MENU

8 de abril de 2013 - 16:03F1

O amor e o poder

SÃO PAULO | O furante Américo Teixeira Jr. trouxe uma informação importante ontem em seu blog e que merece ser repercutida: em seu plano de enxugamento de despesas, o prefeito Fernando Haddad descartou realizar em sua totalidade a tal ‘reforma do século’ pretendida para o autódromo de Interlagos, que veria, entre outras, uma nova instalação de boxes na reta oposta. Dos 120 milhões de dilmas pretendidos, Haddad está disposto a liberar 1/4 desta verba — é só dividir, não sejam preguiçosos.

Daí que o comandante da cidade paulista vai mesmo peitar Bernie Ecclestone. E se oficialmente o relacionamento entre os dois “continua muito bom”, nos bastidores se ouve que Haddad não tem lá muito apreço pelo “baixinho” chefão da F1.

O atual contrato da FOM com Interlagos vai até 2014. E se Bernie se entusiasmar com o autódromo do Beto Carrero, Penha e Santa Catarina sorriem.

34 comentários

  1. Acarloz disse:

    F1 em São Paulo já era !

  2. Fernando Monteiro disse:

    Moro no Rio e acho que São Paulo acolhe muito bem a F1 e se o Sr. Eclestone quer mais dinheiro e reformas que peça a Globo, que foi a que mais lucrou esses anos todos com as provas no Rio ou em São Paulo. E tambem o sucesso na F1 no Brasil é proporcional ao sucesso de pilotos brasileiros. A prova se manteve no Brasil devido ao sucesso de Emerson, Piquet e Senna que deixaram um legado de audiência e interesse pela F1 que seus sucessores não conseguiram manter. É um evento muito caro, que polui o meio ambiente e com resultados manipulados. Não é um esporte.

  3. marcão disse:

    Quer saber????
    Seria muito bom a F-1 sair de SP…
    Perderiamos essa corrida, mas, os espertalhões perderiam milhões que surrupiam todo ano…
    Que sabe essa máfia não mudaria de estado e deixariam o templo em paz….
    Tem muita corrida internacional querndo o templo, só não vem por causa de barreiras contratuais…Sem F-1 estariamos livres pra receber os grandes eventos e ai sim até lucrar com eles.. Coisa que não acontece hoje com a F-1. o Templo nem lucra nada com essa corrida..

    • Pedro Araújo disse:

      pelo que me consta, durante o resto do ano os usuários do autódromo acabam se beneficiando das reformas e manutenções que são feitas pra F1. O Flavio Gomes poderia dar um testemunho disso, já que é um dos usuários.

      não moro em SP. tive a oportunidade de ver a corrida em 2 edições (além de uma edição das 6 horas de interlagos). em todas as vezes não tive nehum problema pra chegar ao autódromo (usando transporte público). hospedagem também não foi problema (sempre resolvendo as coisas com vários meses de antecedência). aproveitei para rever amigos, e comprar coisas específicas, mais fáceis de achar (ou mais baratas) em SP. O mais interessante é minha impressão é que a cidade comporta muito bem o GP, sem inclusive impactar muito o dia a dia do morador (exceto, imagino, os que moram no entorno do autódromo, e a lotação um pouco mais exagerada nos aeroportos. mas já fui e voltei de ônibus, e não senti nenhuma diferença na rodoviária de SP pra outras oportunidades que visitei a cidade )

      não acho que outra cidade (mesmo o Rio) poderia receber a corrida com a mesma “qualidade” que SP consegue receber.

      sobre os benefícios econômicos da corrida pra cidade:

      http://www.gazetaesportiva.net/noticia/2012/11/formula-1/sp-calcula-r-230-mi-com-f1-e-comemora-visibilidade-internacional.html

      http://www.infomoney.com.br/negocios/grandes-empresas/noticia/2619057/formula-deve-movimentar-230-milhoes-cidade-sao-paulo

      achei esse estudo aqui, mas só tive acesso ao resumo:

      http://www.usp.br/nereus/?projetos=avaliacao-do-impacto-economico-do-grande-premio-brasil-de-formula-1

      portanto, se o estado (estado = governo) coloca dinheiro num evento que traz retorno pra cidade (comércio, empregos indiretos, hotelaria), não vejo grandes problemas nisso. acredito no “estado indutor”. e olha que sempre fui contrário à copa no brasil, pois semrpe soube que o retorno à população (o chamado legado) seria (será) próximo do inexistente.

    • Toninho F1 disse:

      Pois é Marcão, concordo que a F1 poderia sair de Sampa para acabar com a robalheira descarada dessas obras anuais, porem tem que se lembrar tambem que perder a F1 foi o começo do fim de Jacarepaguá! Em 1986, na gestão Janio Quadros, eu era “bandeirinha” em Interlagos e os Guard Rails estavam podres, a pista esburacada, os boxes com infiltração, etc, etc, etc… Então temos que tomar cuidado para tudo não voltar como era antes da F1 voltar para Sampa em 1990.

  4. Marilia disse:

    Tivesse o Brasil outro autódromo pronto, em cidade com estrutura (hotéis, restaurante, vias de transporte, aeroporto de cargas) para receber a F1, Haddad ficava pianinho… jogou pro povo comprar e aplaudir.

    Se fosse um prefeito preocupado com o $$ público não ficava enfiando grana no Itaquerão.

    Menos, Andrade, menos…

  5. cezar.futebol@ig.com.br disse:

    o fim da F1 no Brasil está chegando!!!!

  6. Fabrizio disse:

    Na minha opinião, acho isso tudo uma negociação para renovar o contrato. Ninguém é trouxa, é o GP mais lucrativo do ano segundo o que já publicaram aqui. E quem conhece outras pistas por aí sabe que tem muito autódromo ruim por aí sediando GPs e que o “encanto” da Asia com a F1 já não anda essa maravilha toda para os próximos anos.

    Mesmo assim, acredito haver empresas interessadas em explorar esse esquema por 10, 20 anos por 90 paus de investimento, não parece um mal negócio dependendo do business%.

  7. J. Floriano disse:

    Não vai dar outra! Duro será um brazilian tikódromo…

  8. lauda disse:

    Pode anotar que São Paulo não vai mais ter a corrida de F1 após o fim do atual contrato.

  9. Julio disse:

    Penha não tem estrutura para um evento desse porte, e não adianta dizer que o jet set vai ficar em Florianópolis e se deslocar de helicoptero por que nem pra isso tem condições… A ilha mal consegue receber o turismo de verão, já estressam todos os serviços basicos, que dira num evento deste porte…
    Ou é Sampa ou Rio ou tchau F1 Brasil…
    abs

    • Beto Estuqui disse:

      Balneário Camboriú está a meia hora de Penha e recebe 1 milhão de pessoas na alta temporada, se isso não é suficiente… Hotel não falta, inclusive os pilotos já ficaram em BC no desafio das estrelas…

      • Julio disse:

        Com todo o respeito Beto, não dá para comparar desafio das estrelas com GP de F1, você há de convir que ainda assim falta estrutura… Infelizmente é a nossa realidade
        Abs

      • Levi Davet disse:

        Balneário Camboriú é um verdadeiro inferno na alta temporada! Aquilo fica entupido de gente, transporte público inexistente, trânsito caótico… A cidade cresceu muito mais do que comporta. Falo com experiência de quem frequenta Balneário Camboriú há 20 anos.

  10. eu disse:

    Vem pro Rio , espeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeera paulistada

    ahuahuauhuahuhauhahuauhauha

  11. eduardo dragonetti disse:

    Qual o custo total para a construção de um autódromo em SC? Quem vai bancar essa obra?

  12. marcos disse:

    E em 2016, o GP do Brasil volta ao Rio de Janeiro no circuito de Deodoro.

    Essa piada foi boa, admitam. rs

  13. Alex disse:

    O Haddad está certo em fazer isso. A prefeitura irá investir essa quantia para quem lucrar? A FOM, a Globo e demais empresas envolvidas! Chega desse negócio de gastos públicos e lucros privados. Já não basta essa Copa onde o governo está gastando bilhões para os estádios serem repassados a concessionárias…

    • E o dinheiro que está dando para o estádio do Corinthians não deveria seguir o mesmo critério?

      A questão é sempre a mesma: Quem se beneficia?

      • Pablo Carrilho disse:

        Pois é, é verdade que o estádio do Corinthians deveria seguir o mesmo critério, mas já é um avanço muito importante não abrir as pernas pro chefão anão. Concordo com o Alex, não dá para continuar com gastos públicos e lucros privados. Meu medo é o Paes resolver abrir as pernas e trazer mais essa despesa pro Rio…

    • Renan disse:

      A Globo sempre ajudou nas reformas…

  14. Rodrigo disse:

    Ah, quer saber? Tá mais que certo. Dinheiro público para um evento privado não dá. Ainda mais numa cidade que precisa tanto de priorizar os gastos.

  15. Leandro Angelo disse:

    Apenas gostaria que me explicassem a lógica:

    Se um estádio, que será de uma entidade privada, estão investindo dinheiro, leis e isenções afim de viabilizar, cujo seu auge se dará numa unica oportunidade, que realmente movimentará a economia da cidade, mas que ao seu fim será de uso cada vez mais banalizado.

    Na outra ponta, geográfica e lógica, temos um evento num aparelho publico, administrado por um órgão da prefeitura, que ocorre anualmente a mais de 20 anos, cuja a somo de dinheiro movimentado nesse período é muito superior ao que a Copa injetará é considerado inviável?

    Maravilha, vamos deixar o GP Brasil migrar para Santa Catarina, ou melhor, vamos deixar de fazer, afinal já mal existe automobilismo de base no Brasil mesmo…

  16. Thiago disse:

    Santa Catarina espera pela F1 de braços abertos.
    Que venha o Grande Prêmio do Mercosul… ou seja lá qual for o nome que eles queiram dar.

    Ps: se levarmos em consideração do os nomes de corridas da Indy seria algo como:
    Grande Prêmio Catarinense do Mercosul, Beto Carreiro World (o nome de alguma cerveja que faz comercial brega e bobalhão) World F1 2015

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>