MENU

26 de outubro de 2015 - 16:12F1

Austin Powers, 2

SÃO PAULO | Enfim, a F1 teve um fim de semana digno, e agradecemos muito à Patricia pela graça alcançada. Foi o furacão que fez com que o sábado tivesse sido completamente atrapalhado pelo mau tempo e proporcionou horas de diversão muito maior que muita corrida desta e das últimas temporadas. Os bastidores do paddock permitiram mostrar que, sim, a categoria pode ser agradável e simpática: a valsa/balalaika de Ricciardo com Vettel, a disputa entre remo e bobsled de Sauber e Force India, o aniversário, a ola, o futebol de Rosberg, o agrado ao público que pôde entrar no paddock para ver os ídolos. Na contramão disso, Räikkönen e seu azedume. Não quis participar de nada porque “a F1 não é um circo”.

Tirando o momento rali de quando escapou durante a corrida, Räikkönen, infelizmente, já não faz mais falta para a F1.

Tudo ficou para o domingo, com uma classificação 2/3 completa e a terceira tentativa de Rosberg se manter à frente de Hamilton largando na pole. Mas Nico não aprende. Larga mal, é espremido para fora e depois chora, resmunga, faz buá e quer chocalho. Até que fez uma corrida exemplar a partir do momento em que resolveu ir à forra: passou Kvyat, depois Ricciardo numa relargada do safety-car virtual — que é um saco, diga-se —, foi para cima de Hamilton e logo se viu em primeiro, com grandes e naturais chances de abortar o tri de Hamilton. Aí o camarada me erra no fim da prova e faz o tradicional delivery de paçoca. Aí chora mais, resmunga mais, faz mais buá, quer chocalho e atira de volta em Hamilton o boné de segundo colocado no pódio que lhe foi arremessado.

Rosberg, infelizmente, também não faz falta para a F1.

Ricciardo e Kyvat deram um baita ânimo na primeira parte da prova quando a pista ainda estava molhada e andaram pertíssimo de Hamilton e Rosberg. O russo estava empolgado, mas exagerou em vários pontos, o que lhe demoveu da provável liderança ao quarto lugar. O João Sorrisão foi comboiando durante um certo tempo até dar um bote: passou os três primeiros para abrir uma larga vantagem. Uma vez seca a pista, as duas Red Bull viraram touro abóbora.

Foi aí que começou a aparecer Vettel, preso atrás da Force India de Pérez por um bom tempo, e logo autor de grande recuperação. Não tinha como brigar pela vitória, mas foi lá honrar seu lugar no pódio para dar alguma elegância à conquista de Hamilton. A tiracolo, trouxe um Verstappen — que moleque —, brilhante, sólido em pista seca e mantenedor de um quarto lugar merecido. Logo há de ganhar um lugar numa equipe grande.

A dispua do meio do pelotão entre Sainz, as McLaren, as Red Bull e Maldonado também é digna de registro. Ali qualquer um poderia ocupar qualquer posição que ficaria de bom tamanho. Ótimos pegas numa pista que permite vários traçados e ação. Button e Alonso mostraram certa evolução do carro, Carlitos é do nível de Max, Ricciardo ficou com um gosto amargo depois de tudo que fez porque sabe que é top e Pastor não cometeu um errinho sequer.

Pecado Hülkenberg ter tido mais um acidente numa prova em que podia ter saído com o esperado pódio e que as Williams tenham amortecedores que não aguentam um circuito tão tranquilo quanto o de Austin.

E o que se pode dizer de Hamilton? Um piloto completo que, sim, já está entre os grandes de todos os tempos, ao lado de Schumacher, Fangio, Prost, Clark, Senna, Piquet e Vettel. Vive uma fase espetacular e precisa, sim, de um rival à altura para que seus feitos sejam ainda mais grandes. O único que pode de fato enfrentá-lo nas atuais condições é Vettel, e a F1 e todos nós agradeceríamos encarecidamente se a Ferrari melhorar o passo necessário para que isso já ocorra no ano que vem.

No fim, o GP dos EUA deu aquela injeção de ânimo de que a F1 pode ser um lugar divertido, tal qual a MotoGP e sua polêmica entre dois grandes campeões — mas que colocaram Rossi num patamar de Schumacher em Mônaco-2006 parando na Rascasse durante a classificação —, a F-E e sua estreia em Pequim e a debatida Nascar em Talladega. O fim de semana de esporte a motor foi o melhor do ano. E a gente escreve isso com um sorriso aberto.

9 comentários

  1. Fernando Kesnault disse:

    Hi amigo…me desculpe, mas aqui foi o unico caminho que encontrei para tecer alguns comentarios…e então ja começo com o primeiro (kkkkkk) coloque um “fale conosco” nesse sitio (site), é uma forma de interagir, sei que isso nao é costume dos brasileiros, mas nunca é tarde pra aprender algo bom….

    Segundo, podiam dar mais atenção às categorias de GTs e de Turismo pelo mundo, pois so a GT a nível internacional e nacionais com padroes internacionais temos 21, isso mesmo….21 categorias da PWC, da BSS, da BES, etc. com lindos carros, boas equipes e otimos pilotos que nao deve em nada as categorias de monopostos que parece ser o carro-chefe de vcs.

    Quanto às de Turismo, temos a V8 Supercars, WTCC, até a nova TCR Series que estreou esse ano, sempre recheadas com otimas disputas. Entendo que talvez, haja falta de pessoas que sabem falar com autoridade sobre as mesmas, e acredito que essa seja a causa maior. Assim, quero que se lembre que nao estou “brigando com vcs e sim dando um alerta pois o Brasil esta sempre atras em inovações e curiosidades e pesquisa porque nao temos talvez essa capacidade de iniciativa para tal empreendimento.

    Espero que vcs consigam se alçar num bom patamar de informações, mas ainda tá devendo muito e se lembrem automobilismo nao é feito so de f-1 e monopostos, ha mais categorias por aí…muito mais…e dar uma noção aos aficcionados sobre elas é uma obrigação de um bom especialista. Contem sempre comigo.

    Abraços.

  2. André Fonseca disse:

    Victor,

    A cobertura dos atentados em Paris feita praticamente “ao vivo” pelo Grande Prêmio foi excelente, e de uma sensibilidade ímpar.

    Parabéns!!!

    Aguardo algumas palavras sua aqui no blog…

  3. sandro disse:

    Victor, você está meio sumido do seu Blog mas preciso dizer que o site, em cada matéria, deve ter o espaço para comentários, fica mais interativo com os leitores do grande premio. abraço.

  4. Renato F1 disse:

    Eu quero ver a Se Ferra-ri disputando o último lugar com a McLata-Sem-Honda. Principalmente, porque a Manor Marussia Mercedes não vai ficar lá atrás ano que vem.

    Aos choradores da Red Bucha, obrigado por assistir a mais um título da Mercedes! E acabarem com aquela propaganda horrorosa de motor campeão! A máscara caiu! Só ganharam de 2010 a 2013 porque Adrian Newey construiu um avião de cabeça para baixo!!!

  5. Eduardo disse:

    O moto hoje foi fraco, a corrida acabou depois da sujeira do Rossi,a F E foi boa mas preocupante com o Boemi podendo fazer o mesmo que o Hamilton e parece que a Mascar parece pegar fogo depois de um ano morno para o padrão da categoria, o Sainz é bom mas o Vestappen está em outro nível e na história da Toro só perde pro Vettel

  6. Ricardo disse:

    Sem dúvida um grande texto e falou tudo Victor o que pensamos não só sobre o fim de semana icônico mas também sobre os pilotos que já deveriam ter deixada a F-1 pois nada acrescentam em termos de competição. Rosberg, Alonso, Raikkonen já deveriam mudar de ares…. Ao próximo GP do México que a coisa tá ficando divertida de assistir, finalmente!

  7. Francês disse:

    Só esqueceu o principal, Hamilton teve muita sorte, 2 vezes. Vettel teria ganho a prova caso Kvyat não tivesse acionado a amarela, e depois Rosberg. Não fosse a barbeiragem russa Vettel teria batido as duas mercedes partindo de 13. Ninguém viu, ninguém fala, mas a Ferrari vem ae, e vamos ver se Hamilton encontra um Vettel tão arregão quanto Rosberg, e se consegue controlar os nervos quando não tiver mais o melhor carro isolado.

  8. Thiago disse:

    Essa F1 que mantém pilotos por tanto tempo não tem ajudado a oxigenar o grid, isso é um fato.

    Rosberg já está no 5º ano de Mercedes, e não vai virar nada. Kimi esquenta um banco de Ferrari, comparado ao que pelo menos uma dúzia de pilotos poderia tentar, acho que os dois não precisavam continuar em seus times, prováveis protagonistas do próximo ano.

    O Massa ´parece ser muito útil à Williams compondo o time e tal, mas também não permite grandes sonhos (o Massa quase campeão de 2008 morreu com a mola, embora ele esteja pilotando bem).

    Já com relação aos experientes e ótimos campeões da McLaren, confesso que me compadeço. Torço pra que ambos ganhem e tenham a paciência e a perseverança recompesadas.

    • luigi disse:

      Thiago ,parabéns pelo seu comentário ,um dos mais sensatos que eu já tenha lido nestes últimos tempos. Pena que você não seja do time da maioria que gostam de dar pitacos ,mas com certeza se continuar com esta linha será, ao meu ver um dos melhores e dos mais inteligentes quanto a análises desprovida de estúpidos arroubos de torcedores prós ou contra este ou aquele piloto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>