muretas, alambrados e zebras das ruas e avenidas. Em compensação, se a 100ª Indy 500 custa U$ 20, a nossa corrida não vale R$ 0,02.

  12. Jacaré e Capivara do Tietê disse:

    A Fórmula Indy em SP deveria ser três vezes mais cara, afinal Jacaré com Capivara só aqui no Tietê.
    Indianápolis é sítio, aqui é várzea!

  13. marcão disse:

    Então!!!!

    É por isso que venho perguntando tanto quanto a SPturis (via prefeitura) faturou com essa ultima corrida de f-1 em SP. Quanto faturou com os 500Km em SP. E quanto faturou com esse evento gasparzinho da semana passada no templo..

    E até agora ninguem falou nem que sabe ou que não sabe..
    Como, foi feito com as mesmas perguntas da F-1 do ano passado, da indy no porcódromo, e das outras corrida e eventos em interlagos neste ano…
    E vamos ficando sem resposta..
    Um amigo falou que esses do DEM só podem concorrer a um cargo publico depois de uma cirurgia feita na Austrália..
    Que é adptar uma bolsa de cancuru na própria barriga…

    Pra carregar os din dins todos….Ê, nois pagando..

    Prestem atenção no que está acontecendo no “Templo”..

    ……..””””””O Kibe, ou o que gosta de um kibe.. Falou que lá só tem boizinho, filhinho de papai, e os mais velhos correm lá mas que tem rabo preso com ele ou com outros do partido. Então se o que for feito será bem feito e pronto””””””……….
    Que será que isso quer dizer?
    Sou meio lerdo pra essas coisas… Não entendi….

  14. Paulo Aidar disse:

    Caro Victor, a realidade brasileira é a de que eventos desta natureza são feitos para grandes corporações e publico endinheirado.

    O povo que se lasque é a filosofia. E vc ainda acha que automobilismo no Brasil é uma coisa que vai vingar um dia ?

    Quantas pistas temos ? Quantas já foram “cosntruídas” e destruídas ? Quantas acategorias temos ? Quais são as nossas revelações ?

    Esquece, corrida é coisa pra quem tem essa cultura e isso nõs não temos.

  15. Nilson disse:

    Não é um comentario mas sim uma dúvida/ajuda. Victor gostaria de saber conhece alguma empresa que faça pacotes para a indy500?

  16. Anderson Puff disse:

    Kkk, Brasil sil sil

  17. Wallace disse:

    Só rindo mesmo……. Quando o estado é ladrão, o resto é consequência…….

  18. Al disse:

    Preços no Brasil são compatíveis… se cobram isso é porque o público brasileiro paga. Se tem quem pague é porque acham que vale.
    E ainda chega de carro popular, que aqui custa o dobro que custa lá.

  19. Márcio Vilarinho Amaral disse:

    Estava pensando em, nas férias, juntar uma graninha, ir ao Canadá visitar meu cunhado e, como será em junho, ver o GP do Canadá. Mas antes… Quanto custa uma passagem para Indiana?

  20. Deixei de ir à Interlagos quanto terminei a faculdade porque o preço da inteira é simplesmente proibitivo.

    E não acontece só com corridas. A farra vai desde cinemas e circo (du Soleil) à concertos e festivais. E a maioria com infra-estrutura sofrível, pensada pra gado. Perguntem ao pessoal que foi no SWU, pra saber do quê eu estou falando…

    Ninguém dá nota fiscal pra nada, ou seja, não prestam conta nenhuma pro governo sobre o superfaturamento da Nova Schin quente de R$ 6,00 e o pão com salsicha de R$ 8,00.

    Promotor de evento no Brasil são é uma corja de filhos da puta. Principalmente em São Paulo, com seus mais de dez milhões de habitantes, se sentem confortáveis em cobrar o quanto quiserem porque sempre haverão 5, 30, 70.000 deslumbrados idiotas (incluindo eu) dispostos a pagar os absurdos “necessários” por seu entretenimento “do ano”.

    E o governo? Ah, o governo… Tá cagando e andando porque público, seja de esporte ou de cultura, é o que menos importa nessa terra de merda.

    E sobre a nota, bom, eles devem compensar a perda fiscal de alguma forma já usual e “não-tributável”.

    • Fernando disse:

      Assino embaixo. Acho absurdo cobrarem esse absurdo por qualquer coisa. 700 reais para um show? Me disseram que a Amy cachaceira vem ao Brasil e o preço do ingresso será esse. Fala sério né?

      Esses promotores deviam um dia tomar um belo prejuízo em um show pra eles aprenderem. Cobrar os olhos da cara num show e não aparecer ng. Aí sim

  21. Mariana disse:

    o pior mesmo é pagar 600 pila pra ir no setor A em interlagos e ter que ouvir o Flavio Gomes na ESPN dizer que é setor pra “povão” e que só tem gente muito mal educada que vai… que vão só pra zoar e ninguém vê realmente a corrida…
    como se já não bastasse os organizadores nos fazerem de otários no preço do ingresso…

  22. Rodrigo disse:

    Boa noite, rapaz, vo na F1 a 8 anos, cansado de ser assaltado já. f

  23. ColinZeal disse:

    Realmente… ia até dizer que não era exclusividade no Brasil os preços serem caros, mas após uma pequena pesquisa tenho que reconhecer que os preços do Brasil esculacham…

  24. highdownforce disse:

    Nada, nossa organização infinitamente superior que custa mais caro…

  25. Conrado Andrade disse:

    … e ainda fazemos mal-feito…

  26. Fernando disse:

    Daqui a pouco sai mais barato ir até indianápolis ver a corrida e voltar do que ver a F1 em Interlagos. Misture Brasil com bernie Ecclestone que dá nisso (caso da F1)

  27. Tradição.

    Lá é a Motor City.

    Cabe 400mil pessoas.

    São donos do autodromo.
    Enche facil facil.

    Agui é tudo perfumaria.

    Basta ver como a reta do sambodromo estava vazia.

  28. Marilia Compagnoni disse:

    Ou seja U$40.00 para 2 treinos e a corrida, fazendo a conversão, pela cotação de hoje R$69,40. Supondo que os organizadores queiram um lucro de 100% no evento, poderiam vender o ingresso por R$140,00. Ou seja, os R$180,00 estavam de bom tamanho, já R$350,00 pura greedyness

  29. Alberto Allatere disse:

    A cada ano que passa e temos o previlégio de assistir essa prova, saímos de lá achando que por ser tudo tão organizado, simpático, e incrível, nada mais poderia ser melhorado.
    Isso chama-se respeito. Não existe show sem público.
    Será que não dá pra importar os dirigentes de lá prá cá?

  30. Verde disse:

    Não seja inocente. Essa Indy 500 tem de custar barato mesmo. Qual é a importância de uma pista com curvas que seguem para apenas um lado? Não é porque ela tem quase 100 anos de idade, milhares de histórias e tradições únicas que ela merece muito mais crédito.

    Sou muito mais a nossa Tietê 500, com asfalto de ótima qualidade, linda vista para a Marginal e “a maior reta da Indy”, como diz nosso querido Luciano do Valle. E quer saber? Não acho o preço tão alto assim, a não ser que você compre um pacote que inclui um genuíno assalto paulistano. Aí, sim, talvez você desembolse mais de mil reais, sei lá…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>