MENU

24 de julho de 2011 - 11:33F1

Pale Ale, 3

SÃO PAULO | O desempenho nos treinos livres jamais permitiria a Lewis Hamilton sonhar com um lugar no pódio no GP da Alemanha, em condições normais, se considerasse que as Red Bull e as Ferrari vinham muito à frente da McLaren. O segundo lugar na classificação com uma volta mais-que-perfeita começou a lhe dar alguma esperança. E eis que, sem chuva, Hamilton foi lá e conquistou uma vitória até que tranquila em Nürburgring neste domingo (24).

Fernando Alonso e Mark Webber até que foram rivais duros, mas só na primeira parte da corrida. Uma vez que Hamilton — líder desde a primeira curva, mas que perdeu a ponta na primeira parada nos pits — retomou a posição de destaque da corrida na Alemanha, não mais a perdeu.

Sebastian Vettel fez sua aparição mais pobre na temporada. Não andou
em nenhum momento no ritmo dos líderes, chegou a rodar e teve de suar para conseguir um quarto lugar — foi sua primeira prova fora do pódio desde o GP da Coreia de 2010, quando abandonou; considerando as provas em que chegou até o fim, é a primeira que não levanta um troféu nem estoura a champanhe desde o GP da Itália, em setembro do ano passado.

Na verdade, Vettel teve de contar mais com o erro da Ferrari na última volta. Foi nos boxes que o alemão da Red Bull superou Felipe Massa.

Siga o Grande Prêmio
Entre na página do Grande Prêmio no Facebook

Saiba como foi o GP da Alemanha de F1, em Nürburgring

Novamente pole, Webber se viu sem o primeiro lugar depois de uns 200 metros. O australiano assentiu que era impossível brigar na freada e se posicionou diretamente atrás de Hamilton, garantindo que o pessoal da segunda fila não o atacasse. Na curva 1, Alonso emparelhou com Vettel e conseguiu superá-lo. Massa, que tentava um bote por fora para ganhar a posição de ambos, acabou na verdade perdendo um posto, para Rosberg. Mais atrás, Barrichello pulava para 11º, três posições à frente de seu posto de largada.

O que Alonso havia obtido nos momentos iniciais perdeu logo na segunda volta: uma escapada na curva 3 abriu passagem para que Vettel retomasse a terceira colocação. No entanto, o espanhol se manteve nos retrovisores do atual líder da temporada, e na abertura do giro 8, houve nova inversão de lugares.

O sinal de que Vettel não estava em seu fim de semana aconteceu instantes depois: na curva Michelin, tangenciou para fazer a curva à esquerda e pôs o pneu além da linha, onde estava molhado. Rodou, mas voltou ainda à frente de Rosberg, que sofria para segurar Massa.

O primeiro acidente da corrida aconteceu na volta 10: andando lá atrás após um incidente com Paul di Resta, Nick Heidfeld buscava recuperação a seu modo, bem lentamente. O mesmo acontecia com Sébastien Buemi, que largou em último por ter sido desclassificado devido a uma irregularidade. Os dois se acharam na chicane. Na verdade, Buemi jogou o carro sobre Heidfeld, que deu uma decolada e foi parar ali na área de escape, um tanto quanto furioso.

O choque no pelotão intermediário foi o pavio para acender a corrida, que nem no chove-não-molha estava. Webber, que vinha comboiando Hamilton, chegou a passá-lo na entrada da reta principal, mas Lewis, com mais ação, devolveu ainda no fim da reta. Alonso colou de vez na dupla da frente. Ensanduichado, o australiano passou a gastar excessivamente seus pneus. Não à toa, abdicou da briga ao ir para os pits, na passagem 15.

O fim da volta 16 e o começo da 17 foi assim, ó: Massa passou Vettel na chicane e Webber se aproveitou para fazer o mesmo. Hamilton e Alonso foram juntos aos pits. Chegou lá no final da reta, os carros que saíam dos pits trombavam os que estavam na pista. O brasileiro assumia a liderança e segurava os três logo atrás, com muito mais ação. Assim foi por uma volta, afinal Massa teve de parar. A Ferrari trabalhou bem e o pôs de volta à frente de um incrivelmente lento Vettel.

Barrichello, neste ínterim, abandonava com sua Williams sem Kers para pesar menos. Disse a Williams que foi um vazamento de óleo que mereceu intensa investigação. Disse Rubens que a equipe ficou pedindo por voltas e voltas pelo rádio para que parasse e evitasse uma quebra de motor. Triste calvário conjunto.

A coisa toda deu uma esfriada na frente depois dos pits, com Webber mantendo certa distância para Hamilton e Alonso. De legal, mesmo, teve Schumacher tentando dar um duplo bote quando ele e seu companheiro alcançaram Vitaly Petrov. Sem êxito, o alemão mais velho partiu para cima de Rosberg. Mas acabou cometendo o mesmo erro de Vettel na volta 22: pneu além da pista e rodada. A Mercedes respirava aliviada enquanto o público se queixava. Ao menos, serviu para que o mítico Kobayashi colasse em Schumacher para resgatar uma disputa que seu às pencas nesta temporada.

A Red Bull chamou Webber para sua segunda parada na 31. A McLaren o fez com Hamilton na 32. Mais rápida, a equipe prateada devolveu seu piloto à frente. Com mais ação, os dois se encontraram na saída dos pits. Chegou a haver um toque na curva seguinte, mas Lewis se manteve à frente. A perda de tempo de ambos seria fundamental para Alonso, que foi aos boxes na 33. O espanhol chegou a voltar como líder, com Hamilton em ação similar à de Webber na volta anterior. Só que o inglês teve competência e arrojo para superar o antigo companheiro, e por fora assumiu a ponta da prova.

Aí a corrida voltou a dar uma caída. Button disputou ali um sexto lugar com Rosberg, passou, e na volta seguinte a McLaren lhe tirou o doce: problema eletrônico, e o pobre Jenson levava o carro para os boxes para marcar no campeonato seu segundo abandono seguido. Lá na frente, Hamilton abria mais de 3 segundos para Alonso, que se livrava de Webber. Vettel partia para cima de Massa para tentar um quarto lugar.

A última rodada de paradas aconteceu na volta 52, a oito do fim, pois. Hamilton foi o primeiro a pôr os pneus duros. A Ferrari preferiu esperar para averiguar se, mesmo com os velhos pneus macios seu piloto seria mais rápido. Não. Então fez seu papel, e Alonso voltou naturalmente atrás. A ida de Webber aos boxes pouco importou.

De resto a se observar foi só a disputa pelo quarto lugar. Vettel tinha muito mais ação, mas não conseguia a ultrapassagem sobre Massa. Curiosamente, ambos foram para os pits na última volta para pôr, por regulamento, os pneus duros. E aí, para motivar a queixa generalizada à Ferrari, eis que a equipe italiana trabalhou cerca de 1s5 mais lenta que a Red Bull, perdendo uma porca, e permitiu que o alemão ganhasse a posição nos pits.

Na volta aos boxes, a Ferrari pediu encarecidamente para que Alonso parasse seu carro na pista. O espanhol acabou voltando de carona no carro de Webber, em cena que lembrou os tempos de Nigel Mansell e Ayrton Senna.

Solitário em grande parte da corrida, Adrian Sutil fez por merecer um glorioso sexto lugar com sua oscilante e boa Force India. Rosberg e Schumacher, tão oscilantes quanto, foram sétimo e oitavo, respectivamente. Kobayashi ficou em nono com a Sauber e Petrov terminou em décimo com a Renault, que passou a prova inteira fazendo aliterações — frases iniciadas com a mesma letra — pelo Twitter. Sinal de como a corrida em Nürburgring não foi lá essa coisa toda.

De fato foi a primeira derrota em pista da Red Bull — e talvez a maior chance que Webber tinha de vencer enquanto dava. Na metade da temporada. A reação se fez tarde, e a inês está enterrada.

10 comentários

  1. luisfernando-rj disse:

    o hamilton voltou em grande estilo eu sou torcedor declarado desse camarada,o reginaldo leme se derramou em elogios e o pavão bueno e o burti em silencio profundo kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

    • Leister disse:

      Cara o lindo ver a magda bueno e puxa saco burti se dando mal . Eles tem orgasmos em falr do alonso , que perdeu pro novato hamilton, isto ja diz tudo

  2. Gilmar disse:

    Essa queda de rendimento do Vettel é um tanto suspeita, né não? Parece coisa arranjada prá dar um gás num campeonato que já se desenhava muito chato e previsível. Tô pensando que é mais uma tentativa de manipulação dos cartolas em defesa de seus interesses comerciais. Por essa linha de raciocínio, o Bruno Senna pode se dar bem, com o azarado Heidfeld se arrastando, o primeiro sobrinho terá sua chance, já que seu nome tem, ainda por cima, mais possibilidades comerciais. Espero que ele aproveite a chance e, com um pouco de sorte e competência, consiga se firmar.

  3. Mauricio disse:

    Na prova Hamiltom provou que é o cara do momento.

    Webber ta precisando de uma injeção de adrenalina pra acordar e fazer seu companheiro de equipe suar como foi ano passado.

    Vettel surpreendeu pela falta de competitividade, se embaralhou todo. Qual é a desse cara afinal? Grande piloto ou jovenzinho exuberante mas vazio?

    Alonso continua sendo o que é, um saco de vento. Pilota bem, mas não é isso tudo que falam dele. Quando o Massa deixar a Ferrari ano que vem, qualquer dos dois pilotos da Sauber que vier para o lugar dele irá fazer esse espanhol metido suar sangue para ficar na frente durante a corrida. Espero que seja o Koba.

  4. Mauricio disse:

    Victor, o incidente da porca foi fortuito. Basta anotar qu o trabalho da Ferrari até então estava muito bom, principalmente com o Massa. Foi falta de sorte apenas. Na pista o cara mostrou que ainda tem alguma coisa a mostrar.
    Porém acho que ja iniciou a curva final, salvo algum fato novo, vai sumir lentamente nos proximos tres anos e deixar alguma saudade.
    Sequela do acidente de 2009.
    Uma pena, teria sido um grande piloto.

  5. fagner andre disse:

    corrida boa, nosso massa está levando a sério esse negocio de ultima volta nas ultimas corridas, mas aqui, um acróstico real

    M eio segundo mais lento que
    A lonso,
    S erá que
    S empre vai ser
    A ssim ?

  6. André disse:

    Primeira derrota, mais ou menos. Pode-se considerar a quarta derrota do Vettel, a primeira de forma contundente.
    André / Piloto no http://www.f1bc.com

  7. Carlo santos disse:

    Cara sou cada vez mais fã do Hamilton que arrojo, que vontade de vencer tem este cara!
    Aquele Baba ovo do Galvão só fala M……….
    Ele critica o Hamilton porque o pilotinho dele nem pódio consegue.
    Na formula 1 de hoje só existe 3 grandes pilotos: Alonso, Hamilton e Vettel o resto é só pra fazer volume.
    abraço

    • Mauricio disse:

      Acho que sabes apenas de F1 lendo este blog.

      Seu comentário mais acertado diria que existem apenas tres pilotos ruins, o resto até que anda muito bem obrigado.

      Creio que falta carro bom para a coisa ficar mais interessante.

      Fico imaginando o que seria um pega entre Alonso, Hamilton, Vetel, Button, Webber, Rosberg, Schummy, Massa, Koba, Petrov, Perez emais uns tres nomes que não me lembro aqui agora, todos usando carros iguais.

      Acho que ia voar lascas…

  8. Tiago Patrese disse:

    Saudações Dom Barão de Victal.
    Corrida boa essa, Koba-san de volta aos pontos, Hamilton surpreendendo a todos, só faltou a chuva pra embaralhar e zoar com tudo.
    Veremos na Hungria se essa zorra se repete, veremos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>