MENU

4 de abril de 2010 - 15:28F1

O GP da Malásia e seus pitacos

SÃO PAULO | Alguém subornou São Pedro, chamou o velho para uma biriba ou uma tranca, e ele esqueceu de ligar a ducha do fim de tarde na Malásia. Mas a chuva, a de ontem, foi a grande responsável para que a corrida da Malásia fosse movimentada, ainda que concentrada no quarteto da recuperação. Porque, pelo jeito, Sepang seria uma versão mais ajeitadinha do que foi Sakhir.

Falando do que foi, a prova causou impressões distintas. A quadra estava alinhadinha, ali, Hamilton, Massa, Button e Alonso, e só o inglês escalava o pelotão, enquanto as Ferrari e Button ficavam encaixotados pelo rendimento interessante das duas Toro Rosso. Nesta primeira parte da prova, era cabível imaginar que Hamilton destoava dos demais por seu arrojo e vontade, enquanto Massa e seus comparsas haviam optado pela comodidade da desculpa de que, com carros de igual motor, a ultrapassagem se fazia impossível. Mas bastou o impetuoso Hamilton cair atrás de um carro com Mercedes, Sutil, para que seu topete baixasse, ao passo que Massa, ainda que a duras penas, superou Button. No fim das contas, Hamilton, Massa e Button ocuparam de sexta à oitava posições, com dificuldades de ultrapassagem iguais. E não fosse a Ferrari de Alonso pifar, ali estaria o quarteto juntinho, de mãos dadas, como ontem.

Lá na frente, Webber entregou a vitória para Vettel na largada. Até imaginei que brigaria para retomar o primeiro lugar, mas fui bocó em semelhante pensamento. Rosberg, que julguei como favorito à vitória caso as condições do caos fossem repetidas, acompanhou as Red Bull de longe. Fez uma prova solitária, o alemão, sem ser ameaçado por este renascente Kubica com a ressurgente Renault.

Renault de Petrov, e esse russo é bem abusadinho. E confesso que fui um daqueles que bradou pela punição de Hamilton naquele vaivém desbragado que fez na frente do rival da KGB na reta principal. Como disse o narrador — e, portanto, é oficial  —, se fosse Petrov o autor daquele ziguezague, certamente a visita aos boxes por um drive-through seria protocolada em três vias.

Outro recém-saído das fraldas, Alguersuari, ficou só com dois pontos que poderiam ser sete ou oito. Um desempenho notável, com uma ultrapassagem sobre Hülkenberg, ali na curva 5, por fora, digna de aplausos, e uma outra, também, sobre o próprio Petrov. Sem contar que o espanhol chegou a fazer a melhor volta da corrida por parco instante. “Aprendi a arte da luta com Schumacher”, disse. 20 anos de uma bela personalidade. Jaimito, como diz à boca pequena Flavio Gomes, mostrou hoje que deve ser observado com melhores olhos.

E Sutil e essa Force India vão dar trabalho. Não foi a melhor aparição de Adrian na F1, mas certamente foi a mais constante e sólida. Não se intimidou com o melhor carro do amigo Hamilton ali atrás, e o quinto lugar já o pôs à frente do companheiro Liuzzi na classificação. A Force India é a melhor do resto. Hão de questionar, falar que a Renault está melhor. Não é verdade. É que Kubica tem tirado demais deste carro mediano.

Lá atrás, Di Grassi terminou sua primeira corrida. Bom por uma série de razões. A Virgin já resolveu aquele problema primário de tamanho do seu tanque de combustível, o carro já não apresenta tantas falhas, até está menos lento, etc. e tal. E terminou à frente das rivais debutantes, o que já é uma vitória. Senna também terminou, legal, muito bom, mas tomar 17 segundos de Chandhok não é lá muito normal, digamos assim. Decepção seria algo muito forte dizer, mas esperava mais do inteligente Bruno. E Barrichello, na contramão, não engatou a terceira na sequência de boas corridas. Pior, falou da “porcaria do carro que ainda não está legal”. 

Juro, eu até entendo Barrichello, suas palavras de humor, essa tentativa de descontração, do quase zombar de si mesmo. Só que aos olhos da sisuda F1, soa esquisito. Aos ouvidos de Frank Williams, Patrick Head e Sam Michael, que outro dia questionava o porquê de Rubens não ter sido campeão, serve como razão para se resgatar aquela imagem que muitos tem do brasileiro no paddock — da qual o próprio Williams comentou no ano passado, após aquele GP da Espanha em que Barrichello saiu indignado achando que tinha sido escandalosamente prejudicado na questão das paradas nos pits. Nesse tom mais de brincadeira, que ele permita que questionem sua porcaria de largada sem se queixar, sem achar que o mundo conspira contra. Num tom mais sério, seria válido observar que alguma coisa deve estar errada com ele, e não com sistemas anti-stall.   

Ao fim e ao cabo, como bem destacou o abutrino Ivan Capelli, não deixa de ser engraçado que Massa seja o líder do campeonato à frente dos três pilotos que venceram as corridas da temporada. “Nada muda no momento”, disse Felipe, sabendo que tem de mudar, sim. Primeiro, a Ferrari tem de deixar de ser besta e evitar erros como os da classificação. Segundo, tem de assumir que, se parecia a melhor na pré-temporada, está ligeiramente atrás da Red Bull e no mesmo nível da McLaren e de Rosberg — porque a outra Mercedes, a de Schumacher, ainda não disse a que veio. Massa tem 39, Alonso e Vettel tem campanhas iguais e 37, Button e Rosberg somam 35, Hamilton está com 31 e Kubica aparece com 30. Webber, em sua toadinha, com 24, deve se juntar ao grupo em breve, mas só deve fazer figuração. Três provas diferentes, mas que geram um resultado interessantíssimo. E com um G4, sai Schumacher, entra Kubica, que deve promover revezamentos prova a prova na classificação.

Vai bem, a F1 2010.

18 comentários

  1. DIogo Sorocaba disse:

    Pois é, Victor. Vacilo total da minha parte. Ao clicar na “pista mundial” acabei por entrar em seu blog. Lógico que não era o Gomes, portanto.
    Conquistou um leitor que não tem muita paciência para procurar novidades.

  2. DIogo Sorocaba disse:

    Victor, parabéns pelas certeiras ponderações. Bem percebi a diferença do texto. Não era o FG.
    Com respeito a seu chefe, apareça sempre.

  3. Emerson disse:

    A respeito de Hamilton, a punição realmente caberia ali? Lembro que essa proibição de mudança de direção acontece quando o adversário coloca de lado pra ultrapassar. Em nenhum momento Petrov colocou o carro ao lado do Hamilton. O inglês fez algo que ainda não tinha visto alguém fazer: ELE SAIU DA FRENTE do adversário para evitar o vácuo.

    Isso não colocou Petrov em risco algum e a punição é justamente pra evitar situações de risco.

    • Fernandao disse:

      Nao adianta Emerson, alem do que vc muito bem explicou, Petrov havia feito exatamente a mesma coisa na outra reta quando Hamilton tentava ultrapassa-lo.

      Assim como Galvao e Flavio, Vitor tambem assistiu outra corrida, e ficam falando, ha, se fosse o Petrov seria punido… FOI O PETROV e ele nao foi punido, e a velha historia de inventar historias, tem que falar do craque afinal, quem e Petrov?

      E todo mundo a repetir os papagaios, sao um bando de galvoes, isso sim?

  4. Maveco disse:

    Victor,
    Primeiramente, parabéns pela síntese, muito boa mesmo.
    Agora gostaria de te perguntar: Com todo o conhecimento de causa que tens, você acredita que o Alonso realmente andou a prova inteira sem embreagem? Particularmente, aceito que ele tenha tido algum problema, mas caso tenha sido o que foi divulgado, o Asturiano é um mágico e Felipe bem mediano, o que você acha?

  5. Marco Antonio A. Duarte disse:

    É realmente assustador o fato de Alonso afirmar ter andado aquilo tudo sem uma marcha e sem embreagem. Em Melbourne o Massa já levou mais de meio segundo. Se o que o Alonso falou é verdade ele deve ser de “outro planeta”, pois não acredito que a diferença entre os dois seja tão grande. Se for, é melhor o Massa ir corer de Rallye com o Raikkonen.
    Barrichello continua o mesmo. Culpa a todos e não assume seus defeitos e erros. No ano passado ele ficou parado no grid por três vezes e neste ano parou uma e a culpa é sempre do equipamento e nunca dele. Por quê isso não acontece com seus companheiros?
    Hamilton deveria ter sido punido pelo que fez com o Petrov.

  6. ANTONIO disse:

    ALONSO AGORA PEGOU EM BOMBA A FERRARI COM ESSE DOMENICALLI COMO MANDA CHUVA É SÓ GAGADA, E ISSO MASSA JÁ SENTIU NA PELE QUANDO A FERRARI TIROU O TITULO DELE EM 2008.

  7. Cleudo disse:

    Caro Simonassi, perfeito o seu comentário. O Massa vai aproveitar o mau momento do espanhol e abrir vantagem. Vou torcer para o Massa ganhar uma, com o Alonso zerando. Ai sim, o bicho vai pegar para o espanhol. Victor, ótimo post, crítico sem ser ofensivo.

  8. Rodrigo disse:

    Só que a Virgin ainda não resolveu aquele problema primário do tanque de combustível… eles estão construindo novos carros, maiores, para aumentar o tanque. Só devem colocar os novos na pista na Espanha, pelo que li por aí.

    Por enquanto, eles estão rodando o motor no modo econômico… o que só torna o desempenho do carro (e do Di Grassi) na Malásia mais impressionante.

  9. JC Simonassi disse:

    Essa choradeira dos espanhois é uma das coisas mais ridículas que tá acontencendo na F1 recente. Eles (torcida, imprensa, patrocinadores …) apostaram todas as fichas no único representante de fato, daquele pais, na F1 e exigem e espseram que tudo seja feito pra benefício do asturiano. Essa agora de criticar o sistema de pontuação parece até piada !!! Acredito que se a coisa não funcionar bem para o Alonso na próxima corrida o clima na Ferrari vai se tornar JÁ um inferno pois essa choradeira só tende a piorar. O Alonso certamente vai deixar a politica (FALSA diga-se de passagem ) de piloto de equipe para ser beneficiado a qualquer custo. Esse filme já passou em 2007 e o asturiano já mostrou que caráter é uma coisa que lhe falta !!!! O Massa sempre foi um cara que funciona bem sob pressão … então agora é a hora dele tirar vantagem disso e faturar no desespero do espanhol.
    Abraço
    JCS

  10. Excelente texto, publiquei-o em meu blog, com os devidos créditos.

  11. Gregory Albert Cobain disse:

    Achei ácido seu comentário sobre a largada do Rubinho quando a ferrari de Alonso teve rendimento pífio, além do que deveira ter observado a fantastica largada do brazuca Felipe Massa, afinal de contas seu parceiro tentou duas vezes ultrapassar Button e fracassou duas vezes seguidas, tendo uma delas sido obrigado a forçar o motor a ponto de detonar com o equipamento, isso denota uma tietagem de um jonalista brazuca que paga pau pro mediocre desempenho do espanhol….

  12. Dartha disse:

    Flavio, segue algumas questões interessantes sobre a temporada até agora:

    1) Já tivemos 3 corridas e em nenhuma delas o pole ganhou;

    2) O Alonso disse que tinha que improvisar em cada curva, pois ele perdeu a caixa de câmbio na largada. Então ele deve ser mágico, pois o ritmo dele foi bastante semelhante ao do Massa e ele chegou, até, a fazer volta mais rápida.

    3) Massa não ganhou ainda e é lider do mundial, justamente pela sua regularidade, com 39 ptos. A mesma coisa acontece com Rosberg. Tem gente que vai culpar o novo sistema de pontuação, mas acho ele eficiente sim. 2 dos 3 que já ganharam tem um abandono cada e o outro (Button) tem 2 resultados ruins.

    4) A verdade é que o Vettel, se tivesse levado tb as outras 2 corridas…. teria hoje 75ptos, quanto os demais teriam em torno de 35 / 40 ptos.

    5) Sobre o Barrichello, pelo que me consta, foi ele quem foi procurado pela Williams e assinou o contrato. Desde sempre,a Williams tem sido uma porcaria (aind amais com esse motorzinho que tem – a última vez que andou foram com os propulsres BMW, chegando a vice-liderança do mundial com Montoya, em 2003). O Barrica foi o 1º a assinar contrato (de 1 ano) para 2010. Se ele tivesse ficado quieto e visto o cenário ao final de 2010 (01 vaga na McLaren – Kova (Button pegou) / 01 vaga na Brown (Mercedes) – Button (Schumacher pegou)) tinha pego uma vaga melhor (hoje ele poderia ser o companheiro do Hamilton, brigar por vitórias, etc). Mas acho que ele SEMPRE fica em busca do “pulo do gato”. Dá no que dá (e olha que ele tomou um pau do “Hulk” até na classificação).

    • Eudemar disse:

      Também concordo, deveria ter fechado com a Mclaren, não sofreria tanto para acompanhar os putros bons pilotos do grid, e se quisesse encerrar a carreira numa grande equipe.
      Aceitou trabalhar em prol da Williams e tem de aceitar o que vier, seja bom ou ruim, trabalhar mais e não ficar reclamando do carro, isso não lhe ajudará em nada, e a equipe pode não gostar e passar a dar mais atenção ao Hulkenberg, o Trulli que tem o pior carro do grid e está pilotando sem reclamar.
      Alonso é bom piloto mas, desta vez vai ter concorrencia bem acirrada, começando de Massa, Button, Webber, Hamilton e Vettel e quem sabe do tio Schumy. Ainda tem o Kubica que esta aproveitando este começo e aparecendo e bem, e é osso duro na hora de ser ultrapassado. Gostei do Petrov, que mostrou que é bom piloto, e ele e o Hamilton foi hilário vendo fugindo dele com sua Mclaren, pois o outro esperto estava a fim de aproveitar o vácuo do mais velozes e se seu carro não quebrasse teria conseguido uma boa colocação.
      No mais, vamos para o gp da China e ver o que acontecerá de interessante desta vez, e quem sabe, São Pedro resolva dar mais uma atrapalhada nas grandonas.

  13. Oswald Martins disse:

    Sim, mas o próprio Rubens já falou que o problema de hoje foi completamente diferente ao da época da Brawn.
    O carro não entrou no anti-stall, ele entrou no ponto neutro mesmo.

    No resto, uma análise perfeita.

  14. Igor disse:

    Poucas vezes concordei com uma síntese de corrida 100% como concordei com essa. Não tenho nem muito o que comentar porque o que eu queria escrever já foi lido. Até o fato do Senna tomar pau do Chandhok e o fato do Barrichello tomar pau do próprio carro está bem esclarecido. Eu só queria enfatizar que a hora de olhar para a largada do barrichello já passou. Só ceguinho acredita na histórinha de que o carro do Rubinho falha na largada. Ano passado foram 4 “falhas do carro” na largada. Este ano o “‘carro já falhou” a primeira vez. Acho que a Williams vai falhar pelo menos mais 3x na largada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>