MENU

24 de junho de 2014 - 20:23Futebol

Copa Linda, 2

NATAL | Passadas 10 e pouquinho da manhã, a recepção do hotel tinha lá sua gestora e, com a fluência que só os nordestinos têm para se expressar, indicou uma empresa que estava fazendo o trajeto até a Arena das Dunas por 20 dilmas, já que a frota de táxis vinha se mostrando parca e exploradora, coisa deste capitalismo avassalador. Do elevador, saiu um casal de italianos, que também ansiava pelo mesmo, e dois uruguaios que carregavam a bandeira albiceleste às costas. A diferença entre as torcidas pode ser explicada pela matemática da progressão, com os irmãos sucadas sendo a geométrica contra a aritmética dos azzurri. Num carro comum, acabamos indo com os vestidos à nonna.

A moça não era bem uma italiana. Era paulistana de Pinheiros, e há três anos morava no Canadá com seu marido. “Ele é canadense, mas italiano”, disse. Não entendemos muito bem a mescla gentílica, mas ela começou a fazer uma série de perguntas, de onde vínhamos, o que comíamos, como vivemos, e como não era uma sexta-feira nem o Globo Repórter, preferimos nós saber algumas coisas dela. Os dois já passaram por Recife, criticaram que na cidade não tinha comida no estádio, que está o caos, “tá pior que São Paulo”, e aí ela passava a ser curiosa, porque lá no Canadá só chegavam notícias ruins de São Paulo, e quando eu disse que São Paulo estava linda, ela sorriu e riu, aliviada.

Ônibus ItáliaPegamos um trânsito não tão caótico quanto a moça falou de Recife, mas digamos que lembrou bastante São Paulo, algo que não deixou aliviado nem a mim, tampouco ao Gabriel. Até porque ficamos uns bons 15 minutos parados onde estávamos porque atravessamos justamente o caminho dos dois comboios dos ônibus. A Itália estava à frente pouca coisa que o Uruguai, e os batedores múltiplos lá acompanhando junto com a Polícia Federal. De repente, aquela parafernália toda que buzinava a esmo para andar 5 metros desceu de seus carros para tirar suas fotos. “Ah, bom, era para isso”, a maioria disse, toda feliz pela Natal que se entupia de gentes de todas as raças.

O motorista pegou um caminho daqueles que só os malacos sabem e nos deixou na UFRN. Foi só andar um pouco ali pelos desvios, passar por debaixo de uma ponte e chegar pela faixa de pista que foi fechada unicamente para os transeuntes todos. Lá, mexeram com o Gabriel por sua camisa do River Plate. Mexeram, claro, no bom sentido; os uruguaios não tavam nem aí se era Peñarol ou Nacional Querido. A proximidade do estádio mostrava a obra inacabada, uma ponte, que foi coberta pelos tapumes da Fifa, ínfima e diminuta diante da grandeza da Arena das Dunas.

Os voluntários que lá estavam indicaram bem todo o caminho, ainda que não fosse necessário. Tudo era auto-explicativo, mas demonstrava a boa vontade e cordialidade. Dois ou três ali gritavam em seus megafones improvisados frases de boas-vindas em várias línguas, muito longe da pronúncia ideal, mas novamente apontando a simpatia do povo. Escadas acima, lá estávamos no setor destinado a nós: aquele que será desmontado depois da Copa. Fica à direita de quem vê pela TV, como se fosse o tobogã do Pacaembu.

Gabriel CurtyO sol forte mesclava com uma finíssima garoa, que ajudava a refrescar. Melhor ainda quando pegamos uma cerveja. Em meio a isso, o canto era uníssono, soy Celeste, soy Celeste, Celeste, soy yo, e quando os italianos esboçavam se mostrar, as vaias todas acanhavam a torcida menor. Vieram as equipes, os hinos, o Gabriel cantou ambos com a mão no peito, me impressionei, o Gabriel, esse moleque, é um gênio, tosse o tempo todo, mas é um gênio tussígeno, começou o jogo, soy Celeste, Celeste, soy yo.

É muito curiosa, a noção do tempo. No estádio, o tempo voa. Talvez porque a gente não veja o tempo todo o tempo na tela, mas o tempo passou rápido demais para um jogo que não pareceu muito bom no primeiro tempo. Foi pegado, tenso, mas não muito agradável. Mas tinha cara de Uruguai, raçudo, sofrido, e pelo fato daqueles que o destino demonstra, de que Oscar Tabárez era o técnico uruguaio na Copa de 90, a da Itália, onde foi eliminado, e era claro que seria classificado para vir a desforra.

Mas muito mais claro é que seria sofrido, um jogador a mais, fim do segundo tempo, de cabeça, Godín. A explosão do estádio, então, nem permitiu que se visse direito o quiproquó ali entre Chiellini e Suárez, ninguém tava nem aí, se era cotovelada, mordida, golpe de MMA ou peteleco na fuça, era aguentar os cinco minutos de acréscimo que tinham sido originados justamente pela catimba italiana — quem diria —, Buffon na área, já era, fim de jogo, os sudacas passaram.

Los sudacas vinieron para su gente, rodaram as camisetas, gritaram, e nunca se ouviu tanto que eu e todos éramos celestes, e aquilo tudo era o mote para aquela avalanche azul se esbaldar nas belezas de Natal o dia todo.

Sempre disse que qualquer um que ame automobilismo tem de ir a Indianápolis para conhecer o que é aquilo. Essa lista de coisas a se fazer na vida inclui desde já a ida a um estádio para acompanhar um jogo de Copa do Mundo. O céu se abriu sobre a Arena das Dunas para trazer o sol como fim de nossa jornada, o sol de Natal com o som do castelhano de quem chorava pelo Uruguay. O céu celeste sorriu, y aguante.

Uruguai

6 comentários

  1. yuri disse:

    * só não esquecendo que estará contribuindo diretamente com a FIFA e cia e com toda as coisas ruins que acontecem por conta disso no próprio país.
    Que vá, mas não esqueça disto.

  2. Bernardo disse:

    Eu também estive no estádio, e também do “lado do sol.”. Sou Brasileiro, moro em Natal. e queria assistir ESTE jogo, que prometia ser um duelo, e foi ! Mas achei um duelo feio, jogo “truncado” , parecia uma pelada, não um jogo de Copa. Distante de Holanda e Espanha, por exemplo. Claro que o campo é diferente (é muito) da TV, Na F1 ocorre o mesmo; Há aquela gritaria, aquele “clima” de euforia das torcidas, alias ,da torcida do Uruguai, porque só tinha Uruguaios no estádio, e tome soy Celeste.

    Confesso que a experiência de ver um jogo de copa do mundo frustrou minhas expectativas.

  3. Jonatas Brito disse:

    Parece que todos somos celeste por aqui. Fui ver Uruguai x Costa Rica e realmente, ver um jogo de copa do mundo “in loco” é algo mágico, uma emoção inexplicável.

  4. Ra disse:

    Quase senti a emoção por esse relato no Arena das Dunnas, muito bom.

  5. Tudo isso que você sentiu “en la cancha”, eu senti semana passada, assistindo Uruguai X Inglaterra, na Arena Corinthians. E até por isso, ontem pela manhã, eu e um amigo que estávamos junto, “en el partido”, discutíamos as chances e concluímos que daria Uruguai… Única e exclusivamente, pela raça… Eles são feras, nisso… A carta do Lugano (de quem eu não gosto) que o Juca Kfouri publicou no blog, ontem cedo, ilustra bem (http://blogdojuca.uol.com.br/2014/06/de-diego-lugano-aos-uruguaios-sobre-os-uruguaios-belissimo/). Deixem eles avançarem, pra ver…

  6. Gustavo Dario disse:

    Fui à abertura e vou também à semifinal de São Paulo. Confesso que até então não tinha ideia do que significava acompanhar um jogo da Copa do Mundo “in loco”. Pachequismo a parte, acompanhar o Brasil na abertura da Copa do Mundo do Brasil foi uma das maiores emoções que já vivi. Mas jamais saberia descrever como você fez. O jogo foi bom, especialmente no 2o tempo. Mas o seu texto foi ainda melhor, de cabo a rabo. Muito bom, Vi. Abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>