MENU

15 de abril de 2013 - 12:32F1

Destino de Interlagos


SÃO PAULO
| Saiu no Estadão, mais uma vez, uma declaração de Ecclestone a respeito do destino de Interlagos na F1. Bernie está farto e chateado e expressou isso a seu assessor brasileiro. “Cansei das promessas”, falou, dizendo que a pista paulistana não atende às necessidades operacionais de sua categoria.

Em maio do ano passado, a SPTuris, então sob o comando do prefis Gilberto Kassab, prometeu que as reformas seriam entregues no segundo semestre deste ano. Obviamente não vai rolar. O novo prefeito Haddad não vai fazer a reforma — e nisso está absolutamente certo: não tem de gastar dinheiro público em um evento que é privado, da Globo/Interpro, e que só serviria para atender os interesses da F1. Também conta o fato de não ter ido com a cara de Ecclestone e, portanto, não deve ceder a pressões.

A gente sempre ouviu esse papo de que Interlagos cairia fora do calendário, anos e anos de conversa e lenga-lenga. Todas estas vezes, parecia mais lobby de alguns, que queriam a reforma por interesses pessoais, do que ameaças. Bernie curte o Brasil, tanto que sua nova esposa é daqui, e a prova rende grana e audiência. Mas como agora existe um projeto concreto e que atende às nece$$idade$ de Ecclestone, o do Beto Carrero, na cidade catarinense de Penha, o chefão tem um forte motivo nas mãos.

Das vezes que Bernie bradou, esta é a que parece mais verossímil.

Adendo: À Jovem Pan, Haddad confirmou que já tinha mandado uma carta à FOM se comprometendo em fazer as reformas e que Interlagos segue no calendário. O prefeito, assim, está errado porque vai investir dinheiro público numa obra que atende as necessidades meramente restritas de um grupo particular. Por outro lado, põe fim às, digamos, especulações criadas por um outro grupo.

30 comentários

  1. Claudio disse:

    A copa do mundo de futebol é um evento publico ? A Fifa está dando alguma ajuda para construir os estádios, além de palpite ?
    As Olimpíadas serão evento publico ? O COI já colocou algum centavo nisso ?
    Se for pra criticar, motivos não faltam. Dá pra escolher.

  2. Brasileiro José disse:

    Victor,
    Verifiquei que não incluiu meu post. Atitude vexatória, segregadora de uma pessoa que tem uma visão diminuta das coisas. O pior é que você fica fornecendo uma imagem de baluarte da democracia e simplesmente não deixa opiniões contrárias às suas aflorarem no blog. A sua atitude é vista como cretinisse e de uma pessoa que nada entende de Marketing, pois, poderia gerar discussão e com isso gerar lembrança de marca, mas, com essas atitudes antidemocráticas, não participarei mais dos blogs e obviamente repudiarei o site grande premio para meus contatos.
    Saudações Gênio!!!

  3. Luciano Silveira disse:

    Lembrando que existe verba pública por um motivo simples: o Autódromo é público. Se querem melhorar o autódromo – seja para adequação da F1 ou o que – cabe a verba pública.
    .
    Lembro que não somente aqui, mas as grandes arenas dos estádios nos EUA também são financiadas com $$ pública em grande parte (O município de Atlanta vai dar mais de 200M de dólares ao Atlanta Falcons, para que o clube construa um novo estadio – seu atual, bancado inteiramente com $$ pública, foi erguido em 92. O propósito? SImples, para que o time não saia da cidade. Nesse caso, o valor de 200M pagará somente 20% do novo estádio).
    .
    As melhorias não serão da F1. Serão do autódromo de Interlagos, que poderá as utilizar como bem entender. Basta pressão política para que TODAS as categorias utilizem a nova estrutura – que é pública.

  4. Rick disse:

    Bom…e todo mundo que atacou um certo jornalista para serem PALADINOS do prefeito (não sei pq essa coisa de: se é do partido A eu defendo. Se é do partido B e lasco o pau), agora engolem a reforma que era OBVIO que seria feita. Partido A e B são todos iguais. Tá na hora do utópicos abrirem os olhos!

  5. Marcelo disse:

    Grande Victor!
    O mais legal do texto foi “assessor do Bernie”…
    Só você e o Flavinho rsrsrs
    Abraços,

  6. Pedro Jungbluth disse:

    Difícil Ecclestone cumprir a ameaça. Autódromos consagrados fizeram tudo que ele pediu e hoje costumam falir, ou ficam na ameaça, por falta de audiência e público, como Hockenheim.
    Já sobre dinheiro público, acho que ele pode entrar sim, já que é um espaço público, mesmo que o evento seja privado, e porque existe interesse social para que o evento sirva de mostra de capacidade de organizar eventos e fazer negócios. Mas precisa sim entrar dinheiro por parte dos que lucram absurdamente com o evento.
    De qualquer maneira, achei essas ameaças muito bem vindas. É ridículo e revoltante pagar 650 reais pelo que se oferece no setor G, por exemplo.

  7. Vinicius disse:

    Me assusta a quantidade de pessoas que alega ser obrigação da prefeitura dado que a F1 gera visibilidade e gera lucros pra cidade.

    Todo mundo gera lucro pra cidade (em maior ou menor proporção).

    Mas vamos brincar de benfeitoria com dinheiro público. Se essa reforma é interesse da cidade:

    * há alguma contrapartida direta por parte da organização do evento como por exemplo lugares para pessoas carentes, excursões de escola, trabalho temporário para estudantes?

    * acabo de pagar 700 reais por um lugar no setor A, ao sol e chuva com alimentação precária fornecida pela organização do evento. Será que parte desse dinheiro não poderia custear a reforma? A organização poderia então abrir as contas e mostrar sua planilha de custos dizendo como é usado esse dinheiro?

    * parte do dinheiro arrecadado em patrocínio do GP tambem não poderia entrar na conta?

    * parte do dinheiro não poderia ser direcionado para usar o autodromo para cursos de direção defensiva ou financiamento de categorias escola?

    Aos que se mostram a favor de dinheiro público nisso fica a pergunta: SÓ NA MINHA BUNDA?

    Abraço,
    Vinicius

    • André Marques disse:

      Bom…o GP do Brasil ainda é lucrativo, e bem lucrativo…poderiam fazer um financiamento e o próprio GP ir pagando.

      Fora que, que demagogia é essa de falar em dinheiro público quando vemos parque aquático construído pro PAN totalmente abandonado, velódromo que custou milhões sendo demolido para construir outro ao preço da reforma de Interlagos e muitos outros exemplos de estádios e instalações para Copa do Mundo e Olimpíada. Ao menos, Interlagos é um autódromo usado o ano todo, e sempre foi muito lucrativo.

  8. paulo vitor disse:

    Vitor meu xará …como vc diz q o prefeito esta certo eu nao fazer a reforma com dinheiro publico por o evento ser privado, vc tem ideia da grana q entra na cidade de São Paulo no FDS de corrida ????

    • Victor disse:

      VM responde: Quando um show vem pra SP, a prefeitura tem de dar todas as condições para que ele se realize só porque vai atrair gente a dar com pau? O fato de que muita gente vem para gastar não faz da prefeitura uma espécie de financiadora dos eventos. Ela não tem que gastar num evento que é de cunho de um grupo. Se a empresa onde você trabalha quiser realizar um encontro em Interlagos e pedir que se construa um prédio no meio da reta de chegada, a prefeitura tem que gastar e se virar com isso? Óbvio que não. É isso.

  9. saimon disse:

    que venha para a nossa Penha…
    Uma ligação para o Alex Murad e ele começa a construir amanha mesmo…

    na torcida kkkkkk

  10. Thaigo disse:

    Nós catarinenses estamos de braços abertos, esperando pelo Bernie. Se a prova vier mesmo para Santa Catarina, damos um abraço e três beijinhos no chefão grisalho.

    • André Marques disse:

      Morei muitos anos em Santa Catarina, especialmente na região de joinville, onde ainda vou muito e também para todo o litoral do Estado. Hoje moro em Curitiba, e digo com certeza: nem aqui e nem em Santa Catarina tem condições de receber um evento como a F-1. Nem o próprio Bernie acredita mesmo nessa coisa de autódromo em Santa Catarina. Fora que tem várias histórias do grupo que quer construir o autódromo, e que devem na praça e tudo o mais…muita calma, muita calma mesmo…

  11. eduardo dragonetti disse:

    Martins, depois que a F1 for embora não adianta chorar que não volta. O Flávio Gomes que GP na Cuba e na Russia. E quer que Obama e Elizabeth paguem.

  12. Que mude então. Pelo menos o transito não vão ficar pior do que já é nos diad de corrida@

  13. Felipe Gaya disse:

    É isso mesmo Victor, quem tem que abrir a carteira são as pessoas que lucram com o evento. Todos aqui amam automobilismo, mas a cidade necessita de coisas mais importantes.

    Se isso de fato acontecer, é provável que o autódromo venha abaixo, como aconteceu com Jacarépagua. O jornalista Flávio Gomes especulou, certa vez, que em pouco tempo aquilo se transformaria num condomínio, já que sem F1, as contas não fecham!

  14. Rafael Chinini disse:

    essa coisa “não deve gastar dinheiro publico com isso” NESSE caso pra mim é falho!
    F1 é o evento mais lucrativo da cidade no ano!!!
    então nenhuma prefeitura do mundo inteiro pode ter autodromo?! nem estádios, nem nada?!

    Se fosse pra pegar o dinheiro da reforma e aplicar de maneira correta na cidade. “ta aqui o dinheiro da F1 virou x hospitais, isso e aquilo” ok! mas não vai…

  15. Leandro LM disse:

    O Livio Oricchio é assessor brasileiro do Ecclestone?

    Ademais, sou a favor da postura do Kassab em relação a F1, apesar de achar os PeTralhas uma abominação.

    • Anísio Câmara disse:

      Claro que essa de assessor foi uma ironia, não finíssima ironia, mas mais uma porrada mesmo.
      LO, o assessor, enche o saco com esse papo faz séculos, toda oportunidade pra cutucar Interlagos que tem ele usa, duvido que o Eccle(Rolling)stone, pai da gostosona daria entrevista parecida a algum outro jornalista brasuca.
      LO é conveniente.

  16. Sergio disse:

    Victor, uma dúvida…

    O Evento em si (corrida de F1) aqui em SP: quem é a organizadora da parada? Seria algo do tipo, a prefeitura entra com o local (Autódromo) em condições de receber o evento e o evento em si, quem planeja e executa seria a Globo e a FIA?

    Como que funciona? Seria interessante pois acho que a grande maioria que acompanha a F1 não sabe (eu me incluo) como funciona isto tudo…

    • Victor disse:

      VM responde: A Interpro é a organizadora do GP do Brasil e é uma empresa pertencente à Globo. Logo, a Globo é quem organiza a corrida. Assim sendo, a emissora se utiliza de um local público para um evento privado e o apronta da forma que convier. A prefeitura ainda paga uma taxa para ter a prova, mas deixa o autódromo pronto para seu uso. Se a F1 quer que o autódromo tenha outro box só para recebê-la, não cabe à prefeitura fazer essas reformas até porque elas só servirão durante 4 dias no ano e não para o público local.

  17. Tarcisio disse:

    Quero ver o plim plim desembolsar a grana.

  18. Fábio Souza disse:

    Muito dinheiro pra São Paulo? Victor, sugiro um artigo botando na ponta do lápis o que de fato lucra a prefeitura, pois o público (pífio) + aluguel do autódromo + impostos arrecadados decorrentes do movimento certamente são irrisórios diante diante do custo da reforma e do que se paga à Fom / Fia pra ter a corrida. Mesmo considerando o retorno de marketing e visibilidade, digamos. Estou errado?

  19. eder disse:

    agora eu quero é ver os dois mantendo a palavra.

  20. Efrain Augusto disse:

    é uma pena perder o privilégio de ter a f1 em nosso país ,infelizmente políticos não ajudarão porque não trará dinheiro ao seu bolso por outro lado ajuda a cidade pelo fator de atrair turistas.” eles não pensam nisso”

  21. Estéfano Souza disse:

    Gostei da postura do Haddad (que era o mínimo que se esperava do Kassab), mas não tenho tanta certeza assim que ele manterá sua palavra, visto que a F1 traz muito dinheiro para SP na semana do GP do Brasil.

    Se for para São Paulo perder o GP do Brasil, que seja. Mas essa história de misturar o que é “público” com o que é “privado” tem que acabar, ainda mais quando trata-se de algo que não é do interesse comum da maior parte da população.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>