MENU

25 de junho de 2017 - 18:32F1

S17E08_AZE3

2017625164327_M71728_DR



SÃO PAULO | Toda vez que a gente vê uma corrida maluca, acha que é a mais maluca dos últimos tempos. Geralmente porque o resultado é fora dos padrões ou porque elementos inesperados surgem. Aquele GP da Alemanha de 2000 e o GP da Inglaterra do padre irlandês, ambos vencidos por Barrichello, ou aquele GP do Canadá de 2012 que Button venceu na última volta depois de cair para último vêm à cabeça facilmente. Mas este do Azerbaijão, caras… esse do Azerbaijão vai ser difícil de esquecer. Eu queria viver eternamente neste GP do Azerbaijão. Queria que o GP durasse o domingo todo só para o Fantástico não ter que resumir o que aconteceu hoje a menos de 2 minutos. Queria encontrar o que é amar em Baku.

Quero aqui relembrar os cinco embates que o Azerbaijão vai marcar em definitivo daqui para frente, numa ordem quase cronológica dos eventos:

1) Sainz × Kvyat: o primeiro não quer mais ficar na Toro Rosso; o segundo só tem a Toro Rosso porque ninguém na F1 o quer. Aí eles promovem o pastelão: o afobado russo escapa na curva 1, volta para a pista e assusta o o assustado espanhol, que roda bisonhamente. Este passa a reclamar do outro.

2) Bottas × Räikkönen: os dois são finlandeses, vêm de um lugar que os torna frios ao mundo comum de beijos e abraços, falam a mesma língua e não se entendem. No caso de Kimi, é bem possível que ele sequer goste ou, ainda mais, saiba quem é Valtteri. Os dois não demonstram ter qualquer proximidade ou intenção de serem próximos. Uma frase de Räikkönen via rádio elenca bem: quando a zorra começou a ser formada nas amarelas, Kimi quis saber se “o mesmo idiota” tinha sido punido pelo incidente entre os dois na curva 2. De Valtteri, nada se ouviu. Ficou feliz demais com o segundo lugar conseguido na linha de chegada.

3) Ocon × Pérez: se o segundo não tivesse sido tão cabeça-dura em Montreal, não teria atiçado o primeiro a ponto de, na primeira oportunidade, considerá-lo como rival e não mais um companheiro. Esteban não hesitou em partir para cima quando Sergio perdeu posição após uma relargada. Ou um ou outro fatalmente venceriam a corrida, vide o que aconteceu com os dois primeiros colocados da prova até então. A Force India vai ter trabalho para domar estes dois.

4) Wehrlein × Ericsson: os dois de fato não gostam de seus companheiros – foi assim com Ocon e Nasr no ano passado, respectivamente. Normal, então, que já criassem um clima nada favorável na Sauber. Some-se a isso o climão da semana que culminou na saída de Monisha Kaltenborn e que demonstra que a nova gestão da escuderia quer privilegiar o piloto que menos tem talento. Ambos tiveram um choque em que os carros literalmente encaixaram.

5) Hamilton × Vettel: bom, uma hora o caldo iria entornar, conhecendo a personalidade dos dois. Hamilton nunca teve uma disputa de título simples e na pista, sem divergências e polêmicas. Vettel é um contumaz reclamão e hoje revelou uma faceta além: a do descontrole. Desta, falo mais abaixo.

O rebu da primeira volta entre os nórdicos promoveu a Vettel o segundo lugar – mas em nenhum momento propriamente houve briga com Hamilton enquanto os dois se mantiveram nestas posições –, alçou Pérez ao terceiro, Verstappen ao quarto e Ocon na sequência. Ricciardo estava atrás das Williams, Massa e Stroll, na ordem, apagado. As primeiras voltas foram em banho-maria, quase relembrando a prova macambúzia do ano passado. Aí o pessoal tomou um coquetel potente de drogas lícitas a partir do momento em que o SC foi acionado para remover o carro de Kvyat.

Já na primeira relargada, Hamilton estava hesitante. Perguntou via rádio quanto era o espaço máximo que deveria deixar para o SC para não ser punido. Ouviu que eram dez – saberia se lesse o regulamento. Por pouco, não passou o carro de Maylander que se dirigia aos pits. Veio uma nova amarela porque a pista ainda se fazia um latifúndio de detritos. E, então, a briga de trânsito com Vettel.

Mesmo com a telemetria desmentindo, uma imagem me parece clara no caso: a on-board de Pérez. Ali em terceiro e levemente distante de Vettel, aproximou-se rapidamente do alemão no contorno daquela curva. Ainda, naquele GC que a FOM transmite, chega a haver uma imagem que aponta o vermelho dos ‘brakes’ acionado. Proposital? Não parece ter sido. Desnecessário? Sim.

Aí Vettel se traveste de italiano e vai para cima num ato impensado. Para quem gosta de briga e começa o ‘iéééé’ no intervalo da escola, é um prato cheio. Tem ainda quem resgata os anos trololó para falar que isso é F1 e que o resto é mimimi. Cêis vão me desculpar, mas eu não posso aceitar uma postura dessa de um cara como Vettel nem se James Hunt baixar aqui numa mesa branca bem feita; se fosse de Palmer e do Stroll das últimas sete corridas, vai lá, mas o cara se mostrou um desequilibrado. Proposital? Muito. Desnecessário? Totalmente. É que por ser Vettel, a punição ficou em 10 segundos. Ficou barato. Feio e barato demais.

Enquanto a direção de prova decidia o que fazer na bandeira vermelha que surgiu, era Massa quem aparecia em terceiro numa prova irretocável, com várias ultrapassagens e livre dos problemas. Mas a zica que assola Verstappen também espirra em Felipe. A suspensão foi pro saco. O carro começou a vibrar. E o pódio que viraria vitória se foi. É um pecado. Seria espetacular ver Massa ganhando, provavelmente a última da carreira. Por tudo que fez na F1 e representa, pelo papel na Williams, pela história toda. Difícil que uma corrida desta se repita.

Foi aí que veio o pulo de Ricciardo. Jantou Stroll com farofa e o problemático Massa e foi rumo à vitória.

Hamilton seria o ganhador se houvessem prendido corretamente a proteção do cockpit que ele tentou levar por duas voltas segurando com a mão. Mas aí é uma questão de segurança, e o silver-tape entrou em cena. Vettel cumpriu a punição e voltou bem à frente.

Magnussen e Ocon chegaram a flertar com o pódio, mas não tinham carro o suficiente para superar o renascido Bottas, Vettel e Hamilton. No fim, Valtteri foi premiado com o segundo lugar ao passar um hesitante Stroll – ninguém me tira da cabeça que o moleque desacelerou em algum momento na chegada para comemorar com a equipe e perdeu a posição. A velocidade de Bottas, mesmo com asa aberta, não era tão maior que a do moleque assim para vir naquele embalo.

De qualquer forma, Stroll estreou neste fim de semana na F1. Classificou-se melhor que Massa e não cometeu erros cruciais. Também não acho, muito longe disso, de ter sido o melhor da prova. Mas sabemos todos que seu pódio se deu nas mais absurdas circunstâncias. Há uma evolução, OK, mas nada que permita dizer que a chave esteja totalmente virada.

Tudo posto, vieram as reações pós-corrida. Hamilton lançou um “se ele quiser ser macho, que mostre fora da pista” para Vettel. Que devolveu com um “a F1 é para adultos”. A 5ª série que há nas pessoas se manifestou com gosto. E apimenta uma relação que parecia amistosa, respeitosa e cordial. Na loucura de Baku, a faísca virou fogo.

E agora existe uma rusga que vai incendiar os boxes de Ferrari e Mercedes. Com colaboração dos coadjuvantes.

10 comentários

  1. Mario Dourado disse:

    Victor, acho que o Stroll não deu mole na última volta não… a diferença foi de carro e piloto mesmo.
    Bottas fez a volta mais rápida dele na corrida na última volta (1:43.925), o Stroll fez a última volta em 1:45.375 sendo que a melhor dele na corrida foi de 1:45.108, ou seja uma diferença muito pequena pra justificar essa desacelerada para comemorar.

    Se ele, Stroll, repetisse a melhor volta dele, ficava com o segundo.

  2. Bravo disse:

    Fantástica corrida. Temos vários embates importantes e que acertadamente foram citados na matéria. Destaque para o garoto Ocon, que corrida após corrida vai se destacando como talentoso e ganancioso piloto. Devemos ficar de olho nesse moleque. Quanto ao problema de Vettel e Hamilton… Bom, assisti a corrida com o grupo de amigos do kart e na mesma hora do ocorrido, todos, sem exceção, apontamos a atitude covarde de Hamilton como “break test”, tão comum no kart… telemetria analisa a freada somente neste ocorrido, mas quando olhamos com olhares atentos de “corredores” o momento em que aconteceu a frenagem, somado à distância para o Safetycar, fica clara a atitude. Já Vettel, fez o que a grande maioria de nós assumiu que faria diante disso, tirou satisfação no momento e motivado pelo calor do mesmo. Atitude clara e transparente. Errado? Sem dúvida. Verdadeira e genuína, também. Hamilton tem que curar urgentemente sua “doença do ego”, pois enquanto ele parece se preocupar em gerar constrangimentos para Vettel na imprensa, o Alemão segue duro como uma rocha e caminha para um sólido e histórico pentacampeonato. Hamilton é tão fã de Senna que segue a regra fielmente dos outros fervorosos fãs do mesmo com um inútil e nada prático “bom mocismo” preocupado demais em alimentar a imprensa. Acorda, rapaz, que enquanto você popula seu facebook com falácia, o outro rapas da quinta série tá tirando 10 em todas as matérias e conquistando as garotas mais belas. Abraço!

  3. etienne magalhaes disse:

    Excelente resumo da corrida Vitor, mas gostaria de perguntar se existe alguma possibilidade da Ferrari orientar o Kimi a se envolver em algum acidente com o Bottas para deixar o caminho livre para Vettel, exatamente como ocorreu, ainda que ninguem tenha especulado algo dessa natureza?

  4. Eric M. Souza disse:

    Pior que as tretas são dos dois pilotos das equipes principais: a velha treta Kimi x Bottas e agora Vettel x Hamilton.

  5. Rodrigo Aires disse:

    Os 2 são 2 crianças mimadas, isso todo mundo sabe. O Hamilton não é nenhum santo, porém nesse caso, digamos que tenha sido intencional, quem errou e muito foi o Vettel por aceitar a provocação. O Vettel vive no rádio reclamando dos outros, xingando, e nesse caso era ter feito isso, afinal de contas é a Ferrari e ele é o Vettel, com certeza uma chamada pelo menos o Lewis levaria. Em nenhum momento passou pela cabeça do Vettel que ele poderia quebrar o carro, abandonar e daí o Hamilton não só assumiria a liderança, como abriria vantagem no campeonato. Para um piloto tetracampeão mundial, foi uma atitude bizarra, amadora, infantil (junta com o balança, chacoalhar, sacudir do Massa, dá uma baita letra de axé hehehe). Enfim, o Vettel tá sentindo o campeonato ficar complicado e nervosinho desse jeito, o tetra do Hamilton vem antes da última corrida.
    E só pra terminar, tive acesso ao diálogo entre os 2, no momento do toque lateral:
    Vettel: Vai tomar no meio do seu Baku, filho de um Azerbaijão!
    Hamilton: Azerbaijão é o teu Baku!

  6. Arthur disse:

    Contra fatos (telemetria) não há argumento. Hamilton não fez nada fora das regras, fez igual a largada anterior. Se há algum questionamento, que sejam das regras e não da atitude do Hamilton. Ficou extremamente barato para o Vettel.
    Não entendo (sarcasmo) como um piloto que joga o carro no outro, numa atitude totalmente antidesportiva seja julgado apenas como direção perigosa.

  7. Pedro disse:

    E também tem o duelo Massa x Verstappen x azar

  8. Marques disse:

    Hamilton não fez nada de errado.
    Redução de velocidade normal de quem está para relargar, a telemetria mostrou inclusive.
    A reação do alemão foi uma desgraça, uma vergonha, deveria ter levado bandeira preta.
    A reação dele depois da prova foi mais vergonhosa ainda, não admitindo que jogou o carro no inglês. Perdi o respeito totalmente pelo piloto.

  9. Jimmie Johnson disse:

    Vettel virou piloto de Nascar

  10. Claudio disse:

    Corrida excelente, que derruba certos pensamentos que muitos de nós que curtimos automobilismo temos. O primeiro é de que uma pista ruim não tem corrida boa. Na verdade, as circunstâncias é que tornam a corrida, seja num circuito bom ou ruim, interessante de se assistir. O segundo é a pressa em se queimar ou alçar pilotos a nível de gênio. Stroll fez uma corrida honesta, inteligente, escapando dos problemas. Invariavelmente, todo piloto que chega a F1 na base da grana sofre um preconceito da imprensa que passa isso para quem acompanha a categoria. Pra ficar só em um exemplo, Perez. Ocorreu o mesmo quando ele estreou em 2011. Não quer dizer que nenhum dos dois sejam espetaculares, longe disso, mas são pilotos muito mais dignos do que as piadas ofertadas por boa parte da dita mídia especializada. Terceiro, acho uma bobagem tremenda culpar um lado ou outro pelo incidente Hamilton x Vettel. Até o ser humano que já utilizou um carrinho de supermercado na vida sabe que algumas situações são estressantes, claro que o que Vettel fez depois não é legal, mas é muito mais interessante e bacana de se ver um Vettel que não vai afinar pra Hamilton, muito diferente do que Rosberg fazia até o último ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>