MENU

22 de setembro de 2015 - 15:02F1

As opções do losango

SÃO PAULO | Já que a vaga que Grosjean vai liberar na Lotus/Renault se tornou a mais interessante do grid para 2016, cabe uma análise dos nomes que aparecem na lista para substituí-lo. Se sair de um destes oito — e olha que os três últimos entraram por louvor e benevolência — tratar-se-á de mais do que uma surpresa.

Pérez: ‘La Gazzetta dello Sport’ informou hoje que o mexicano pode ser anunciado como o substituto de Grosjean e que aí reside a demora da Force India em confirmá-lo para o ano que vem. Com passagem ruim pela McLaren, o mexicano se perdeu um pouco na carreira e já não é visto com os mesmos olhos que brilharam na época em que mandou muito bem na Sauber e foi tido como o futuro da Ferrari. Tem feito mais pontos que Hülkenberg neste ano, o que é uma boa referência. Mas principalmente pode carregar um caminho de grana de seu país com a injeção vinda de Carlos Slim. Neste cenário em que saldar dívidas é preciso, é a melhor opção (confirmado pela Force India).

Alonso: descontente na McLaren após ter saído entristecido na Ferrari, encontra-se numa sinuca-de-bico na carreira. Sabe que está numa equipe que caminha a passos largos para ser o que foi a Williams nos anos 2000, sem patrocinadora principal e em crise interna contra a filosofia aplicada pela Honda, que fracassou em seu retorno à F1. Com 34 anos, já entende que não tem mais tempo a perder. A Renault pode ser seu refúgio no sentido de que nada parece ser pior que a McLaren — a não ser a Manor Marussia — e porque conhece bem como trabalham os franceses, mas sabe que 2016 seria mais um ano como o de 2015. Se quer um piloto de ponta, a marca francesa já sabe o nome.

Palmer: reserva da Lotus, teve uma chance de guiar o carro durante os testes inter-temporada e alguns TL1 da vida, meio que como uma compensação por não ter obtido espaço algum como titular. Foi campeão da GP2 no ano passado e, como aconteceu com anteriores, ficou sem uma vaga na F1. Tanto a equipe quanto a Renault conhecem seu trabalho. O problema: não chama patrocínio.

Magnussen: é o Palmer da McLaren, com uma temporada no currículo. Bom piloto, já tem a vida livre da equipe que o projetou na F1, que não exerceu a opção pelos seus serviços. Devidamente lembrado, de fato é uma opção válida.

Prost: filho do homem, aquele tetracampeão que vai se tornar pelo menos acionista da Renault, mas de quem se espera um trabalho similar ao que desempenhou como chefe de equipe na F1 e atualmente na e.dams na F-E. É francês, é bom jogador de equipe, mas tem um grande problema: a idade. Tem 34 anos, a mesma de Alonso e Massa, por exemplo. O tempo já passou, ainda mais numa categoria em que existe alguém com a METADE da idade dele — caso de Verstappen.

Vergne: atualmente na Ferrari como quase figuração, aventurou-se até na F-E e chegou a ser cotado na Indy depois que levantou um pontapé nos fundilhos da Red Bull/Toro Rosso. Se a Renault fizer questão de ter um piloto francês, é uma boa opção disponível, apesar de ter perdido o contato apropriado com um carro de F1. Só que não parece que a nacionalidade seja um ponto imprescindível para a marca: o último representante galo que teve na F1 foi Patrick Tambay há 30 anos.

Ocon: da safra que revelou Verstappen, foi campeão da F3 Europeia no ano passado e estranhamente foi dispensado pela Lotus que o apoiou na campanha. Enquanto viu o holandês ser abraçado pela Toro Rosso, teve de ser contentar com a GP3, onde ocupa a vice-liderança no campeonato. Só serviria se realmente a Renault quisesse apostar em um jovem talento capaz de dar uma mexida no grid tal qual a própria STR tem feito com Verstappen e Sainz, num ano de transição.

Jordá: risos e sorrisos, vem cá, sua linda, dá um abraço.

Rowland: é o líder da World Series/F-Renault 3.5, com seis vitórias em 13 corridas. É uma opção barata para a montadora, que ainda tem olhos para a categoria, cujo envolvimento será menor a partir do ano que vem, caso queira analisar seu valor como base formadora de talentos (opção rebaixada).

Vaxivière: é o segundo colocado no referido campeonato acima, com o fato de ser francês. Tem três vitórias na temporada (opção rebaixada).

Numa segunda avaliação mais sensata, só os quatro primeiros passariam para a ‘segunda fase’. Indo além, pode-se pensar no que causaria à F1 o efeito-dominó a escolha dos dois primeiros:

Pérez: abriria uma vaga na Force India, que talvez não contasse com a saída. Também deixa de receber uma boa grana do mundo mexicano. Como está de pires na mão ad æternum, economizar aqui e ali é a solução. Como faria isso? Simples: da mesma forma que fez no começo do ano, abrindo as pernas para a Mercedes. O favorito à vaga passaria ser obviamente Werhlein.

Alonso: uma provável cláusula de performance o liberaria fácil, e se a informação do ‘The Telegraph’ estiver certa — dando conta de que Button deve anunciar nos próximos dias sua saída da F1 —, a McLaren tem um pepino e um nabo nas mãos. Não vai ter um piloto de ponta para 2016 — nenhum deles está livre ou haveria de confiar no projeto que não vingou — e teria de se contentar com o que tem em casa, isto é, Magnussen e Vandoorne.

11 comentários

  1. Eduardo disse:

    Sem o Perez que une dinheiro talento e experiência ficaria com o Magnulsem que merece uma nova oportunidade e é melhor que o Palmer,o Vergner é bom para a F E ou F Indy mas para a F1 falta alguma coisa

  2. Marcos José disse:

    Eu acho que a vaga na Renault ficará entre Perez e Vergne (se aparecer um outro nome será surpresa); na McLaren vejo Stoffel Vandoorne favorito para ficar com a vaga do Button (muito dizem que a vaga será de Magnussen, veremos…); na Manor talvez apareça Magnussen e Wehrlein (mais agora que boatos dizem que a Mercedes poderá comprar a equipe inglesa para formar a sua equipe B); na Haas (minha opinião) tudo certo com Gutierrez e Grosjean e na Force India sem Perez (o que é bem mais provável para este momento) talvez o Jolyon Palmer ou até mesmo um “piloto-surpresa” (seria o Ryo Harianto, o escolhido) apareça por lá…

  3. FAB1000 disse:

    Acredito em Vergne na Lotus / Renault e Magnussen na McLaren.

    O caminhão de dinheiro que o Alonso recebe + a montanha de dinheiro que a Honda está botando na equipe + um patrocinador master, que vai sair mesmo pagando apenas a grana que a Williams recebe e a McLaren não quis topar ano retrasado – os mesmos problemas que terá na Lotus/Renault de carro, motor e pessoal, até essa se recuperar tendo menos grana a disposição que o conjunto nipo-bretão, eu duvido que ele saia de lá. Até porque já tomou esse chá de esquenta banco na Renault antes de ir para a Ferrari e não deu certo mesmo sendo o “dono” da patisserie.

    Como o dinamarquês, que andou se oferecendo para a Haas semanas atrás falando que precisava ver o futuro dele, passou a ficar quieto, acredito que ele será o sucessor do Button, dividindo carro em treinos com o Vandoorne, e de olhos bem abertos para não perder a boca no ano seguinte.

    Na Force India, sendo o segundo ano do Perez, pode ser que o contrato dele permita renovação automática ou não pela equipe, e isso pode estar ligado ao contrato de patrocínio. O fato do Grosjean pular fora para a Hass, pode ser um indício de que poderia perder o lugar para alguém bom de braço e de conta no último instante, e ficar chupando o dedo em casa.

    Se o Perez não se mover, o que acho pouco provável, acredito no Vergne para a vaga da Lotus pois é barato e constante, já que o Ocon ainda é muito novo e lá não se pode arriscar tanto como a RedBull faz com equipe B. O Palmer é fraco de pista e de vendas, e como é chorão, pode acabar fazendo a mesma coisa que o Van der Garde fez. kkkkk

    Na outra vaga da Hass tudo certo pro Gutierrez. E com isso, vamos ver se o Marciello será promovido à reserva ano que vem.

    Taí… pai Fabricio cantou.

  4. Claudio disse:

    Pelos resultados dos últimos 3 anos, Wehrlein não chegaria a 40 pontos mesmo vencendo o DTM. Mesmo assim ele ficaria elegível para a F1? Existe algum tipo de excessão ou ele já possui a superlicença?

    • Victor disse:

      VM responder: Ser piloto de testes da Mercedes serve? Ter guiado nos treinos?

      • Claudio disse:

        Cheguei a procurar e ler algo do tipo, a FIA poderia abrir uma excessão nesse tipo de situação. É que dessa forma o sistema de pontuação fica meio que sem sentido, parece que mais importante que alcançar a pontuação necessária para obter a superlicença o caminho mais fácil é se tornar terceiro piloto de algum time, coisa que, em teoria, um piloto mais endinheirado tem mais facilidade

  5. George disse:

    Acho que em alguma entrevista Alonso deu a entender que seria sua ultima equipe a Mclaren, não?

  6. Brunno disse:

    Nelsinho Piquet, por ser atual campeão F-E e evidentemente mais maduro e desenvolvido, não entraria na lista? Apesar da passagem negra que teve na Renault de Briattore

  7. Rafael Bilibio disse:

    Victor, quais são os nomes efetivamente anunciados para 2016?
    pode fazer uma “planilha” ou “tabela” prá gente?

    abraço

  8. Em resumo: quando parecia que a silly season 2016 seria fraca…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>