MENU

28 de setembro de 2012 - 11:15F1

Início do xadrez

SÃO PAULO | A principal peça do xadrez da F1 se moveu, enfim, e deu cabo a outras duas mudanças essenciais. A chegada de Hamilton à Mercedes abriu espaço rapidíssimo para Pérez — a McLaren resolveu tudo em dois dias e nada mais. E Schumacher, duvidoso e incerto, ainda não sabe se aposenta ou se sai da moita.

Já vi por aí que tem gente chamando Hamilton de traíra e mau caráter por trocar a McLaren, que lhe deu de comer e vida no automobilismo e tudo mais. Contando 2012, são seis temporadas na F1 defendendo o time de Ron Dennis e Martin Whitmarsh. E a Mercedes também foi apoiadora de sua carreira nos primórdios, na F3, por exemplo. E mesmo se ele tivesse ido para a Ferrari ou a Red Bull, os serviços prestados por Hamilton, num balanço geral, são positivos: um título em 2008, um vice em 2007, disputou o título de 2010 até a última prova, está na briga deste, uma média de uma vitória a cada cinco corridas. É um cartel ótimo. Vai para a Mercedes procurar um desafio novo. E tem um outro de$afio.

Hamilton chega para ganhar bem mais na Mercedes, ex-Brawn, ex-Honda, ex-BAR. 1999, BAR, Villeneuve viu a queda da Williams e, motivado por um caminhão de dinheiro, debruçou-se no projeto de Craig Pollock para formar a British American Racing, com chassi Reynard. Jacques nunca mais foi nada para a F1. Não venceu uma corridinha sequer. Nem teve chance de uma corrida de despedida, depois que foi parar na BMW Sauber e foi demitido. A situação é levemente diferente com Lewis porque a Mercedes tem uma base muito mais forte do que tinha a BAR, mal ou bem conseguiu uma vitória, mas Hamilton vai passar a responder pela obrigação de liderar uma equipe a caminho do título. Uma equipe que até outro dia pensava em não assinar o Pacto da Concórdia porque esta história de F1 é cara demais – e os resultados não estavam vindo; aliás, recomendo a próxima edição da Revista Warm Up em relação a isso. Para a Mercedes, Hamilton é a última tentativa de brincar de F1.

E a Mercedes cansou de Schumacher. Cansou também de esperar Schumacher se decidir. Michael é uma excelente plataforma de mídia e divulgação da marca, a maior que a Mercedes poderia ter quando resolveu voltar à F1 enquanto equipe. Mas como funcionário bem pago e na obrigação de apresentar lucros à empresa, Schumacher falhou nestas três temporadas. Um só pódio, em Valência neste ano, uma coletânea de acidentes e erros primários – também recomendo a leitura da próxima coluna de Américo Teixeira Jr., o furador, na Warm Up. Como bem disse Massa, Schumacher só tinha a perder neste retorno. E perdeu. A memória seletiva de muita gente tende a apagar o que o primeiro Michael conquistou. O segundo quase nem se nivela ao irmão Ralf. Assim, a decisão da Mercedes é altamente compreensível e acertada, sobretudo na escolha do substituto.

Schumacher ainda não se aposentou. Havia um papo de que fariam o anúncio da retirada em Stuttgart, mas Schumacher segue pensando. Baixou Rodin no véio. Mas se ele seguir, até tem chance de parar na Sauber. Uia! Bem, Michael teria de ser piloto pagante, porque a Sauber está atrás de alguém que banque a farra automobilística, e patrocínios, o homem tem de monte. E seria também uma forma de encerrar um ciclo da carreira, afinal Peter Sauber foi seu chefe de equipe quando corria de protótipos antes da F1. Se o dirigente e Monisha Kaltenborn quiserem publicidade e homenagem, o prato está pronto. Quanto a resultados, certamente não é o que tem pra hoje.

Quanto a Pérez, trata-se de um prêmio pelo que o rapaz fez com um carro da Sauber, levando-o a três pódios e deixando Kobayashi na havaiana velha. Ainda que carregue a pecha de piloto pagante e que o fator Telmex/Claro tenha pesado na opção da McLaren, a equipe está diante de um novo talento, o melhor deste meio do grid. São várias uniões de fome e vontade de comer. A Vodafone vaza, outra empresa de telefonia entra, Button assume de vez a condição de primeiro piloto e líder da cavalaria mclariana e Sergio vem na condição de atração de luxo da temporada. Ainda, é uma linda lição que a McLaren ensina à Ferrari, que teve Pérez em suas mãos e optou por não ousar.

29 comentários

  1. Lazarento disse:

    Garanto que se o “Irmão Ralf” fosse brasileiro, com seu curriculum na F1 (se não me engano mais de meia dúzia de vitórias), teria uma pachecada aí dizendo para respeitar o piloto, mimimi, bóbóbóbó… Mas como é alemão e, ó pecado, irmão do Inominável, então passa a ser referência de ruindade.

  2. Marcelo disse:

    Victor…. só uma coisinha que precisa ser colocada aqui, que ja foi comentada antes…. o Perez é egoista e não sabe trabalhar em uma equipe… e isso na Ferrari é mais valioso que nunca…. (tb, pra não ser hipócrita, nem o Alonso é). Agora… com o Alonso lá o Perez não ebtra… se precisar dar passagem ao Alonso o Perez nao faria isso…. O Montezemolo falou aquilo de inexperiencia pra nao falar de que o cara nao trabalha em equipe…
    Vamos ver mas tem mais história por aí… a Ferrari nao desprezaria o cara assim… por nada.

  3. Moacir Filho disse:

    Alonso ganha o titulo em 2012, Vettel ganha em 2013 (ou vice e versa…) E EM 2014, teremos 2 Tri-Campeoes do Mundo dividindo os boxes pela FERRARI!!

  4. Anderson Ramos disse:

    Parabéns pelo texto Victor….

    Eu ainda prefiro ver um Schumacher nas pistas, do que um Felipe Massa, Webber brincando de ser piloto…. Seria uma boa o Schumi voltar para a Ferrai, seria uma boa disputa.

    Massa pode ir para a Indy com seu amigo Rubinho….ou a Stock.

    Agora bom mesmo seria uma inesperada volta do NELSINHO PIQUET na Sauber….ai sim o Brasil seria bem representado…teriamos um piloto com vontade de reescrever sua história na Categoria….

    E continuaremos apostando no rápido e consistente Bruno Senna, espero que ele melhore nos treinos.

    Ainda sobre a dança das cadeiras, uma sugestão Victor…a F1 deveria buscar um piloto Norte-Americano….afinal ganharão dois GPs…quem sabe a Ferrari ou a Red Bull não investe no Marco Andretti….

    Abraço.

  5. O Lewis Halmilton é um cara de coragem e aceitou o desafio de guiar para Mercedes, afinal ele é um Cabeça de Chave casca grossa, e o seu desafio é trazer a Mercedes para ponta, isso é a mesma coisa que o Schumacher fez na Benetton e Ferrari, e ainda faira na Mercedes, só que hoje o Schumacher é vovô, por isso cabe agora ao Halmiton esse desafio. O Sergio Pérez ganhou a melhor chance de sua vida e cabe há ele aproveitar, e se ele convencer ele sai ganhando, na verdade essa chance na McLarem é melhor que a da Ferrari. A Ferrari vai ainda fazer uma conta final para assinar com Massa, isso quer dizer que o Massa deverá ser o último a renovar, mas sua situação não muda na equipe ficando como subalterno do Alonso, depois disso eu acho que é adeus.

  6. João Paulo Gomes disse:

    Indo por partes:
    - Schumacher: deu o que tinha que dar, está mais do que na hora de parar (se divertiu nesses 3 anos, mas chega uma hora em que a equipe precisa de resultados, algo que ele não consegue mais oferecer). Acho que esses três anos já foram o suficiente para ele se sentir “homenageado”, seria besteira querer cavar vaga numa Ferrei ou Sauber e tomar pau do campanheiro de equipe, agora chegou o momento de ficar em casa e curtir a família…
    - Hamilton: aposta arriscada do ponto de vista técnico, mas altamente vantajosa em termos financeiros. Sem falar que, se a equipe deslanchar, ele vai carregar os méritos dessa evolução; se não ser certo, é só dizer que o problema é o carro: considerando que ele é novo, acho que vale a pena (se em 3 anos nada acontecer, ele ainda terá 29 anos e tempo para se reerguer em outra equipe).
    -Pérez: foi quem melhor se deu na história, indo pra uma equipe de ponta e que não faz distinção entre os pilotos. O moleque tem muito futuro e não parece que vai sentir a pressão de pilotar em uma das grandes equipes. Queiram ou não, o fato é que desde o Senna um latino-americano não se transformava em protagonista da F1 e favorito ao título (não incluo Massa, Barrichello e Montoya nessa lista, pois nunca foram de fato protagonistas): em 2013, a temporada vai se iniciar tendo como favoritos Alonso, Vettel, Button e Pérez..
    Abraço a todos

  7. João Paulo Gomes disse:

    Indo por partes:
    - Schumacher: deu o que tinha que dar, está mais do que na hora de parar (se divertiu nesses 3 anos, mas chega uma hora em que a equipe precisa de resultados, algo que ele não consegue mais oferecer). Acho que esses três anos já foram o suficiente para ele se sentir “homenageado”, seria besteira querer cavar vaga numa Ferrei ou Sauber e tomar pau do campanheiro de equipe, agora chegou o momento de ficar em casa e curtir a família…
    - Hamilton: aposta arriscada do ponto de vista técnico, mas altamente vantajosa em termos financeiros. Sem falar que, se a equipe deslanchar, ele vai carregar os méritos dessa evolução; se não ser certo, é só dizer que o problema é o carro: considerando que ele é novo, acho que vale a pena (se em 3 anos nada acontecer, ele ainda terá 29 anos e tempo para se reerguer em outra equipe).
    -Pérez: foi quem melhor se deu na história, indo pra uma equipe de ponta e que não faz distinção entre os pilotos. O moleque tem muito futuro e não parece qQueiram ou não, o fato é que desde o Senna um latino-americano não se transformava em protagonista da F1 e favorito ao título (não incluo Massa, Barrichello e Montoya nessa lista, pois nunca foram de fato protagonistas): em 2013, a temporada vai se iniciar tendo como favoritos Alonso, Vettel, Button e Pérez..
    Abraço a todos

  8. Adriano Bastos disse:

    Sem dúvida quem deu lição a alguém foi o Hamilton…

    A Mclaren precisa de grana. Está em processo de decadência assim como a Willians…

    Perdeu o patrocínio, vai perder a exclusividade dos motores Mercedes, vai ter que pagar para um fornecedor de motor…..

    Lembram da Wiillians em 1998? Foi campeã em 1996 e 1997 e depois disso decaiu por falta de patrocínios, falta de apoio da renault e pela cabeça dura do Frank…

    A Mclaren não quis ser vendida, agora vai suar para conseguir continuar na ponta…. provavelmente será da Mercedes como a Suber é para a Ferrari.

    Em época de Crise, vai ficar a gigante Fiat, a grande Mercedes e a Red Bull como empresa….

    O resto serão apenas coadjuvantes,…

    Perez será um deles

  9. Celio Cunha disse:

    Perez vai dar um belo sacode nesse Button isso sim. Segundo piloto vai ser só no papel.

  10. Philipe Speed disse:

    Victor, quanto as pessoas se esquecerem o que Schumacher fez… ou elas ou você sofrem de aminésia amigo, os recordes talhados na histórias estão aí, corram e quebrem-os.

    Alguma coisa tem, se Schumacher não renovou é porque tem outras situações por de trás. Para ele, faltou chegar no final das corridas, pois andar na frente de Rosberg que é um bom piloto ele o fez e várias vezes, ainda é competitivo, e pra quem tem 43 anos, não queiram exigir mais do que isso, isso sim seria injustiça!!!

    A Mercedes, não fez um carro bom durante os tres anos que está na ativa, e na Corrida que Rosberg ganhou, Schumacher quebrou quando estava em segundo, vai lá saber o que poderia acontecer com as estratégias não é?

    Mônaco, fez a pole mas não levou, saiu em quinto se esrroscou e foi-se mais uma oportunidade…

    Portanto, em um balanço holístico da situação, não fez nada menos que Rosberg fez, e ainda vai fica na história!!!

    Chatiassão eu tenho quando vêm somente o ontem, e não a semana passada… mas volta e meia lembram de pilotos que já ficarm bem atrás no passado… mas democracia é assim, e é bom param debatermos.

    Vamos ver onde o velho Schummy irá se divertir, seja em uma equipe ou em alguma ilha que ele tem neste mundão afora, mas digo, é um orgulho muito grande ver uma lenda surgir e encerrar seu ciclo, o cara é realmente o cara!!!!!!!!!!!

  11. carlos almo disse:

    Boa tarde a todos, em minha opinião, se Schumacher tem essa coisa toda de agradecer à Peter Sauber, e se esta equipe vive sempre na penúria atrás de patrocínios que a mantenham em pé (e olhe que carro bem nascido ela tem em 2012!) porque então o novo “Rodin” (muito bem sacado! rsrs) não parte para uma carreira de dentro dos boxes, assumindo algum tipo de cargo na equipe Sauber e, que sabe, até uma sociedade? Seria muito maneiro ver isso.
    Abraços

  12. Carlos Tavares disse:

    Schumacher na Ferrari. I believe.

  13. nando figueiredo disse:

    E a pergunta que deve ser feita é: Quanto o sogro, quiz dizer o patrocinador vai pagar pra ter o nome da Telmex na lateral do carro da Mc Laren?????

    A escolha do mexicano foi de olho no chequinho que vem junto, o cara que vai levar a equipe é o Button, esse sim conquistou a equipe. E trabalhando preferencialmente apenas com 1 piloto e todo o potencial da Mc Laren segura o “Inglês” que sobrou.

  14. Para os que acham Hamilton traíra indo para a Mercedes, depois de toda a sua carreira feita na McLaren, Perez, cria do programa de pilotos da Ferrari, é tão “traíra” quanto indo pra McLaren… Meu, vocês que pensam em trairagem esqueçam isso… o que manda é grana e oportunidades neste mundo, ainda mais quando é bom pra todo mundo…

    Pena mesmo é ver o Schumacher ter este final tão melancólico, sem saber largar o osso, assim como o seu “grande amigo” Barrichelo. Sei que tem aquele negócio da paixão e tudo mais, mas que dá uma manchada na carreira sempre dá…

  15. Mateus disse:

    Eu acho esdrúxulo esse papo de “trairagem”. A Mercedes pesa tão – ou mais – na vida do Hamilton quanto a Mclaren. Em sua biografia, ele agradece à “família, Mclaren e Mercedes. Mais ninguém”.

  16. Marcelo Bombardelli disse:

    “Baixou o Rodin no véio.”
    Rí Eletrons. Agora que o jornal aqui do Mexico deveria soltar outra capa: “Ferrari, en tu cara!”

  17. Harerton Dourado disse:

    E se a Ferrari não quis o Perez porque em 2014, ao Alonso se aposentar ela contrata o Vettel?

  18. Mauricio disse:

    Sei não Vitor… Tem ainda alguma coisa a mais por detrás disso tudo. O pessoal da Ferrari não é trouxa, é macaco velho.

    A Troica Schummy/Brawn/Luca é muito unida e não apenas por laços de amizade e sim por $$$$ também.

    • mauricio disse:

      Xará, o que está por trás disso certamente é um pré-contrato com Vettel para 2014.
      Quando, questionado a respeito de Perez, Montezemolo disse que para sentar numa Ferrari tinha que ser mais experiente, muita gente achou que ele estava comparando o mexicano a Massa. Na verdade estava pensando mais longe, comparando Perez a Vettel, que é igualmente jovem, mas não mais uma promessa e sim um piloto consagrado e bi-campeão.
      Por isso uma renovação de apenas um ano com Massa: um contrato tampão.

      • Mauricio disse:

        Mesmo ficou um buraco enorme nessa história.

        Ainda tem sapo voando por ai. 2013 ainda está em aberto!

        O que fará da vida o Schummy?

        Duvido e aposto que ele não para.

        E para complicar, um funcionário da Ferrari disse ontem que o Massa ainda não tem nada assinado com a Ferrari.

  19. José Augusto Rocha F° disse:

    Perez na Sauber faz vir à tona a questão: Sucesso ou fracasso!? As obrigações de uma equipe de ponta são bem diferentes de uma intermediária. A história está aí para dizer e os exemplos são muitos.
    Tomara que dê certo.

  20. Rodrigo disse:

    Mas a McLaren precisava de um piloto de qualquer jeito, tinha perdido seu piloto “principal”. A Ferrari não tinha uma “vaga aberta”. Não sei se é uma lição. A McLaren precisava de um piloto de qualquer jeito, foi atrás. Não sei se a Ferrari precisa de um outro piloto de qualquer jeito.

  21. Murilo disse:

    A possibilidade de Schumacher na Sauber não é lá muito dificil.
    Sauber usa motor Ferrari e Schumacher tem uma relação eterna com Maranello.
    A Sauber precisa de dinheiro e conseguir patrocínio é fácil pro Schumacher conseguir, apesar de tudo que tem acontecido com ele na Mercedes.
    Acredito que o Schumacher não queira se reaposentar com a fama de um piloto trapalhão.

  22. Luis disse:

    Também conta nisso o fim da parceria entre McLaren e Mercedes, cujo acordo terminará em 2013.

  23. Ricardo Arcuri disse:

    Perez é rapido, mas a Ferrari ta certa em dizer que ele ainda é verde. Um Di Resta seria mais indicado, nem que fosse em apenas 1 ano de contrato.

    De qualquer forma, a McLaren está trazendo um diamante a ser lapidado. Se o fizer bem, tem um novo Ayrton Senna nas maos. Resta saber como fará isso.

    Quanto a Hamilton, acredito que tenha feito a pior decisao de sua carreira. E agora, apenas tende a ir para baixo.

    • paulo disse:

      cara, se você falasse ” novo Ayrton Senna” no site/blogs da Globo, isso aqui já tava cheio de críticas.
      Mas concordo com você, nisso tudo, quem mais ganhou, ‘esportivamente’ falando, foi Perez, a Mclaren perde e o Hamilton também.

      • Henrique disse:

        Foi com esse papo de “piloto verde” que Schumacher abocanhou seus títulos mundiais, as grandes equipes preferiram ficar com pilotos famosos mas limitados para brigar com Schumacher a ter que arriscar com pilotos jovens e talentosos que não tinham oportunidades nas grandes equipes e ficavam brigando no pelotão de trás. O Dick Vigarista tem que sair, a fila precisa andar, para a Ferrari ele não vai, os tempos são outros, ali manda Alonso. Massa hojé é um piloto limitado devido ao acidente que sofreu, mas é o segundo piloto que a Ferrari merece. Boa sorte Perez, e Sauber na escolha do outro piloto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>