MENU

22 de maio de 2013 - 12:36Sem categoria

O que será de Kimi

SÃO PAULO | Nada como um ano após o outro. Se nas últimas temporadas o cenário da F1 dependia do movimento de xadrez feito pela Ferrari com o bispo Massa, 2014 e suas mudanças técnicas vêm acompanhadas da expectativa do que a Red Bull pretende fazer com o cavalo/touro Webber, que já anda meio comido — no bom sentido — há tempos.

A briga interna entre os taurinos no GP da Malásia deixou Massa na brisa, e a situação de Webber foi ventilada sempre fora da equipe e até da F1, ou com a vida ganha e voltada à bike na Austrália ou novamente dedicada à Porsche e ao endurance. Nesta vertente, é mais do que natural que os olhos se abram para aquele que está melhor na Toro Rosso, o compatriota Ricciardo. Mas diante da opção Räikkönen à mesa, o negócio muda.

O assunto ganhou reforço hoje em Mônaco quando Kimi resolveu murmurar mais do que de costume e confirmar que tem “duas opções” para o ano que vem, obviamente a equipe onde está, a Lotus, e a Red Bull de Vettel.

O copo pela metade apresenta suas velhas duas visões: é difícil que Kimi vá ser mais do que amigo de Sebastian. É um fato esquecido e sempre negado, mas o finlandês tem lá sua parte acionária na Lotus, segundo alguns infiltrados no assunto. Por outro lado, Räikkönen tem ligações com a Red Bull desde o momento em que escolheu ir correr de rali pela Citroën.

Uma segunda taça mostra a Red Bull. A empresa tem como filosofia de nascimento uma segunda equipe para fornecer-lhe pilotos capazes de guiar na primeira, como aconteceu com Vettel a partir de 2009. Mas à época em que o tirou da Toro Rosso, não era grande. Na condição de principal equipe da F1 hoje, e olhando para as duplas das principais rivais, tem de contar com um segundo piloto necessariamente forte. E a STR, hoje, é cada vez mais independente de sua matriz em termos financeiros.

Talvez Räikkönen nem ligue para isso, mas uma mudança para a Red Bull o transformaria num dos pouquíssimos nomes da história a correr por todas as grandes de seu tempo  — com bondade considerando a Lotus, mas contando Ferrari e McLaren. Ainda é cedo para que um dos pilotaços da F1 tome uma decisão — visto que está claramente na disputa pelo título —, mas é bem possível que as férias da F1 em julho já sejam devidamente celebradas com um novo contrato assinado.

Se a distância na tabela para a Red Bull for mínima, Kimi provavelmente continua a pôr seu nome no papel de Enstone. Do contrário, vai lá misturar energético com sua adorável vodka e cair torto de gauche na vida.

8 comentários

  1. Bom, só penso que, se considerou Lotus grande, teria que considerar a Mercedes também.

  2. luiz alberto disse:

    Porque “bispo” Massa ????
    Seria por causa de ter movimento limitado a diagonais?Sempre saindo da frente da rinha ou ajudando-a a dar o xeque mate.
    Então a rainha seria el chiliquento de las Asturias que tem movimentos amplos e ilimitados e come tudo o que estiver em sua frente,principalmente se não andar mais rapido que ela-tipo : faster than you.

  3. Mauricio disse:

    Não sei, mas acho improvável que ele vá para a RBR.
    Acredito que ele não sai da Lotus.

  4. Chinaski disse:

    O cara já é campeão, quer se envolver o mínimo com compromissos extra pista… Só sai da Lotus se o faz-me-rir for muuuito bom.

  5. Fábio Figueiredo disse:

    Penso que se Kimi, mudar de equipe, será por 2 motivos: o 1º seria uma queda do desempenho e rendimento da Lotus, o 2º seria um bom salário e as mesmas condições de trabalho que o companheiro de equipe, sem jogo de equipe, a não ser que seja reta final de campeonato e ele não tenha mais chances (como foi em 2008). Talvez Red Bull, sim é possível. Mas não duvido de ele ter uma oportunidade numa Mclaren ou Mercedes, somente a Ferrari que não, claramente com Alonso lá, eles não iriam querer 2 pilotos top correndo juntos, não é tradição da Ferrari ter 2 pilotos desse porte.

  6. Voltar para a McLaren estaria descartado?

  7. Marcelo Ivo disse:

    Mas qual seria a lógica do Kimi mudar pra Redbull e virar 2º piloto?
    Acredito também que na Redbull ele teria que assumir diversos compromissos extra corrida, o que não é muito do gosto dele.
    Enfim, acho meio sem lógica essa discussão, a menos que a Lotus tenha uma queda vertiginosa de rendimento ao longo do ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>