MENU

28 de maio de 2017 - 22:45F-Indy

Indy 101

20175281935634_CH3_5563_DR

 

SÃO PAULO | Sato. Ali na Andretti, era o ‘underdog’ ao lado de Marco, o filho do dono da equipe. Mas como todos os carros, inclusive o de Alonso, andavam bem, descartá-lo seria um erro. É que Sato sempre foi o piloto do quase que fica no muro. Ele fez por merecer este estereótipo. Quase em fim de carreira, arrumou um lugar no time só porque o motor foi trocado de Chevrolet para Honda. É o produto da montadora japonesa que perdeu a corrida de 2012 na última volta, afobado, para Franchitti. Sato chegou a se afobar em uma tentativa de ultrapassagem sobre Alonso na linha de chegada. Mas com a derrocada de alguns tantos que usavam o mesmo problemático propulsor, soube ir para cima dos rivais.

É provável que Sato não ganhe mais nada na Indy, e nem precisa. Seu rosto nipônico vai estar exposto na Borg-Warner. Seu nome vai estar escrito como o maior piloto japonês/asiático da história. Sua história, aos 40, muda. Não é nesta idade que começa a vida? É um lindo recomeço para quem passou a ‘velha’ vida sob desconfiança.

Castroneves não tinha carro suficiente para passar Sato. Aqui cabe uma impressão, e não informação: creio que seja a última temporada de Helio como titular regular da Penske. Há alguns projetos da equipe no endurance que o brasileiro e Montoya devem abraçar. E Castroneves, ao meu ver, faria como o próprio Juan Pablo fez este ano: aparições apenas em Indianápolis. O serviço de Helio ainda não terminou nesta pista. A quarta vitória, para se igualar aos maiores, tem de vir.

A sequência de Kanaan na Ganassi e na Indy vai depender dos seus resultados. Que não têm vindo em circuitos mistos/de rua e dependem muito destes ovais, onde ele tem andado no ritmo de Dixon. Outra impressão: se não for a última temporada, é a penúltima. Então só lhe restaria mais uma chance para ganhar lá. A declaração emocionada de que pôde ouvir o público gritando assim que assumiu a ponta é quase um agrado de que é desfecho maravilhoso por sua passagem no Speedway.

Mas a Indy 500 girou em torno de um piloto da F1 e soube explorar bem isso. É certamente a edição que maior audiência alcançou em nível global. Todos nós estávamos ali na empolgação para ver quando é que Alonso assumiria a liderança das 500 Milhas saindo da quinta colocação. Mas aí ele, que nunca havia largado lançado numa fila a três, caiu para nono. Foi passando um punhado aqui e ali, e antes do primeiro quarto da prova, lá estava o carro #29 liderando as ações. Mas é Indianápolis.

Indianápolis não é um lugar que se explica por palavras; ele se expressa por emoções. E a empolgação oscila com o assombro — como no acidente de Dixon com Howard ou no big-one do fim da prova que envolveu Hinchcliffe, Newgarden, Power, Davison e Servià — e atinge a cólera — como no motor estourado do próprio Alonso. A gente queria que Alonso cruzasse aquela linha de chegada, brigando com Sato, Castroneves, Jones e Kanaan, e quando não deu, foi figadal e exposivo ao criticar a mesma Honda que causa traumas não só a Alonso.

Mas no fim, nós somos Indianápolis e as emoções que gritam, lamentam, vibram e socam o ar, xingam, exageram, comemoram e depois se refazem. Indianápolis sempre mexe com quem realmente ama automobilismo. Pena que só tem outras 500 Milhas no ano que vem. Mais pena ainda de quem não entende ou não gosta de corrida.

9 comentários

  1. Fabio disse:

    Sou grande fã deste jornalista oriundo da zona norte de São Paulo Victor Vanny Martins, e o Téo José acertou na mosca ! Parabéns pela cobertura sensacional como sempre da GP ! Abraço !

  2. Miguel disse:

    Espero que o intercâmbio entre pilotos e equipes das fórmulas 1 e Indy aumente nos próximos anos. Seria muito bom para as duas categorias.

  3. Vanderlei Silva disse:

    Agradeço a vcs pela cobertura sensacional realizada pelo Grande Prêmio. Era nítida a empolgação pela presença de Alonso, este “homem maravilhoso”. Mas em nenhum momento vocês me alienaram. Td q soube de Indianápolis neste mês, a fonte foi o Grande Prêmio. Junto c vcs, fiquei indignado com tantos carros Honda fazendo a prevenção da dengue, espalhando o seu nipônico fumacê. O “case” Grande Prêmio no jornalismo deveria ser + estudado pelos novos (cada vez menos) jornalistas que se formam a cada ano. Muitas redações deveriam aprender com vcs. Valeu, até a próxima e… cuidem-se bem! kkk

  4. Fabiano disse:

    Temos que solicitar averiguação disso ai, Téo José sabia de algo que nós não sabíamos.

    • Lucas disse:

      Hahaha! Verdade, mas se assitir ao Paddock GP#79 outra vez, ele fala do Hélio também. E foram os dois que disputaram as voltas finais.

      Victor, cá pra nós leitores: foi tu ou o Berton que lançou aquele lindo e estrondoso “VTNC HONDA” lá no Twitter do Grande Prêmio? Tiraram da boca do ÀS a vontade de esculachar com a Honda! Que momento!

  5. CorredorX disse:

    O acidente do Dixon me fez questionar se realmente adianta falar em segurança na Indy ou se tudo se resume ao velho “não era o dia”.

  6. iron disse:

    Muito boa corrida.. Só me passou uma impressão estranha de trechos da arquibancada vazios quando das imagens panorâmicas. A Indy é um espetáculo, porém, acho que perdeu muito público nos EUA nos últimos anos…

    • Stefano disse:

      Pior que os ingressos não são tão caros principalmente quando comparados com outros esportes americanos. O que pesa um pouco são os hotéis na região de Indianapólis, porém mesmo assim estou programando assistir a Indy 500 em 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>