MENU

17 de fevereiro de 2014 - 11:28A várzea de rodas, Automobilismo brasileiro

A várzea de rodas, 18

SÃO PAULO | Durou exatamente 20 dias a parceria entre a F-Truck e a GT Pro, nova nomenclatura da GT Brasil, depois Campeonato Sul-americano de Gran Turismo – categoria que vem sucumbindo depois da saída de Antonio Hermann de seu comando pela armação contra sua equipe BMW na etapa final de 2012 em Interlagos. Na última quinta, a assessoria do grupo dos caminhões emitiu um comunicado em que alega “dferenças de perfil entre as duas categorias” e “impossibilidade de alinhamento comercial entre os patrocinadores dos dois campeonatos” para a dissociação. Segundo a presidente Neusa Navarro, a Truck preferiu “não causar nenhum tipo de problema a nenhuma das duas categorias e a seus patrocinadores neste momento”.

Primeiro que salta aos olhos a dúvida: se havia diferenças de perfil entre as categorias, por que cazzo a aliança cogitou ser realizada? E como questão complementar, ninguém havia notado que haveria um eventual conflito comercial entre patrocinadores?

Momentos depois, Marçal Melo, um dos pilotos que estava por trás das negociações em nome da GT Pro, postou em seu Facebook que não iria “passar recibo de idiota”, relatando um ponto interessante. “A GTPRO não tinha nenhum patrocinador, NENHUM, então vamos tratar com respeito e trazer a verdade às pessoas. Aqui ninguém é burro. Gostaria muito de saber então qual nosso patrocinador que inviabilizou a parceria”, colocou. Esse foi o tom da nota emitida pela GT Pro seis horas depois da primeira, onde foi relatado cronologicamente o “trabalho que começou pela iniciativa de um grupo de pilotos e profissionais da área automobilística, imediatamente após a etapa da Argentina do extinto Campeonato Sudamericano de Turismo, realizado em outubro do ano passado, quando a antiga empresa promotora abriu mão de suas funções junto à categoria”. “É inadmissível que todo esse esforço tenha sido em vão, e tudo o que foi conversado seja descartado de forma tão displicente, e unilateral”, citou o comunicado.

O caso começa a ser mais aberto no fim do mesmo. “Falando agora sobre a realidade dos fatos, é sabido que a F-Truck tem como uma de suas principais patrocinadoras, uma marca de cervejas pertencente a um grupo que já foi patrocinador da GT Brasil, há anos atrás. É sabido também que o relacionamento entre o grupo e a antiga empresa promotora não terminou bem, e que há rusgas dessa passagem até os dias de hoje. Tal situação, alimentada por um grupo de ex-pilotos que deixou a categoria após a saída da empresa patrocinadora, resultou em pressões sobre a organização da F-Truck para que a parceria fosse desfeita.”

Aos pontos: o investimento do Grupo Petrópolis e suas marcas no automobilismo sempre foi latente, mas foi questionado em 2011 porque foram verificadas irregularidades quando administradas pelos irmãos Faria – que repassaram as ações ao tio, Walter – e a agência de publicidade que cuidava da conta. Neste período, o então GT Brasil perdeu o patrocínio principal da Itaipava, e os lados passaram a ser vistos, naquele momento, como água e óleo. Pelo lado da F-Truck, um de seus patrocinadores principais vem sendo a Crystal, outra marca do grupo.

Ouve-se que a parceria proposta entre F-Truck e a GT Pro partiu “a pedido da CBA” e que a presidente Neusa abriu as negociações sem ter consultado antes as empresas que bancam a farra. A Petrobras, por exemplo, não entrou na história, mas não viu com bons olhos o laço. Nos bastidores, fala-se em duas versões para a separação da parceria: a primeira que algum ex-piloto descontente com a situação fez chegar ao Grupo Petrópolis a informação de que os irmãos Faria estariam por trás da nova GT – e, sem averiguação por quem de direito, foi aceita como verdade; a segunda, mais crível, que o veto surgiu assim que se soube do envolvimento de Marçal, que é um dos que estão na lista negra da empresa de bebidas junto com os Faria. Procurado, Marçal não se manifestou.

E é assim que a banda toca no esporte a motor destas terras, com CBA solicitando com seu carinho habitual, com amadorismo na condução de negociações de todas as partes e com briga de egos e picuinhas das mais diversas.

Adendo 1: dada a dificuldade de leitura e compreensão, reitero que os motivos da separação das categorias encontram-se no penúltimo parágrafo do texto acima. Sem ter de desenhar, os fatos: 1) a CBA pediu a parceria; 2) a presidente da F-Truck não havia consultado os patrocinadores; 3) um deles, o Grupo Petrópolis, ao saber, vetou a parceria pelos nomes envolvidos na organização do GT Pro. Mais fácil, amigos…

23 comentários

  1. Vinnie disse:

    Primeiro, quando fizeram a merda sabotando a BMW ninguém pensou nas consequências…
    Segundo, achar que esta categoria que se auto rotula ” Carros dos sonhos” é competitiva e equilibrada é brincadeira. Ano passado, ver meia dúzia de carros espalhados pela pista e ainda divididos em sub categorias foi rídiculo Ao invés de pensar em satisfazer um grupo seleto de empresários de meia idade que gostam de torrar dinheiro e brincar de ser pilotos, podiam investir numa categoria nacional, mais barata e acessível a pilotos de verdade também. Vai lá andar na Classic, a diversão e o prazer de correr são bem mais interessantes.

  2. AGS disse:

    VM..Boas tardes.
    Acho que a casa mãe C.B.A. deveria ser extinta…Já fez alguns ex presidentes uns ricos se achando, a começar pelo Turco mala cheia Bufaiçal, o cara saiu de Gyn com nada, mão atrás e a outra na frente, sem rumo…Arrumou um esquema.. fez a CBA ir até lá em cima..depois…………saiu e comprou uma fazendinha na GO 060 que liga GYB- BSB..Isso só um pouco dos investimentos do DR..Depois que saiu…só teve malas…
    Resumo….Deveriam acabar com a ISTOKI BOLHAS, CAMINHÃO, A OUTRA CATIGORIA DO ESPORTE A MOTOR..
    Podia criar 3 categorias, sendo ao menos, uma como base escola…com custos bem ,bem baixos…pois, em 3 anos, não teremos tupiniquins em pistas estrangeiras…
    Outra, que criem clubes regionais, sem ligação direta com o M.Esportes, pois a grana corre frouxa lá dentro..Carros de turismos temos aos kilos, é só uma ou 3 montadoras unirem e fazer uma big de categoria..ex: Ford novo Fiesta ou Focus, Honda..Civic, Fiat, como Punto, ou Brava ou até mesmo o Sienas da vida…
    Mas por favor, não chamem as figurinhas da istoki bolha e nem aposentados com TPM ..kk
    VM, VAI MANDANDO NO MELHOR BLOG DO ESPORTE A MOTOR DO PAIS.. o resto é só pataiada..rss

  3. Luiz Lourenço Dos Santos disse:

    O automobilismo brasileiro chegou a um ponto que está prestes a ir para o fundo do poço e sem volta e sem recuperação,quem é o culpado de toda essa lambança sem fim,é nada mais que nada menos o sr.cleyton pinteiro,presidente da cba,que pelo meu ver,se diz presidente da cba e esta sendo manipulado como se fosse um boneco de ventriluco que você vai perguntar alguma coisa sobre o esporte a motor e ele não sabe de nada e nem esta a par dos fatos que acontece dentro do orgão que ele proprio administra,a cba está sem rumo e sem comando,esse cidadão não participa dos acontecimentos e nem sequer ouve os afiliados,a coisa está grave e para piorar,o mandato desse cidadão vai até 2017,na última eleição,ele foi reeleito e as federações que apoiaram ele,estão sentindo na pele que ele não está nem ai e ele quer mais que o circo pegue fogo e de quebra,ele tira o dele da reta para que saia ileso sem nenhuma acusação,senhores,esta é a triste realidade que está acontecendo com o nosso automobilismo em geral,não tenho mais palavras para falar,só tenho que lamentar e assistir o triste fim do automobilismo brasileiro que está se acabando aos poucos na mão deste cidadão chamado sr cleyton pinteiro presidente da cba.

  4. Razor disse:

    Depois da palhaçada geral que foi aquela temporada de 2012 – especialmente a corrida final, ninguém quer mais associar sua marca à categoria dos carrões.
    Porque ali é tudo muito amadorístico.
    Primeiro expulsaram o dirigente que trouxe a categoria…
    Depois ele volta e saem os dirigentes-patrocinadores que o derrubaram…
    Aí o dirigente, que também compete, ajeita o regulamento para favorecer sues carros…
    Os outros concorrentes então armam para que os carros do tal dirigente não vençam…
    No final, todos perderam. E pelo jeito perderam tudo!

  5. Às vezes eu me pergunto… Será que esse tipo de coisa só ocorre no BraZil? O fato é que eu gostava muito de assistir a GT sei lá o que (todo ano o nome muda). Falta organização no automobilismo brasileiro. É tudo muito improvisado. Categorias vêm e vão a cada ano, pistas sem estrutura nenhuma, federações falidas e/ou inexistentes, falta de patrocínio e monopólios de transmissão (nos quais, às vezes, nem a transmissão acontece).
    É uma bagunça sem tamanho, em uma terra onde não existem mocinhos e bandidos.

  6. Marcelo Ramaciotti disse:

    Não há limites para o puxa saquismo. O povo acredita cegamente em quem só conhece pelo facebook. Parabéns pela matéria, Victão.

  7. Djalma Fogaça disse:

    Blza, otimo ano a vc também !

  8. Marcelo disse:

    Grande Victor!
    Excelente texto e muito esclarecedor sim.
    Nosso automobilismo com essa “administração de pinteiro” está indo bem!!!
    Vou escrever o que escrevi no Blog do Falvio Gomes – “Pelo que li e entendi, ridícula a “imposição” da Cervejaria.
    Sabemos que automobilismo e patrocinio andam juntos. Mas “jogar contra” fica difícil.”
    Pena dos donos das equipes da Truck, que cada vez mais ficam reféns destas marcas…
    É o nosso automobilismo “de papel”!
    Abraços,
    Marcelo

  9. Gabriel Pedreschi disse:

    Nenhum lado cheira bem nessa história… E o sr, como sempre, é um vendido e é o que fede mais, já que é um porcão.

  10. Djalma Fogaça disse:

    Legal, muito profissional, dizqmedizqmediz e não disse absolutamente nada .
    Grande informação !

    • Victor disse:

      VM responde: Não é tão difícil ler assim. Mas compreendo a dificuldade. Só ler o penúltimo parágrafo, cara. Abs.

      • Djalma Fogaça disse:

        Talvez não seja difícil na visão de um jornalista, mas do contrário, vc fez um joguinho de adivinhações, devia estabelecer um premio a quem marcar a alternativa certa!

        • Victor disse:

          VM responde: Desenhei lá pra você, Djalma. Se ficar mais difícil você “adivinhar”, não é difícil você saber a resposta certa. Abs.

          • Djalma Fogaça disse:

            Eu sei a resposta certa, inclusive na hora certa, mas penso q não sou eu q deveria saber quando a festa começou e terminou, né? afinal sou piloto e dono de equipe, só ! rsrs

          • Victor disse:

            VM responde: Sim, eu tava trabalhando, não festejando com vocês. Mas a festa não acabou bem, pelo que noto. Enfim, pena pro automobilismo brasileiro, mas dá pra entender por que tá assim. Abs.

          • Djalma Fogaça disse:

            Vc sabe q quem trabalha tanto feito vc, as vezes acaba perdendo uma informação como ela tem q ser dada, de repente se vc estivesse na festa, poderia saber alguma coisa no tempo certo . Divirta-se um pouco, não trabalhe tanto !

          • Victor disse:

            VM responde: A informação foi apurada e dada assim que ela surgiu, Djalma – quinta-feira em diante. Fui atrás de quem deveria pra confirmá-la. Eu não preciso te ensinar como apertar o parafuso do seu caminhão e vice-versa. Tô me divertindo, apesar do trabalho, bebo minha cervejinha quando posso – e, por coincidência, sem ser Crystal. Abração, cara, que venha uma grande temporada pra você.

        • Djalma Fogaça disse:

          Valeu, obrigado, ótimo ano a vc tbém !

  11. Pedro Rodrigo disse:

    Desculpe mais não concordo que exista essa lista negra do grupo petrópolis. Não estou no meio deste evento mais muitos amigos estavam. Lutaram esses últimos meses para não deixar o evento morrer. Não estou feliz com o rumo do automobilismo no Brasil e ainda com essa CBA que esta ai. Mais não podemos fazer nada alem de lutar para mantermos o Automobilismo no Brasil. E que hoje está se tornando uma tarefa quase impossível. Espero que em breve nosso automobilismo volte a fazer automobilismo. Mesmo que isso esteja dificil.

    • Victor disse:

      VM responde: Se você não concorda, aí é uma questão tua. Que ela existe, existe. E com 4 nomes principais.

    • Se não existe uma lista negra, o que temos então, afinal? Me contaram alguns nomes envolvidos nessa história e, vindo de quem vem essa atitude revanchista, não surpreende. O automobilismo brasileiro está crivado de gente trabalhando contra. Trabalhar a favor, que é bom, é coisa para poucos.

  12. Mauricio disse:

    Nunca antes o nome deste tópico é tão ligado a realidade.
    Realmente: Uma várzea de rodas!
    Lamentável!
    Jogar dinheiro fora por conta de picuinhas pessoais é muito! Muito! Muito! Estupido!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *