MENU

15 de abril de 2018 - 5:21F1

S18E03 China 2

DazzjPwWkAAOx2Q

SÃO PAULO | Abro este post agradecendo Gasly. Este homem que na semana passada foi lindamente quarto colocado estava numa tiriça daquelas com essa Toro Rosso caixinha-de-surpresa. No começo da corrida, precisou da ajuda da equipe para trocar de posição com Hartley e ganhar a importantíssima 18ª posição. Depois da parada nos pits, caiu atrás do companheiro de novo. Daí foi tentar uma ultrapassagem — ou, sei lá, deu um tilt qualquer na hora —, bateu no parça, jorrou detritos na pista, safety-car.

Santo safety-car. Salvou o GP da China. Que vinha numa tiriça tipo a de Gasly. Virou um corridão a partir da volta 32/56.

Aos trabalhos: Räikkönen até largou melhor que Vettel, mas foi otimista em achar que teria algum espaço para tomar a ponta. Foi o que lhe fez, inclusive, cair de segundo para quarto e promover a única mudança entre o trio-de-ferro. Aliás, aí se formaram duas combinações de Ferrari-Mercedes-Red Bull sem que houvesse qualquer proximidade e briga por posições até a volta 18, momento em que Verstappen e Ricciardo foram aos boxes conjuntamente. Na 19, foi a vez de Hamilton; na 20, Bottas; na 21, Vettel.

Essa volta de diferença pôs Bottas na primeira colocação. A moscada que deu na estratégia levou, puxa vida, a Ferrari sacrificar seu segundo piloto. Räikkönen ficou na pista até que os dois outros se aproximassem. Tudo para que Vettel colasse em Bottas e ficasse numa distância de 1s, aquela que permite o de trás abrir a famigerada asa traseira. Não resolveu muito. O alemão tentava, o finlandês resistia.

Deu-se o choque entre as Toro Rosso. Levou um tempinho até que a direção de prova visse aqueles pedaços azuis metálicos esparramados. Acionou o SC. Naquele momento, Bottas e Vettel contornavam a curva para entrar na reta principal e nem tinham como reagir a qualquer chamado dos boxes. Quem vinha atrás, sim. Foi a vez de a Mercedes comer bola. Hamilton foi mantido na pista. E aí a Red Bull foi ligeira demais e não hesitou em trazer sua dupla de novo para trocar os médios pelos macios.

Com pelo menos 20 voltas pela frente, a Red Bull claramente vinha para a dobradinha. Porque os demais estavam com os piores pneus e bem usados.

A chance clara era de Verstappen. Só que na primeira oportunidade que teve, o holandês quis passar Hamilton para ganhar a quarta posição no pior momento possível — por fora no trecho do S da pista chinesa. Acabou indo para fora e entregando a posição para Ricciardo. Que tem cabeça, habilidade, experiência, coração, arrojo, beleza e o amor do mundo. Passou Hamilton, passou Vettel e passou Bottas — com certa dose de emoção. Primeiro, e já era.

Ricciardo ensinou ali na frente o que Verstappen deveria fazer. Porque Max fez tudo errado. Depois de superar Hamilton na segunda tentativa, foi tentar arrumar um lugar para passar Vettel e deu no alemão. Foi punido. Caiu para trás de Hamilton de novo, indo para uma terceira tentativa, enfim bem sucedida.

Hoje, Verstappen fez de seu arrojo limitação e burrice.

E a pena de 10s foi branda demais para Verstappen. Beneficiado com os pneus mais novos, acabou recuperando a diferença na pista e terminou não só à frente de Vettel como também de Hülkenberg — que também se valeu do SC e parou duas vezes. A FIA, que é pródiga em puxões de orelha, passou a mão. Era caso para drive-through.

Vettel caiu tanto de rendimento que até Alonso tirou uma casquinha. Acabou em oitavo e por pouco não perdeu posição para Sainz.

Aí veio a bandeirada, a vitória linda daquele homem lindo, mas os olhares estavam ali nos boxes para o esperado encontro entre Verstappen e Vettel. No fim, o primeiro foi lá, puxou o outro, pediu desculpas, nada mais acalorado surgiu e a vida seguiu. Não deu tempo nem de pôr a pipoca no micro-ondas — até mesmo porque não curto muito pipoca.

E Räikkönen? Com pneus médios bem mais novos que Bottas, não conseguiu ameaçar propriamente o compatriota. Ficou ali mesmo em terceiro, sonolento, quase que merecendo o tratamento que a Ferrari claramente lhe deu neste domingo.

A F1 tem um sério problema a resolver, que é o de ultrapassagem. Já que o Liberty Media gosta de um entretenimento, que coloque uns SC obrigatórios quando convier. Aí a corrida fica legal.

Três corridas, três histórias para contar. O campeonato agradece, já que deu uma embolada. Vettel só tem 9 pontos de vantagem para Hamilton. E a Mercedes ainda não venceu. Realmente, tudo bem diferente do esperado.

13 comentários

  1. fernando nogueira disse:

    fala Vitor, boa tarde
    A ex-prefeita de Ribeirão Preto foi condenada a 2 anos de prisão por irregularidades na vinda da stock car para ribeirao preto, a vicar tambem esta envolvida no assunto

  2. Gabriel P. disse:

    Safety car é pouco.
    Deveriam é obrigar os carros que estão na frente (até a 10a posição na metade da corrida) a terem 2 trocas de pneus no minimo.

  3. joao calango disse:

    Se eles ouvissem os fãs, talvez tivessem ideias para melhorar as ultrapassagens, por exemplo, deixar o DRS livre para uso em toda pista e a qualquer momento do piloto sem necessidade de autorização da F1, hoje em dia, depois da largada ou relargada a F1 libera o uso depois de umas três voltas, eu acabaria com isso.

    Empunharia um limite de RPM para os vencedores de corrida ou um limite maior de pneus, assim os vencedores precisariam poupar equipamento na próxima corrida.

    Uma regra que pensei em aplicar na F1 seria impor dois Pitstops para os 5 pilotos mais bem classificados na corrida, enquanto o restante do grid apenas um pit obrigatório.

    Assim, na minha visão, teria uma variação maior de vencedores e claro mais ultrapassagens.

  4. Pedro disse:

    Preferia a F1 dos anos 80 e começo dos 90. Tinha piloto que rodava, batia, passava por fora e não tinha essa choradeira dos infernos. SC, só em casos muito graves. Os caras ganhavam na pista, não nos boxes. Corrida hj em dia, só dá sono. Tento até ficar acordado, mas não tem jeito.

  5. Julio disse:

    Nessa corrida o Verstapen foi um misto de De Cesaris, Victorio Brambilla e Pastor Maldonado. Pqp, vá fazer cagada no inferno!

  6. Charles Câmara disse:

    Quero ver agora a mídia ficar elogiando esse cara de feto irresponsável.

  7. Alexandre disse:

    O Gasly não fez manobra parecida com a do Verstappen? A punição foi a mesma?

  8. oliveira disse:

    o safety car tá no regulamento. se precisa limpar a pista por causa de detritos ou remover um carro em local perigoso tem de ser acionado. mas o público em geral prefere que a direção de prova deixe a procissão continuar. só a bandeira amarela em determinadas condições não é suficiente e sabemos disso há muito tempo

  9. Marcio disse:

    Victor,
    Sei que irei arrumar confusão, mas, o pessoal acha que esse Max vai ser alguma coisa?
    Digo isto, pois, o cara só faz trapalhada e a galera abranda as burradas do verstappen, enquanto isso o Riccardo pilota sempre como um campeão.

    • Gabriel P. disse:

      Penso a mesma coisa, o sujeito jamais vai deixar de fazer burradas.
      E se acaso deixar, perderá toda a competitividade.
      Para o público é até legal, mas para quem está perto dele durante as corridas será sempre um terror.

  10. Drigão Henriques disse:

    Aumentar a janela para 2 segundos é uma opção da asa móvel que vai ajudar a recuperar posições quem perder e manter os carros mais pretos , por causa da turbulência, esse 1 segundo só funciona na reta .

    Outro fato e na formula inter tem SC obrigatório e da certo e na indy qualquer coisa eles colocam o SC , a formula 1 só coloca em último caso , enfim e isso
    Sou piloto , e lhe afirmo , os pilotos amam isso .

  11. Weimar Oak disse:

    Na China, Ricciardo provou que é muito melhor que Verstappen. Pilotaço!

Deixe uma resposta para Gabriel P. Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>