MENU

14 de abril de 2013 - 23:37F1

Chinese Democracy, 2


SÃO PAULO
| Foi um GP absurdamente tático, este da China, que proveu uma série de ultrapassagens, mas pouquíssimas brigas reais. A única que poderia ter acontecido de forma natural era Räikkönen-Hamilton pelo segundo lugar. Os dois andaram a corrida inteira juntos, variando aqui e ali na diferença das voltas em que pararam. Na primeira parte, Lewis andou na frente; na outra, Kimi, que conseguiu nos pits a ultrapassagem sobre o rival. Só que, apesar de ter chegado, o inglês não ameaçou o finlandês. E se a corrida tivesse mais uma voltinha, perderia o pódio para Vettel, que voava com os pneus macios postos no fim – na estratégia inversa da Red Bull; e só assim para passar.

Enquanto isso, Alonso reinava. Não teve muita dificuldade para se livrar de Hamilton depois de três voltas e poucos contos de réis. Fez uma prova à parte, tranquila e soberba, e até parecia que poderia andar mais forte. Um sintoma disso foi seu engenheiro ter pedido para que não forçasse no fim da prova quando estava andando rápido demais, que ouviu de volta: “Mas nem tô forçando”. A Ferrari tem um carro muito bem acertado para corridas. E pensando além, Vettel vai ter uma dificuldade imensa neste ano para conquistar o tetra. Os italianos acharam o caminho, a verdade, a vida.

E Alonso tem outro ponto a favor: essa Red Bull esquisita com uma guerra interna. Justamente no fim de semana em que eclodiu a animosidade explícita entre os dois pilotos, a equipe teve sua pior performance em anos. Teve de rebolar para achar um acerto minimanente decente nos treinos e, cônscia de que era uma Toro Rosso melhorada na classificação, agiu como time pequeno e pensou na corrida. Vettel mal conseguiu acompanhar o líder Hülkenberg no primeiro trecho da prova quando ambos partiram de pneus duros e dava dó – mentira – de como era ultrapassado sem piedade pelos demais no vaivém dos boxes. No fim das contas, o quarto lugar ficou de bom tamanho para manter o alemão na ponta do campeonato com 52 pontos, três à frente de Kimi – que já dá pinta de fazer uma temporada deveras constante como a de 2012.

Button foi o quinto com a McLaren que seguiu os passos da Red Bull: isto é, com ato de equipe mediana para tentar algo mais eficiente na corrida por saber que o carro não vai. E a impressão que passa é que Jenson tira mais do que pode deste limítrofe modelo, até vendo pelo que Pérez não tira. Aliás, Xangai acentuou as diferenças entre os companheiros de equipe. Webber fazia uma corrida discreta até bater bisonhamente com o primo Vergne, Rosberg não acompanhava a toada de Hamilton e logo abandonou, Grosjean e Pérez contentaram-se em brigar lá no pelotão do deusmelivre e Massa só foi bem na primeira parte, depois sumiu.

É onde esse avançado Massa precisa trabalhar melhor agora, a corrida. Na Austrália, andou na frente de Alonso, mas uma vez pra trás, empacou atrás de Sutil e Vettel. Não acompanhou em nenhum momento o ritmo de Red Bull e Mercedes na Malásia. E agora na China, estava no encalço de Alonso até a primeira parada e terminou a prova ameaçado pela Toro Rosso de Ricciardo-wow, que foi wow, mesmo. Alegou que os pneus estavam dando sinal de arrego – ora, o pneu é o mesmo para todos, e os de Alonso estavam bem, obrigado. A não ser que o acerto do carro não fosse dos melhores, o que se pode entender é que Felipe não trata os Pirelli da forma correta.

Di Resta, na dele, foi oitavo em um fim de semana ligeiramente melhor que Sutil. Grosjean completou a corrida, nada mais que isso, e Hülk, igual a Massa, caiu demais com o passar das voltas. Para quem andou tranquilamente à frente de Vettel, era possível imaginá-lo ali entre quarto ou quinto. Mas em décimo, serviu para me dar 50 lindos pontos no BRV.

Três etapas de naturezas distintas e resultados diversos. No tempo ameno da Austrália, a Lotus se deu bem sem ter o melhor carro na classificação – onde a Red Bull sobrou – e na corrida. A Ferrari foi claramente lenta na definição do grid e teve desempenho inverso na prova. Os taurinos foram discretos durante as 56 voltas em Melbourne, pouca coisa à frente da Mercedes no geral. Na quentíssima Malásia, um circuito de longas retas que requer muito do acerto do carro, a Red Bull se impôs no sábado e no domingo. Logo depois veio a Mercedes. A Lotus ficou relegada ao segundo pelotão. Quanto à Ferrari, só pelo desempenho de Massa, o negócio não foi bom, mas seria importantíssimo entender onde Alonso poderia chegar se não tivesse abandonado. E agora, na China de temperaturas acima do esperado, foi a vez da Red Bull sofrer uma queda acentuada no desempenho, perdendo terreno para Mercedes, Ferrari e Lotus em volta rápida. E Alonso mostrou que a Ferrari tem um carro absolutamente bem acertado para uma corrida, deixando os prateados e os aurinegros num mesmo patamar.

Se fosse para colocar numa ordem, seria a seguinte: em classificações, Red Bull – Mercedes – Ferrari – Lotus; em corridas, Ferrari – Red Bull – Lotus – Mercedes. Falta só a última vencer neste ano. O Bahrein tá logo aí na semana que vem.

9 comentários

  1. Fernando - Foz disse:

    Comparar um bicampeão contra Kimi e Schumacher ao Massa é piada de buteco.

    ACEITEM de uma vez, Alonso é muito mais piloto do que o Massa. É questão de talento. Uns tem e outros tem menos.

    É querer comparar Messi ao Neymar.

  2. Quando Grosjean passou Hulkenberg gritei como se fosse um gol na minha sala! Faria 30 pontos entre os dois, mas com a ultrapassagem fiz 95, só nos dois!

    Quanto a corrida, tanto faz, me importa o #BRV!

    Abraços

  3. sandro karam disse:

    É triste ter que ver Gutierrez no carro do mito, espero que ele mantenha o contrato com a ferrari e volte em 2014. Se tem uma cara que está SÓ pelo dinheiro é esse Gutierrez

  4. Horse disse:

    Victor,
    Eu tenho observado que o Felipe Massa se abala psicologicamente durante a prova.
    Ele faz um início de prova extraordinário, larga bem e faz ultrapassagens arrojadas. Mas a partir do momento que faz a troca de pneus seu rendimento parece de outro piloto, sem a velocidade e o arrojo do início da prova.
    Me parece que o é afetado pela prioridade que a Ferrari dá ao Alonso na troca de pneus, que sempre é chamado primeiro aos pits, fazendo o brasileiro se manter na pista por mais um volta.
    Isso faz o brasileiro perder duas ou até três posições quando volta a pista depois do pit.
    Acho que bate um certo desanimo no baixinho.

  5. Horse disse:

    Se o Raikkonen mantiver a regularidade do ano passado aposto todas as minhas fichas no título do Homem de Gelo.

  6. Luiz disse:

    Como eu falei em um comentário perdido por ai, a pergunta é: A Pirelli entrega pneus iguais a todos ou escolhe quem vai ganhar as corridas com um composto melhor que desgaste menos?

  7. HACKERLINUXLINE disse:

    Nem foi necessário provar o óbvio,mas para efeito de citação,essa corrida mais uma vez prova que Felipe “Massacrado” nunca foi piloto top,e ainda tem quem diga que ele era superior ao Raikkonen na Ferrari.Lembremo-nos que ele ficou quase DUAS temporadas sem ir ao pódio,entre o fim de 2010 e o fim de 2012…Em 2011 fez NADA,não foi ao pódio UMA ÚNICA VEZ,e Alonso venceu uma corrida com um carro apenas mediano e ia ao pódio constantemente.E ainda por cima a tendenciosa e manipuladora Rede Bobo tenta iludir e alienar o telespectador ao afirmar que Felipe tem um desempenho melhor que Alonso nesse começo de temporada.Fernando está ANOS-LUZ à frente de Massa,só não vê quem não quer.

  8. O Alonso mordido morde o Massa! Nada mudou! Só a Globo no desespero vai tentar dar um troféu ao Massa, nem que seja no cuspe à distância contra o Alonso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>