MENU

15 de março de 2015 - 15:11F1

Mel B

SÃO PAULO | Quando começaram os testes da F1 na Espanha, mais de mês atrás, parte das equipes não estava pronta. Os carros foram feitos às pressas, a Lotus se atrasou, a Force India se atrasou mais ainda, a Marussia não apareceu. A Red Bull novamente não fez uma pré-temporada das melhores, a McLaren penou muito mais do que esperava — com Honda e Alonso —, a Toro Rosso teve de rever seu carro todo e até a Mercedes, disparada a melhor e mais organizada, passou por problemas. Lotus, Ferrari e Sauber só podiam evoluir em relação ao ano passado. A Williams ficou na mesma.

Tudo isso pra dizer que a F1 como um todo não estava pronta para o GP da Austrália. Ainda que o primeiro treino livre passou despercebido para todos por conta daquele retumbante caso de Van der Garde, o respeitoso vendido, a impressão que deu era de que as equipes estavam iniciando a quarta semana de testes coletivos, agora em Melbourne e sob temperaturas mais propícias para uma avaliação mais completa, sobretudo dos pneus. A corrida em si sustenta esta sensação: foram três dias mais para a conta dos treinos, com o fato de que valeram pontos para o campeonato.

E como tal, o GP da Austrália/quarta semana de treinos coletivos só podia reverberar o que foi visto em fevereiro: a Mercedes longe da rapa, a Ferrari e a Williams em pé de igualdade, a Sauber muito evoluída, a McLaren registrando um fiasco histórico, a Force India lenta mas confiável, a Marussia fora e Maldonado batendo. De surpresa, mesmo, só a queda acentuada da Red Bull, que em algum momento do ano deve dar o pé nesta Renault que só lhe atravanca a vida.

15 carros num grid de largada da F1 também ajudam a explicar o caráter de grande teste desta corrida em Melbourne. Desculpa aí, mas a F1 não pode ter só 15 carros largando. Isso não é bateria de kart entre amigos na Granja Viana. E deram sorte, por assim dizer, que não confiscaram os carros da Sauber; já imaginou 13 ali alinhados?

Não fosse Nasr, a prova em si seria um Conto da Kripta depois daquele Corujão da F1/Balada Vip, com Galvão Matarazzo e seus Tony Karlakians.

A F1, pelo que demonstra, vai ter espasmos de boas corridas e disputas em 2015. Isso é resultado de um ciclo. As equipes têm cada vez menos tempo e dinheiro para preparar seus carros. A temporada tem terminado no fim de novembro, e só a partir daí que o grupo de trabalho tem seu focado totalmente voltado para o ano que vem. São dois meses de trabalho num período que contempla Natal e réveillon, além do fato de que o pessoal precisa de férias. O desenvolvimento do carro em si acaba sendo parco e, por consequência, se dá durante a competição. Os times acabam encontrando o melhor de seus carros só depois da segunda parte da temporada. Até lá, sabe-se se o modelo em si deu certo ou não.

Sempre quem teve mais dinheiro naturalmente dispõe dos melhores recursos e pode ter um grupo de trabalho maior que as outras. Mas uma temporada extensa de 19 ou 20 provas que vai do início de março ao fim de novembro acentua as diferenças justamente porque deixa quem tem orçamento limitado na dúvida: investir mais neste carro no fim da temporada ou partir para pensar no da seguinte; as grandes têm um tempo maior para solucionar essa dúvida até porque ainda têm interesses na disputa. Além do fato óbvio de que, quanto mais provas, mais gastos.

O espichamento do calendário, então, acaba refletindo a crise que a F1 tem passado: três equipes pobres, operando no limite e devendo para deus e o mundo e uma quarta que ainda tem de mostrar se vai mesmo sobreviver após uma ressurreição. A Sauber tem um patrocinador visível no carro, a Lotus perdeu um monte e a Force India até que atrai investidores, mas não sai da moita. A Marussia tem um carro limpo, pelo deu pra ver na carenagem, e assim será.

Se foi um treino de luxo, o GP da Austrália já deu as diretrizes claras: uma nova disputa entre Hamilton e Rosberg, com a tendência do primeiro engolir o segundo; Ferrari e Williams brigando pelo vice, sendo que a segunda tem de torcer para a pronta recuperação de Bottas; Red Bull achincalhando a Renault até lhe dar um motor minimamente confiável e potente e a McLaren nesta vida de Minardi e Marussia — McNardi ou McRussia, se preferir. Sauber, Lotus, Toro Rosso e Force India vão andar juntas no bolo. E é isso. E é chato saber tudo isso assim, justamente numa temporada tão longa que vai se tornar maçante. E é tudo culpa do sistema que a própria F1 criou, como se tem falado há um bocado de tempo, e a F1 não se toca porque tem alguém que gerencia parado no tempo, sendo que tempo para ele é Rolex.

A F1, agora, neste exato momento, está preocupada em quanto vai lucrar com o F1 Access em seu site e no seu aplicativo. Para ver o quanto FOM e Bernie conseguem levar adiante.

Ainda bem que no fim de semana teve a F-E para eu poder lembrar o que é uma corrida de carros. A F1, do jeito que tá, não interessa.

9 comentários

  1. sandro disse:

    Até acho que interessa, porque vejo do 3º lugar pra trás, a coisa tá boa….mas 15 carros de “F1″ na pista é realmente uma vergonha, tudo isso por causa dos altos custos, alta tecnologia. Quem vai querer patrocinar uma paulada dessas? Somente mesmo pilotos pagantes e olhe lá.

  2. Rodrigo disse:

    “Ainda bem que no fim de semana teve a F-E para eu poder lembrar o que é uma corrida de carros.”

    E cadê um post sobre a Formula E?

  3. Miguel Nonose disse:

    A verdade é que a grande animação do campeonato vai ser a disputa entre Ferrari e Willians pelo vice, já que ficou claro que a Red Bull tá fora dessa briga.
    Quanto ao pelotão do meio não sei ….
    Não sei se essa estrei tão boa ( apesar de apenas 11 carros terem terminado) foi boa ou ruim pro Nasr. Agora vão encher a bola dele e vão cobrar o cara pra caralho.
    Se Nasr tiver a cabeça fria, e não cair no papo dos puxa saco ou no da globo, tem futuro.

  4. Andre disse:

    Corridinha chata. Sem emoção e com a transmissao podre da rede globo, que transmissão chinfrinha! Realmente fica dificil acompanhar a F1 desse jeito. Acompanho a F1 pq a Sportv “ainda” faz uma boa transmissao, faltando apenas transmitir a corrida ao vivo. A F-E eu até tentei mas não consegui acompanhar… não me acostumei com aqueles carros silenciosos e ainda ter que aguentar aquele flavio gomes… no, thanks.

  5. Arthur Luz disse:

    E eu que falei mal da Indy anos atrás quando só estavam alinhando 18 carros….

  6. Luis disse:

    O site da F1 já era também.
    Nem mesmos as fotos do paddock estão disponíveis.
    tudo agora precisa de $$$$$

  7. Douglas Kaucz disse:

    Muito boa análise Victor Martins. E não tem de jeito nenhum como uma corrida com 15 carros ser boa. Pode até ter bons momentos, mas sempre vai dar uma sensação de vazio. E ver uma categoria como a F1 passar por isso é realmente triste. O pior que todo mundo sabe os problemas e os responsáveis não fazem nada para resolver.

  8. Eduardo Schmidt disse:

    Menos, pra mim, muito menos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>