MENU

16 de janeiro de 2013 - 16:29F1

Bellucci não é Barrichello

Bellucci caiu na primeira rodada do Aberto da AustráliaSÃO PAULO | À derrota que muitos julgavam inesperada na última segunda-feira na primeira rodada do Aberto da Austrália para o esloveno Blaž Kavčič, que merece todos os acentos do mundo em seu nome, muitas gentes trataram de procurar outros adjetivos para Thomaz Bellucci e sua carreira que teima em não passar da terceira marcha. No afã, compararam-no ao pobre Rubens Barrichello, ali quieto, esperando só as temporadas da F1 e da Stock Car começarem. “É o Barrichello do tênis”, simplesmente definiram, para apreciação de alguns.

Mas não. Nem de longe. É até espantoso que se faça tal paralelo, por mais compreensível que se apeguem aos rótulos dados a Rubens nas quase duas décadas de serviços prestados à F1, da pecha que carrega de não ter sido primeiro e tal.

A relação tênis/automobilismo talvez seja injusta, visto que o segundo depende inteiramente de um conjunto de fatores, sobretudo de uma equipe. Mas como foi feita, faz-se necessário romper os laços do que cada um representa a seu esporte.

Há neles a idolatria de dois gênios, Gustavo Kuerten de um lado, Ayrton Senna de outro. Não só os esportistas supracitados, mas todos os brasileiros que vierem depois deles sofrerão a pressão de serem no mínimo do mesmo nível daqueles que alcançaram a glória. Nesta linha, o debate sobre Barrichello é bem conhecido – aceitar a posição de novo herói nacional e acreditar no engano, muito embora tenha sido um dos grandes do período pós-Senna. Ao mesmo tempo, é uma grande verdade quando se olha para a história e se observa que Rubens é um dos vices que merecia sair da F1 como campeão. Seu azar foi ser contemporâneo e companheiro de Michael Schumacher.

Bellucci começa em 2013, segundo o site oficial, seu nono ano como profissional do circuito do tênis. Nesta trajetória, alcançou o posto de 21º do ranking – hoje ocupa a 33º posição – e ganhou três títulos. Seu número de derrotas é quase igual ao de vitórias (112-107) – em termos de comparação, Guga apresenta no currículo 358-195. Para muitos, ser o 21º ou o 33º é um feito e tanto. São universos distintos, é bom ressaltar de novo, mas é como ser o nono ou décimo melhor piloto da F1 atual. É um feito?

E um outro ponto: ranking engana. Ou alguém realmente leva a sério essas listas mensais entre seleções da Fifa, por exemplo? Hoje, segundo esta, o Brasil é o 18º futebol do mundo. O que não é verdade. Da mesma forma, Bellucci não foi o 21º melhor tenista.

Na comparação intraesportiva, Barrichello bateu Schumacher algumas vezes e pode-se dizer que não havia um abismo de diferença entre ambos. Bellucci, com o tênis que joga, dificilmente vai vencer Novak Djoković, Roger Federer, Rafael Nadal ou Andy Murray, os quatro melhores da raquete. A diferença é colossal. E com oito ou nove anos de estrada, já era para Thomaz ter despontado. Nenhum fora-de-série demora tanto tempo para se mostrar.

Se Bellucci engata uma sequência de vitórias e bons resultados, logo trata de cair facilmente num torneio qualquer. Nesse sentido, sim, assemelha-se a Barrichello, que nunca foi dos pilotos mais constantes em termos de bons resultados. E um outro fator que os aproxima é o psicológico. De resto, não há como colocar Bellucci e Barrichello no mesmo patamar.

É injusto demais com Rubens.

97 comentários

  1. Igor disse:

    Só não foi comentado o fato do azar de Rubens de ser contemporâneo de um piloto fantástico, frio, calculista, um dos maiores de todos os tempo: Jenson Button!

  2. Bagunça! disse:

    Tá parecendo discussão de religião e time de futebol! Acho q vc mexeu com os “fodões” do tennis! Ai ai ai Cuidado! O sangue deles é azul e os gases cheirosos…

    É evidente e óbvio para qualquer ser humano desprovido de “animosidades”, que para o mundo da F1 a passagem do Barrichello foi muito mais relevante do ponto de vista dos números e resultados do que o Bellucci para o Tennis até aqui.

    Porém, como meros torcedores e brasileiros, não vemos a hora de se possível ouvir o Galvão em algum Domingo qualquer gritando: “Bellucciiiiiii!!! É do Brasiiiilllllllll!!!!!!

  3. Claudio disse:

    Quantos dos criticos do Belucci, aqui, conseguiram resultados melhores que ele ? Ah, tá…
    Se formos falar do Barrichelo, então…
    Queria saber quantas pessoas aqui odeiam mais políticos do que esportistas. E lembrando, claro, que nem o Barrichello nem o Belucci são pagos com dinheiro publico, tem verba de gabinete, verba disso, verba daquilo, apartamento funcional… e com esse bando de alienados pagando a conta e dando risada, e achando que escrachando esportista o Brasil vai melhorar.
    As outras piadas mais tradicionais – do português, do judeu, do papagaio, do marido traído, com certeza são bem mais engraçadas.

  4. Alan Magalhaes disse:

    Obrigado Victor e comentaristas. Dei boas risadas, acabei lendo tudo, muito bom. Na próxima Victor, quem sabe uma comparação do Phelps com o Xuxa, não, tem que ser esportes bem diferentes, como aqui, deixa ver… Victor Belfort e Pedro Queiróz Pereira da Stock Car. Quem bate mais?

  5. Diogo disse:

    O pessoal quer comparar laranjas com beterrabas. Não existe lógica em comparar Bellucci com Barrichello. Esportes diferentes, modelos de competição diferentes, critérios de avaliação diferentes.

    Individualmente, Bellucci é um bom atleta. Não está no nível dos grandes atuais e dificilmente chegará a tal posto. 21ª posição no ranking da ATP é pura enganação. Meligeni e André Sá, para citar dois tenistas brasileiros recentes, são melhores do que ele.

  6. Odilon disse:

    Comparação infeliz.

    Barrichello surgiu num “esporte” onde o Brasil já tinha uma grande tradição: três campeões mundiais. Com seu espírito de “sambadinha” (talvez a coisa mais ridícula que algum piloto já tenha feito em cima de um pódio na história do automobilismo mundial), nunca foi um digno concorrente a campeão. Coisa que até o Massa já foi.

    Bellucci será provavelmente o 2o. melhor jogador da história do tênis brasileiro, acima de Koch e Meligeni.

    É injusto com o tenista compará-lo com o Barrichello.

  7. Francisco disse:

    Realmente a comparação tênis/automobilismo é injusta, mas acho que cabe alguns comentários sobre o post (detalhe: estou LONGE de ser fã do tenista brasuca):

    1) Comparar ranking FIFA com o ATP é absurdo!

    2) Falar que Bellucci que dificilmente vai ganhar de Federer, Nadal, Djokovic e Murray. Isso é verdade, embora Bellucci tenha ganho de Murray. A questão é que quase todos os demais tenista (sim, TODOS, desde o 5º do ranking) tem dificuldades em vencer qualquer um dos 4 tenistas (principalmente os 3 primeiros). Há algumas exceções, alguns tenistas que pelo estilo de jogo conseguem incomodar um dos TOP4. Destes 4, o Murray é que começou a despontard e verdade ano passado. Quanto aos demais: Federer está em todas as listas de melhores da história, sendo que frequentemente ele ocupa o topo desta lista. Nadal, além de também ser um dos melhores da história, coleciona recordes atrás de recordes no saibro, sendo talvez o melhor de todos os tempos neste piso. E Djokovic há pouco tempo atrás obteve a maior série invicta de jogos da ATP. Ou seja: não é demérito nenhum não ganhar desses caras. E repito: não é só o Belluci que sofre desse mal. E mais: ele pelo menos costuma engrossar contra esses caras (contra os “cachorrões” do circuito ele joga bem, mas quando pega um cara ganhável que é o problema)

    3) Por fim, dizer que Bellucci chegou ao máximo 21º e Barrichello já foi vice algumas vezes. Pra começo de conversa, Barrica foi vice quando a Ferrari sobrava. Claro que mesmo assim ele tem méritos, mas temos que considerar isso. Outra: Barrichello foi vice da F-1, isso não quer dizer que ele foi o segundo melhor piloto do mundo. Há diversas categorias no automobilismo. No tênis, o ranking é um só. Muitíssimo mais complicado ser vice nessas condições, não?

  8. Marcelo Souza disse:

    Já que ninguém chega a um acordo, vamos esquecer o Bellucci e comparar o Barrichello com a Portuguesa. Os dois fizeram história com a camisa vermelha, tem alguns poucos torcedores, participam todo ano, não ganham nada, sempre acham que foram prejudicados, pelo juiz, pelo pneu, pela equipe, pelo motor, pelo Castrili, pelo Jean Todd, pelo sol, pela chuva, e sempre tem gente que fica com dó. É isso, agora a comparação é mais justa, Rubinho é a Lusa da F1.

  9. Willians disse:

    Eu acompanho a F1. Eu não acompanho tênis. Aliás, nem gosto de tênis. Sendo assim, a única coisa que sei sobre Bellucci é que seu nome lembra o de Stefan Bellof. E Bellof foi um grande piloto. Se a semelhança no nome for a mesma nas performances em seus respectivos esportes, Bellucci tem chance de ser um bom tenista. Isso se não morrer pelo caminho em algum acidente automobilístico.

  10. marco aantonio norbiate cordobê disse:

    Vitor:
    Voce acertou em cheio. Qualquer dos dois citados são grandes esportistas. Bellucci, me parece, é um bom tenista. Não psso dizer mais porque não tenho acompanhado sua carreira e deixei o tenis de lado há algum tempo. A formula 1, apesar de ter tido corridas muito boas na temporada passada, pra nós brasileiros perdeu a graça. Falem o que quiser, critiquem, riam, mas não se pode negar que Barrichello foi o melhor dos brasileiros na era pós campeões. E acredito que, mesmo com 40 anos, em condições de igualdade, dá um coro no Massa (me desculpem os fãs do Massa, acho um bom piloto, mas só isso). Acredito que nnguém fica numa categoria top por 20 anos de graça…todos os méritos a Rubens, que apesar de embarcar em algumas barcas furadas, contnua mostrando que é um grande cara e um baita piloto.
    Abraços e sorte

  11. Gostei da sua comparaçao. Realmente é injusto comparar os dois, ate porque, se pegarmos as devidas proporçoes, Barrichello fez bem mais que Bellucci, representou muito mais ao seu esporte.

    So uma coisa que queria discordar: a historia do ranking. Diferente do da FIFA, que é a coisa mais fora de bom senso que ja vi, o ranking da ATP representa os resultados adquiridos por cada tenista nos torneios que disputou. Sendo assim, se ele é 33o. do mundo, pode apostar que nao ha criterio de comparaçao melhor e que este valor vale ser adotado. Porem, concordo tambem que isso nao representa a atualidade, pois o tenista pode estar conm tudo, com ranking la embaixo. Para isso ainda existe a “corrida dos campeoes”, que representa os resultados apenas no ano vigente (sim, em 2013, ele está uma lastima nesse ranking). Para o que vc disse acima, este ranking é mais apropriado.

  12. Claudionor Sabença disse:

    Acho que comparar tênis com F1 é algo meio infeliz, mas vamos lá…

    “Na comparação intraesportiva, Barrichello bateu Schumacher algumas vezes e pode-se dizer que não havia um abismo de diferença entre ambos. Bellucci, com o tênis que joga, dificilmente vai vencer Novak Djoković, Roger Federer, Rafael Nadal ou Andy Murray, os quatro melhores da raquete. A diferença é colossal.”

    É preciso ter bastante cuidado nesses tipos de afirmativa.

    Bellucci tem um histórico de duas partidas duríssimas contra o Federer no ano passado, em Indian Wells e na Basileia. Eis o placar dos dois jogos: 6-3, 6-7(6), 7-5 e 3-6, 6-3, 6-4.

    Bellucci foi o responsável por quase encerrar uma incrível fase invicta de Djokovic em 2011, quando ganhou o 1º set contra o sérvio nas semifinais de Madri e chegou a ter um BP a favor no 2º. Só que acabou tomando a virada.

    Bellucci venceu Andy Murray no mesmo torneio de Madri de 2011, por 2-0. Alguém falou ali em cima que o Murray não era “o mesmo top” de hoje. Como não? Virou top só depois que ganhou o US Open de 2012? Ele já era o número 4 do mundo quando isso aconteceu.

    Quando perguntado qual seu adversário mais difícil do torneio de Roland Garros 2010, Rafael Nadal respondeu Bellucci. O espanhol não perdeu nenhum set naquele torneio, mas quase perdeu 1 para o brasileiro. E estamos falando de Nadal no saibro de Roland Garros.

    Qualquer especialista do meio elogia os golpes de forehand no fundo de quadra do Bellucci, suas angulações e a evolução de seu serviço. Tecnicamente, seu grande pecado é ser um desastre jogando na rede. Até aí, nem o Nadal e nem o Guga foram grandes sumidades nessa área.

    Sendo assim, cravar “diferença colossal” é enganoso. Qual a diferença colossal entre Bellucci e os grandes? Técnica? Não, é física e mental. Davi Ferrer não é tecnicamente superior ao Bellucci e é o número 5 do mundo; Tipsarevic não é tecnicamente superior ao Bellucci (tanto que perdeu uma final contra ele no ano passado, num dos bons dias do brasileiro) e é o número 8. E o são pelos seus resultados, não por um “ranking enganoso” (se for assim, é enganoso colocar o Djokovic como número 1, certo? Se Bellucci foi um dia o número 21 do mundo, com certeza ele fez algo por onde).

    Tecnicamente, excetuando o Federer, a diferença entre os tenistas top não é nada “colossal”. O que muda é o lado físico e mental e, especialmente nesse último lado, o Bellucci sofre demais.

    Agora, como comparar os resultados dele com o de um esportista de um esporte tão diferente como o automobilismo? É difícil. E se você argumenta que o “azar” do Barrichello foi ter sido contemporâneo de Schumacher (algo que eu discordo, pois outros pilotos também foram superiores a ele nesse período, como Hill, Hakkinen, depois Montoya, Raikkonen, Alonso e até o Button, que ganhou dele em 3 dos 4 anos que correram juntos), o “azar” do Bellucci foi ter nascido numa época onde os jogadores são tão precisos, tão fortes mentalmente e fisicamente, e onde há quatro foras de série ao mesmo tempo.

    Pegue a época do Guga e veja como os jogadores oscilavam. O brasileiro mesmo vivia perdendo de alguns jogadores fracos em estreias de torneios. Hoje isso é imperdoável.

    Pelo legado, Barrichello é muito mais reconhecido que Bellucci. Mas a sua análise também foi injusta demais com um jogador do qual, percebe-se, você não sabe muita coisa.

    • Claudionor Sabença disse:

      Mais uma coisa: não fosse o Bellucci, o Brasil estaria sem um tenista no top 10 faz tempo. E num país sem tradição nenhuma no esporte, ele talvez seja um dos cinco maiores tenistas masculinos brasileiros da história.

      Por isso, mais uma vez, nem a comparação dos outros e nem a sua fazem sentido. São realidades totalmente diferentes.

      • Claudionor Sabença disse:

        Top 100, não top 10

      • Victor disse:

        VM responde: Você tem até argumentos válidos, legal o debate. Mas aí chegar e dizer que o Brasil não tem tradição nenhuma no tênis, percebe-se que você não conhece como um todo.

        • Claudionor Sabença disse:

          Com certeza, eu acompanho tênis bem mais do que você, rs.

          Acima do Bellucci no tênis masculino, existem Kuerten, Koch e talvez Bruno Soares (que ganhou um GS nas duplas mistas) e Meligeni. TALVEZ. Fora isso, Bellucci tem mais conquistas nos simples que qualquer outro, incluindo Hocevar, Oncins, Kirmayer, Luiz Mattar, Saretta, Mello e afins.

          O que o Brasil possui em âmbito mundial é muito pouco perto de outros países. Vive de um ou outro talento esporádico fora do comum. O “tradição nenhuma” foi uma força de expressão exagerada, concordo, mas que não foge tanto assim da realidade.

          Já a tradição no automobilismo e sua popularidade no país são muito maiores. Faça uma pesquisa e veja quantas pessoas acompanham F1 e quantas acompanham o circuito da ATP. A diferença é enorme.

          Justamente por conta disso, é muito mais fácil, especialmente para um jornalista da área automobilística, afirmar que Barrichello perdia para Schumacher nos detalhes. Mas esse mesmo jornalista, que não acompanha tênis (tanto que falou uma grande besteira sobre a Kvitova no Twitter dia desses), usa só números para comparar Bellucci com os top.

          Ora, comparemos então só os números e vejamos que a diferença de Schumacher para Barrichello era “colossal” da mesma forma. Mas você sabe perfeitamente que, na pista, não era. Assim como, na quadra, Bellucci não deve tanto para outros acima dele. O que pesa são outros fatores.

          Além disso, o tênis é um esporte que reúne mais de 1000 jogadores profissionais na ATP. O automobilismo é dividido em várias categorias, sendo que Barrichello era confrontado na F1 com somente mais 19 ou 21. Se houvesse 1000 pilotos na F1, em qual patamar Barrichello ficaria?

          Percebeu as questões? Por isso, comparar tênis com corrida de carros não tem cabimento, em nenhum aspecto.

          Sugiro que você tente se focar mais em questões das quais conhece. Ninguém é obrigado a saber sobre tênis, mas essa moda dos dias atuais, em que todo mundo caga regras o tempo inteiro sobre assuntos dos quais não conhece, isso gera algumas distorções como a apresentada em seu texto.

  13. marconni disse:

    bellucci não é barrichello, mas webber até é meio ferrer… Não sou especialista nem em tênis, nem em f1, mas rubens sempre me empolgou mais do que hoje o bellucci empolga. Como disseram aí, thomaz tem os golpes, falta a parte mental. Só que essa parte mental tá demorando demais de aparecer nele. Rubens esteve apenas abaixo de schumacher durante muito tempo dos anos em que esteve na f1. Acho que barrichello é um del potro!

  14. josé disse:

    É errado afirmar que os poucos resultados positivos de Rubinho foram por causa de Schumaquer.Rubinho levava pau de todo o mundo e não só do alemão.As vezes emplacava um bom resultado mas só as vezes.Foi assim em todas as equipes em que pilotou e não só na Ferrari,o último grande fiasco foi na Brawn perdendo vergonhosamente parra Button,até então um piloto mediano.Rubinho é um grande marqueteiro parecendo o coalhada(personagem de Chico Anísio)no futebol,alem de tudo é arrogante e dissimulado,por trás do riso permanente que adquiriu de uns anos para cá se esconde uma personalidade fraca mas arrogante.

    • Ziosan Macedo Nishimura disse:

      Amigo, você mandou um “Schumaquer”. Todo seu argumento se tornou inválido instantaneamente.

    • hugo disse:

      Um tanto quanto injusta sua afirmação, Barrichello sempre foi superior aos seus companheiros de equipe (Ivan Capelli, Thierry Boutsen, Martin Brundle, Eddie Irvine, Jan Magnussen, Johnny Herbert, Hulkenberg, Pastor) exceção feita apenas a Schumacher e Button (2 campeões mundiais)…aqui no Brasil ele tem a injusta fama de perdedor, e lá fora é considerado um grande piloto…cada um sabe analisar as coisas da forma que convém

  15. Marcelo disse:

    Grande Victor,
    Mais um grande texto!
    Realmente não vale a comparação…
    Apesar de todo o mi-mi-mi do Barrica, Bellucci não ganhou nada em 9 anos de carreira, o Barrica ganhou em todas as categorias que disputou exceto a F3000 e a F1.
    Ganhar um ou outro ATP não muda (como não mudou) a carreira dele como pudemos ver…
    Ah, mas o cara está entre os Top 50, logo o cara é bom.
    Victor, vou colocar mais lenha nesta “fogueira” – no atletismo, quantos corredores de 100 metros no mundo existem? Muito mais do que os tenistas da ATP atualmente (em torno de 1000 como diz um outro colega). Destes, quantos vão a uma olimpíada? Sei lá, uns 100 mais ou menos. ..
    MAS O QUE VALE REALMENTE? SÓ QUEM GANHOU A MEDALHA DE OURO (1º), PRATA (2º) E BRONZE (3º).
    Alguém se lembra quem foi o 4º melhor nos 100 metros na última olimpíada?
    Esta história de que “pô Victor, respeite, o cara já foi 21º do mundo…” é conversa de perdedor…
    Infelizmente o Brasil não tem hoje um grande tenista. Temos que criar um, desenvolvê-lo, treiná-lo etc. A “safra” pode ser boa ou não, e temos que respeitar que outros países estão melhores que nós..
    O Brasil não tem uma política clara de desenvolvimento de esportes para fins de competição. Infelizmente, só existe isso nos esportes coletivos (basicamente futebol e vôlei)ou um ou outro caso muito individualmente. Não somos “Potência Olímpica” como muitos querem vestir…
    Querer transformar o Bellucci em “novo Guga” é a mesma história que foi criada em 1994 que o Barrica seria o “novo Senna”, o “novo brasileiro campeão da F1 a bordo de sua maravilhosa……Jordan, Stewart etc…”!
    Deu no que deu…
    Victor, parabéns mais uma vez pelo texto, temos que respeitar nossos esportistas mas temos, antes de tudo, que entender que nem sempre os brasileiros irão ganhar, existem outros países, e temos que respeitar…
    Abraços,
    Marcelo

  16. Ziosan Macedo Nishimura disse:

    Lembrar agora, antes que seja tarde demais: Tênis não é esporte.

  17. Cassio disse:

    … muitas gentes trataram… Esta doeu meus ouvidos!!! Parabéns pelo português!!!!

  18. Gonzalez disse:

    Levar em consideração a vitoria do Belucci contra o Federer num jogo que não era nem pra valer, tem o mesmo efeito de dizer que aquele jogo entre o Corinthians e os bambis, em que os reservas das gazelas venceram deve ser considerado como algo relevante, já que nenhum jogador do Corinthians iria colocar o pé numa dividida na véspera da viagem pro Mundial

  19. Lucas Ribeiro disse:

    Meu ultimo ponto, nada haver com a discussão do passado, simples: tenistas que chegaram tarde ao top 10:
    Mardy Fish: 30 anos
    Jurgen Melzer: 30 anos
    Janko Tipsarevic: 27 anos
    Ivan Ljubicic: 26 anos
    Gaston Gaudio: 26 anos
    Fernando Gonzalez: 26 anos
    Fernando Verdasco: 26 anos
    Robin Soderling 25 anos

    Ou seja, o amadurecimento do tenis e bem mais tarde, o Bellucci acabou de completar 25 anos, tem lenha pra queimar.

  20. Alexandre Sampedro disse:

    “Um dia Bellucci ganhou do Murray”. “Um dia Bellucci quase ganhou do Federer”. Então, se o time do Hércules ganhar do Barcelona um jogo, passa a ser um dos melhores times do mundo? Ganhar um jogo, uma partida, uma corrida, muitas vezes pode ser circunstancial. Ganhar muitos jogos, muitas partidas, muitas corridas, não.

    • Marcelo disse:

      Grande Alexandre,
      Seguindo a análise do “GÊNIO” Lucas Ribeiro, acertei 2 dos 6 números da última Mega da Virada.
      Baseados nos pachecos que estão “vomitando” pelo teclado, posso me considerar 1/3 de milionário!!!
      Victor, onde posso pegar minha parte da grana rsrsrs?
      Abraços,

  21. Lucas Ribeiro disse:

    Só para registrar também, no Automobilismo o Brasil tem 3 campeões mundiais, no tênis, tivemos apenas o Guga como nº1 e campeão de Grand Slam é a Maria Esther Bueno, se pegarmos nomes como Tomas Koch, Kimayr, e.t.c nenhum deles chega aos pés do que foi Piquet ou Fittipaldi, sempre temos brasileiro em equipe grande, e em tese com chances de títulos foi assim desde 2000, desde o Guga, tivemos somente duplistas razoáveis, Infelizmente, Mello, Daniel e Sarreta, estão MUITO abaixo de Massa, Barrichello…. Se fizermos um proporcional, o Bellucci é o 4º melhor brasileiro da historia do tenis, e o Rubinho tambem, so que o Rubinho tem a sombra do Massa, o Bellucci tem a sombra de quem? o Tenis vive uma crise imensa desde a epoca pós Guga é o Bellucci é a esperança! Infelizmente ele tem uma pressão muito grande, a mesma que o Barrichello teve, aliás aonde estava o Barrichello no seu 9ª ano como profisional? entrando na ferrari, entando no auge, e como se o Barrichello estive no 2 ano de ferrari… ou seja Ainda tem muito tempo!

  22. Lucas Ribeiro disse:

    Cara, adoro o blog, amo os comentários, mais essa comparação e MUITO MAIOR QUE ISSO!
    Começa que o Bellucci está apenas com 25 anos recém completados, lembrando que o tenista atinge a maturidade com 27 anos, temos muitos exemplos de caras que chegaram ao top 10 velhos, Davidenko, Tipsarevic, Soderling, Ljubicic, e.t.c. E injusto julgar a carreira do Bellucci hoje, já a do Barrichello, com todo respeito ao mesmo, ACABOU! Bellucci ganhou do Murray, quase ameaça aquela sequencia incrível do Djokovic, todas as vezes que o Federer venceu dele foi em 3 set duros. Serio, se fizermos um parametro de Federer x Bellucci, e Schumacher x Barrichello, o Bellucci chegou muito mais perto de bater o Federer do que o Barrichello vencer o Schumacher. o Bellucci não e nunca será nenhum Guga, Nadal, Federer, Djokovic nem mesmo um Ferrer… mas o Barrichello não é nenhum, Schumacher, Senna, Alonso, Vettel, nem mesmo Hamilton ou Kimi, e.t.c, Barrichello foi um Meligene, Bellucci hoje, fez menos que o Fino, mas tem potencial pra fazer mais, ao meu ver o Bellucci tem potencial para ser Top 10! Mas a duvida é se ele vai ter cabeça pra ser top 10? mas hoje essa comparação e infeliz, pois um cara com a carreira finalizada contra um cara que ainda não atingiu seu auge.

    • Victor disse:

      VM responde: Só no seu primeiro argumento: Nadal, Djokovic e Murray já estão onde estão e nem 27 completaram. E quando você diz: “Bellucci chegou muito mais perto de bater o Federer do que o Barrichello vencer o Schumacher”, realmente parei.

      • Lucas Ribeiro disse:

        Então, esse é o Ponto! o Bellucci não é, e nunca vai ser um Guga (no caso de Nadal, Djokovic e Murray) ou seja ele não e nenhum fenômeno ele não e nenhum craque, como o Tipsarevic não e nenhum craque e é 8º do mundo, o limite do Bellucci é o numero 10 do mundo. Como o Barrichello nunca foi um Senna, Schumacher, Vettel ou Alonso, o limite do Barrichello foi ser vice-campeão mundial. o que no tênis é bem parecido do que ser top 10. (Salva que o Master entra os 8 primeiros)

        • Murillo disse:

          Lucas,
          Ser vice campeão de F1 é igual a ser Top 10 do Tenis ?
          Meu caro, vá googlar e procure a quantidade de caras que já passaram pelo TOP 10 do Tênis e os poucos e exclusivos Vice Mundiais de F1, eu contei 42 aqui(!!). Nao me surpreenderia se o numero de TOP 10 no Tenis fosse realmente MAIOR do que TODOS aqueles que – apenas – já subiram no podium da F1: 71 pilotos(até 2011).
          Abs.

          • Lucas Ribeiro disse:

            No nível Brasil sim!
            Quantos brasileiros foram top 10 do tenis? 2 (Guga e Koch)
            Quantos brasileiros foram vice ou campeões mundiais? 5 (Senna, Fittipaldi, Piquet, Massa, Barrichello)
            Infelizmente essa discussão, é muito maior do talento individual de cada um, se o Bellucci fosse americano, espanhol, ele simplesmente seria mais um. se o Barrichello fosse Alemão… também seria um nada, falta apoio ao esporte.
            A Nível Brasil, acho que é mais dificil ser top 10 do tenis do que vice-campeão mundial do Formula 1

      • Lucas Ribeiro disse:

        Meu amigo, você ta falando como torcedor Bellucci x Federer tem 3 jogos, Bellucci venceu 1, Federer venceu 2 em 3 set DUROS, ou seja Federer venceu 66,7% das partidas contra 33,3 % do Bellucci, Schumacher x Rubinho Schumacher venceu 49 x 9 do Barrichello Schumacher venceu 84,4% das vezes do que o Barruchello venceu, contra 15,6% do Barrichello, um pouco mais de respeito com o leitor! é bom!

        • Victor disse:

          VM responde: Parei. Um argumento como esse, que conta JOGO-EXIBIÇÃO, realmente não merece ir além.

          • Lucas Ribeiro disse:

            E as corridas que o Schumacher ja era campeão não eram corridas exibição?

          • Victor disse:

            VM responde: Você tá conseguindo piorar…

          • Lucas Ribeiro disse:

            cara to decepcionado com você, sinceramente, cada um tem sua opinião, em um debate, essa e a minha, se quer ficar exculaxando o que eu to falando, essa e tua opinião cara, eu to aqui falando a minha, em nenhum momento desrespeitei nada aqui, só acho que tem muitos pontos a ser analisado, é uma pena a forma como um leitor constante desse blog, que em nenhum momento baixou o nível ou desrespeitou ninguém seja tratado dessa forma!

          • Victor disse:

            VM responde: Grande abraço, Lucas!

      • Lucas Ribeiro disse:

        Bellucci 9 anos de Profissional é o mesmo que dizer que o Barrichello tem 30 de profissional, se compararmos torneios challengers e futures com kart e formulas de acesso, o Bellucci começou a jogar ATP TOUR (Comparando com a Formula 1) em 2008, ou seja 5 anos no top, onde o Barrichello estava em 1998?
        DETALHE: EM NENHUM MOMENTO TE DISRESPEITEI OU FALEI ISSO É AQUILO DE VOCÊ, SÓ ACHO UMA COMPARAÇÃO TOTALMENTE SEM NOÇÃO! TENDO EM VISTA QUE UM CARA AINDA TEM MUITO PRA TRILHAR CONTRA UM CARA QUE A CARREIRA JÁ ACABOU (NÃO DESMERECI BARRICHELLO, BELLUCCI OU NINGUEM) A UNICA COISA QUE EU TO DIZENDO E QUE ESSA COMPARAÇÃO NÃO FAZ SENTIDO!

  23. Murillo disse:

    “chegar na F1 através de resultados (e não por grana) já é como ser um top 20 do tênis, coisa que Bellucci nunca foi” – by Luis Moraes

    E acrescento, se manter entre os TOP 20 durante 20 anos é uma façanha que NENHUM outro esportista além de Rubens conseguiu na história do Brasil. Ou teria alguem? Dificil até de mencionar qualquer outro esportista de qualquer outra nação.
    Sorry haters: Rubens #mito!

    Abraço.

    • marcelo p souza disse:

      Na F1 tem no máximo 30 pilotos. O ranking da ATP tem mais de 1000 tenistas!

      • Murillo disse:

        “Burro”. F1 tem 22 pilotos(ou 20). Mas e quanto as centenas de outros campeonatos pelo mundo onde TODOS tentam chegar na F1 ?
        Qualquer piloto da F1 está entre TOP 20 entre todos do mundo.
        abs.

        • Marcelo Souza disse:

          Não precisa apelar garoto. Vc não me conhece para chamar de burro. Essa discussãozinha inútil já serviu para movimentar o blog. Eu gosto de tênis e não de F1, que pra mim não é esporte. No tênis ninguém é obrigado a perder pra ajudar a equipe. Não torço especificamente pra ninguém no tênis e muito menos pro Bellucci. Agora deve ser duro torcer a vida inteira pro Rubinho conseguir terminar uma corrida.

  24. Efraim Ferreira disse:

    Vou ser completamente sincero na critica …. uma coisa eh criticar as falhas dele durante uma partida … como um atacante que chega sozinho na frente do goleiro e chuta a bola quase na bandeira de escanteio … ele treina isso o tempo todo, o q torna o erro uma coisa bizarra!! ver o Bellucci jogar uma bola facil na rede … ver o Barrichello forçar uma ultrapassagem onde nao devia … isso sao erros q a gente pode criticar …

    Agora criticar e falar q eles sao fracos realmente nao cabe a mim … o dia em q eu for top 100 no mundo em qualquer coisa … mesmo q seja jogar aviaozinho d papel, dah pra eu falar alguma coisa … por enquanto, eles fizeram muito mais do q eu fiz entao eu tenho apenas q adimira-los … e ponto!

  25. Fernando disse:

    Quem faz essa comparação não deve gostar de F1, Rubinho não foi um gênio, mas está longe de ser um piloto ruim, como muitos idiotas, inclusive na imprensa, falam, ele merece mais respeito, sobre Bellucci, não vou cometer o mesmo erro, não assisto tênis, não sei se ele é tão ruim, mas não precisa acompanhar pra perceber que ele não pode ser comparado com Barrichello, talvez com o Zonta?

  26. Leonardo disse:

    Eu pessoalmente acho o Bellucci fraco e não entendo como ele chegou a essa posição, mas a realidade é que de alguma forma ele chegou, e não tem como ser considerado pouca coisa.

    • Victor disse:

      VM responde: De novo: chegar a 21º do mundo é absolutamente insignificante para a carreira de um tenista.

      • Leonardo disse:

        Victor, voce está sendo muito radical, quem chega a numero 500 do ranking mundial já é um otimo jogador, o que dirá então o numero 22, ou 30, o que seja.

      • marcelo p souza disse:

        Ser 21 na carreira é muito em qualquer profissão. Tente ser o 21 do mundo em jornalismo e verá que é f…

      • Francisco M disse:

        Putz, vocé deve ser um sedentário que nunca fez esporte na vida! Essa foi foda!!

        • Victor disse:

          VM responde: Imagino que você seja O atleta. De computador. Fodão.

          • Fabio disse:

            Victor, o que acontece contigo, cara? Que arrogância é essa???

            O dia que você chegar no ranking 21 dos melhores jornalistas do Brasil (não estou nem falando do mundo), ai sim você pode dizer que “21º do mundo é absolutamente insignificante para a carreira de um tenista.”

          • Victor disse:

            VM responde: Jornalistas não competem entre si, meu caro. Não há arrogância nenhuma. Apenas vejo argumentos plausíveis.

          • Fabio disse:

            Os jornalistas não se competem entre si. Seus conteúdos sim.

          • Victor disse:

            VM responde: Meu pai…

          • Francisco M disse:

            Ja fiz triatlo, escalei montanha acima dos 6.000 metros, corri brasileiro de kart e atualmente ando de motocross. E você? Provavelmente um menino criado por vó em apartamento que nunca fez porra nenhuma de esporte! E ser jornalista nem precisa de diploma… Posso lhe garantir que ser top 50 em qualquer ranking é muito difícil, precisa de talento e dedicação, dois adjetivos que você não tem!

          • Victor disse:

            VM responde: UAU, que fodão! Não, cara, nem precisa falar de mim, eu fui criado em apartamento pela vovó, mesmo nunca morando em apartamento e não tendo avó. Fale mais de você. E a montanha? Deve ser fascinante chegar lá em cima, 6 mil metros, e… descer… É um talento e dedicação! Parabéns!

          • Arnaldo disse:

            Ah vá Vitor… vc é um baita vermelinho classe média! Fica quietinho nessa vai!

          • Victor disse:

            VM responde: É Victor, com C. E você não é Arnaldo, você é Pepa. Dr. Pepa. Melhor ficar quietinho, valentão!

        • Francisco M disse:

          Wow, cara você me surpreendeu! Depois dessa resposta super bem fundamentada fiquei seu fã!! Mas acho que você deveria aprender a segurar numa raquete antes de falar sobre tênis, ou aprender sobre sobreesterço antes de falar sobre automobilismo. Conhecimento de causa é algo importante e vi que você não tem… Ahh, e descer é ainda pior que subir, um dia quem sabe você se habilita? Só não vá se matar, não poderia viver sem suas comparações sensacionais! Melhor sorte da próxima vez! Abraço!!

  27. marcelo p souza disse:

    Olá Victor, boa tarde!
    Eu fiz este comparativo no face do fininho (Belluci/Barrichello) e vou tecer mais algumas considerações, respeitando muito a sua opinião. A comparação foi feita, por serem dois esportistas que praticam esportes individuais e sucederam ídolos nacionais. Sei que vc entende bastante sobre F1, e eu entendo um “pouco” de tênis. Na F1 se o cara não tiver $$ pra botar na equipe, ele não senta no carro, e é um esporte que depende de um conjunto de fatores (carro,equipe,mecanicos,$,engenheiro, aerodinamica,etc) o que torna o talento menos importante (vide Shumacher na mercedes). No tênis, a marca .da raquete, do calçado, a quadra, o tecnico, etc. tem muito pouca importancia no destino do tenista. O conjunto de fatores que determina 99% do sucesso são todos pessoais (talento, físico e mente) . Reconheço o mérito do RB por permanecer tanto tempo na F1, e diferentemente do que vc citou acima, o Belucci tem golpes de top 10 (talento), mas lhe faltam os outros fatores, físico, mental e principalmente a postura de vencedor. Se faltar só um pouco de 1 destes fatores, ele jamais será um top 10. Não gosto do Belucci como esportista e também não gosto do Barrichello, mas se o Belucci conseguir se manter entre os 30 do mundo durante 10 anos, acho que é mais mérito do que fez o Barrichello.
    Abraço
    Marcelo

    • Anderson disse:

      Automobilismo nunca pode ser considerado esporte individual, justamente por isso Barrichelo ficou tanto tempo na F1. Suas qualidades foram muito importantes nas equipes que ele passou. Se fosse um esporte individual, provavelmente ele não teria tanto sucesso.

      Ou seja, ele se destacou pelo trabalho em equipe e não pelo talento individual.

  28. Daniel Rocha disse:

    Como você é um especialista da fórmula 1, julgo que está cometendo exatamente o mesmo erro dos que fizeram a comparação – até mesmo gerando desinformação.

    Comparar um número 21, ou 33, ao 9o ou 10o da fórmula 1 é relativo. Como você disse, são esportes totalmente diferentes, em que cada torneio existe uma diferente gama de oponentes, em que os confrontos são 1 contra 1 e eliminatórios, etc.

    E ainda tem um grande defeito no que falou: Bellucci ainda tem 25 anos e sua carreira ainda tem por baixo uns 7 anos de resultados não acabou – ao contrário da de Rubinho que, que os fãs de Stock me perdoem, mas em nível internacional se acabou. Ai sim, dá pra traçar um paralelo entre os esportes. A Stock é o torneio de clubes que ocorre nacionalmente.

    Cada um tem seus méritos e problemas, que são bastante diferentes entre si. Mas a diferença é que quem traçou esse paralelo não conhece ao menos um dos esportes – e pelo nível da comparação potencialmente não sabe nada de nenhum dos dois. Mas você, conhecedor dessa situação e desse “tipo” de fã, abordar como algo sério é que me espanta.

    • Victor disse:

      VM responde: Outro conselho para reler o texto: o cara tem NOVE anos de tênis. Meu amigo, se você não desponta num esporte em dois ou três anos, esqueça. Não queira me convencer que vai ser diferente. E me desculpe você ser conhecedor dos esportes.

      • Daniel Rocha disse:

        Conhecedor eu não sou. Mas ao menos acompanho ambos, leio sobre ambos e sei o básico sobre ambos – não parece muito ser o seu caso.

        Não, não acho que Bellucci vá ser número 1 do mundo. Sequer top 5. Mas, mais uma vez por não acompanhar o tênis, você não sabe que existem tenistas que surgem de repente e outros que amadurecem se tornando sólidos e significativos no circuito. Quando puder, dê uma olhada no histórico de Ferrer no ranking e me diga quanto tempo ele levou para ser um sólido top 10.

        Aliás, Federer, um dos grandes expoentes e maiores nomes do tênis, levou 5 anos no circuito para ser alguém significativo. 7 para assumir a liderança. Sem querer comparar ele com Bellucci, o que seria como comparar Schumacher a Barrichello em termos de talento/qualidade de resultados.

        Se você lesse os textos que escrevem com a defesa mais baixa poderia aproveitar para aprender uma coisa ou outra. Tem alguns posts que ajudariam muito ainda nesse tópico. Mas, tudo bem. Isso é uma escolha pessoa.

        • Victor disse:

          VM responde: Daniel, Ferrer está top-5. Em condições normais, NUNCA que ele vai bater os 4 primeiros – e considerando que eu vejo a evolução do Murray significativa nos últimos anos. E diante do que você me diz, sobre não ser o meu caso acompanhar o tênis, fica notório que você só sabe o básico. Terminamos o debate por aqui. Entendi sua opinião. Abs.

  29. Pospisil Maroto disse:

    O problema do Bellucci é a parte da imprensa monoesportiva, que só comenta fracassos e vitórias notórias, de maneira exacerbada e equivocada, tanto pra um, quanto pra outro. O texto se contradiz, ao admitir o equívoco na comparação das duas modalidades esportivas, e mesmo assim, o fazer. É claro que Bellucci tem derrotas totalmente inexplicaveis, alguns comportamentos dentro de quadra inaceitáveis não só para um grande campeão, mas também para competidor de alto nível como ele. Mas, as críticas feitas a ele são extremamente injustas e erráticas. Bellucci é um tenista talentoso sim, em um país que pouco se apoia e se conhece do esporte, pois até mesmo um ex presidente teve a burrice de dizer “não é esporte para pobre”. Quem acompanha o tênis, sabe inúmeras histórias de tenistas talentosos que não conseguem uma constância no circuito. Se não fosse por Bellucci, o Brasil não teria nenhum representante no circuito ATP por alguns anos. No mais, considerar marcas como 3 títulos no circuito ATP, e segundo melhor ranking de um tenista brasileiro, como pouco, é mais uma prova do desconhecimento do esporte, e da critica sem o menor fundamento, a critica vazia. E sim, ao contrário do que disse o texto, já bateu tenistas do top 5, incluindo Murray e Ferrer.

    Mas o melhor vai ser daqui a alguns anos, quando Bellucci se aposentar. Provavelmente irá acontecer a redenção, como hoje acontece com o Barrichello. Todos os criticavam chegando ao ponto do insultom e aos poucos, ainda bem, vai se percebendo o valor dele dentro da formula 1. Justiça se faz, antes tarde do que nunca, só espero que isso não tenha um reflexo negativo no desempenho do nosso melhor tenista.

    • Victor disse:

      VM responde: Acho que você pulou a parte que explica que, já que foi feita, vamos analisar a comparação. Mas tudo bem.

      • Pospisil Maroto disse:

        Não pulei não, mas achei a análise da comparação equivocada. Deu a impressão de que vc quis, aproiveitando que a comparação foi feita, dar uma cornetada no Bellucci. Pois, ao invés de se comparar ambos em relação aos “tops” de sua categoria, poderia se comparar em termos de importancia de ambos para a historia do esporte nacional, ou até mesmo compara-los com os demais competidores brasileiros de cada uma das modalidades.

        • Victor disse:

          VM responde: Cara, me desculpe: se você acha que Bellucci é importante para a história do esporte nacional, respeito, mas isso simplesmente não existe.

  30. Sem dúvida é uma injustiça com Rubinho, que foi um dos ótimos pilotos que infelizmente não conseguiu um título. A comparação mais justa seria dizer que Bellucci é o Irvine do tênis, que teve uma temporada boa em 1999, terminando com o vice-campeonato, tinha tudo para ser um grande piloto, mas não foi. Bellucci teve como ponto alto da carreira o masters 1000 de Madrid em 2011, no qual chegou na semifinal e ficou por ali mesmo. Assim como Eddie, Thomaz tem tudo para ser grande, mas não é. Infelizmente.

  31. Leonardo disse:

    Alcançar a posição de 20, ou 30 no ranking do tênis é uma façanha sim, digna do respeito de todos que entendem e acompanham este esporte, mas simultaneamente, existe e sempre existiu um abismo enorme entre os Top 5 do tênis e o restante dos jogadores, abismo no campo do talento e sobretudo mental do jogador . Ele está perto do topo, e ao mesmo tempo muito longe.

    • Victor disse:

      VM responde: Sim, uma façanha. Me responda quem foi melhor: Meligeni ou Bellucci?

      • Leonardo disse:

        Na minha opinião o Meligeni, nao me lembro que posição ele chegou no ranking, mas o Bellucci consegue uma sequencia de resultados melhor,e isso faz com que ele fique em posições mais altas, embora não cause boa impressão.

  32. Leonardo Felipe Zago disse:

    Perfeito. Rubens Monstro!

  33. felipe disse:

    Impecável, Victor. Só uma lembrança: Bellucci bateu o Murray uma vez, no saibro de Madri em 2011, em sets diretos. De resto, tens toda razão. Ele está MUITO aquém de Djokovic, Nadal e Federer, mesmo que esses caras entre em baixa.

    • Luis Morais disse:

      Mas era um Murray não tão top quanto hoje. Era um inconstante que vivia tropeçando em jogos assim e que sequer chegava perto dos outros 3. Andy Murray virou top mesmo no ano passado.

      Sobre a comparação com Barrichello, concordo em gênero, número e degrau com o texto. Digo mais: chegar na F1 através de resultados (e não por grana) já é como ser um top 20 do tênis, coisa que Bellucci nunca foi.

      • Claudionor Sabença disse:

        É muito comum tenistas top perderem para outros de pior ranking em torneios menores, não tem nada de “não tão top”. O Murray já tinha diversos Masters 1000 no currículo quando perdeu pro Bellucci em Madri.

        No começo de 2013, o Djokovic perdeu pro Tomic na Copa Hoffmann. É algo normal em um calendário onde os caras jogam sei lá quantas partidas por ano.

        Quanto ao “resultados x grana”, não esqueça que o Barrichello entrou na F1 com aporte da Arisco pra pegar a vaga na Jordan.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>