MENU

30 de junho de 2013 - 14:22F1

Double deckers, 2

SÃO PAULO | Antes da análise do que foi este ótimo mas perigoso GP da Inglaterra, a imagem da McLaren de Pérez, um dos cinco premiados com o estouro dos Pirelli, explica as consequências duras que estes compostos podem trazer à F1:

5 comentários

  1. Tiago S. disse:

    A parada do Vettel depois que teve problema no carro, foi certa? Achei uma baita sacanagem ficar se arrastando na pista, sabendo que alí o carro não sairia sem causar tumulto.

    Pô as 10 voltas finais que tinham tudo pra ser um baita pega, tiveram que ser resumidas a 6. Claro que não teria os carros alinhados de novo e tal, mas achei bem a cara do Vettel fazer uma daquelas, molequinho mimado.

    • Rafael disse:

      Nada de mimado, se tivesse no lugar dele ia tentar de tudo pra engatar a marcha e continuar, ele só deve ter saído do carro dps q a equipe falou no rádio q ñ tinha mais jeito e q abandonasse a corrida

  2. A macumba do Alonso funcionou, o Rosberg agradece, o Hamilton deve estar chingando a Pirelli até agora, o Vettel apesar do abandono ainda está com boa vantagem, o Massa mais uma vez lamenta, o terceiro lugar foi satisfatório para o Alonso, mas o Pneu Pirelli tem que ser mais resistente e não pode explodir em tão pouco tempo numa curva ou numa reta, e a FIA tem que tomar alguma providência valendo pela segurança dos pilotos. Um piloto que derrepente fica com três pneus na pista, não é emocionante, é perigoso!

  3. Prof. Alexandre Santos disse:

    Os compostos foram testados na pré-temporada, TODAS AS EQUIPES assinaram embaixo o regulamento de 2013 com as bençãos de seus respectivos chefes, FIA , além claro de ‘Uncle Bernie’ e se submeteram correr (sob todos os riscos que isto poderia representar – e o fabricante deveria ser notificado disto pelas equipes). Porém, há tempos existe um ‘mi-mi-mi’ em virtude da construção, duração e performance destes compostos (esta última irrelevante quando se menciona segurança dos pilotos) que em nome da “espetáculo” agora são demonizados por pilotos, engenheiros, chefes de equipe, FIA e o próprio Uncle Bernie… Evidentemente, a Pirelli terá que reavaliar todos esses itens para que; além de não colocar a vida dos pilotos em risco (em nome da manutenção do espetáculo no mesmo nível de disputa), não afetar também sua credibilidade perante o mercado global. Hoje, a marca Pirelli pode ser vista como um fabricante de um composto totalmente imprevisível e não-confiável tanto esportivamente, quanto para o usuário comum.

  4. Rafael Apache disse:

    Mas não foi uma das equipes mesmo que vetou o uso dos novos compostos que iam estrear agora? Que aguentem as consequências oras…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>