MENU

22 de novembro de 2010 - 15:10F1

Parlatório

SÃO PAULO | O Rodrigo Lobato, amigo de longa data, veio reclamar comigo no fim de semana: “Ano que vem a F1 vai melhorar, né?”, e antes mesmo que eu desse a resposta, ele continuou com um ‘você promete?’, como se eu fosse o responsável por seu aborrecimento dominical. Então caímos no papo do que realmente precisava para a F1 ter corridas melhores.

Sugestões? Para mim, deveriam voltar os bons circuitos, tipo Hockenheim antiga, e aniquilar essas porcarias tilkianas. Só nessa já melhoraria uns 70%.

59 comentários

  1. Ubaldir Jr. disse:

    Olha, desde que o mundo é mundo temos corridas boas e corridas chatas na F1. Não sei se haverá um ano na F1 melhor que esse de 2010 não. Tivemos muitas boas corridas. Outras tantas mais ou menos e outras ruins, sem emoção. Agora, o que eu acho que é fator preponderante para a geração de boas corridas são os treinos oficiais de classificação.
    Vejam bem, vou explicar meu ponto de vista: o que gera ultrapassagens é, inveriavelmente, a presença de um carro mais rápido atrás de outro mais lento. Na época de Senna, Prost, Piquet, os treinos classificatórios eram feitos com carros totalmente diferentes em relação aos que corriam no domingo. Motores totalmente diversos, que duravam poucas voltas e geravam até 1200 cavalos de potência, pneus chicletes pra 3 voltas… enfim, configurações totalmente diferentes das de corrida. Domingo mudava tudo. E o que isso gerava? o embaralhamento total do grid na corrida. Um Senna que guiava uma Lótus que era a terceira ou quarta equipe do grid colocava o carro na pole e gerava uma prova muito interessante, com um monte de carros colados em sua traseira pra gerar ultrapassagens. Isso pra ficar apenas em um exemplo.
    Hoje em dia, esse modelo de classificação adotado implica quase invariavelmente no melhor carro largando em primeiro, o segundo melhor largando em segundo, e assim por diante. Como querem que haja ultrapassagem num panorama desses? Só mesmo com chuva ou algum outro fator externo pra mudar essa lógica. Tudo bem que essas alterações na classificação têm o endereço certo da limitação de custos. Mas tem tanta coisa mais supérflua pra ser riscada da categoria que poderia compensar esses custos extras com os treinos…
    Eu acho que mais importante que qualquer das indicações citadas até aqui (aerodinâmica, freios, circuitos…), essa lógica dos treinos classificatórios têm influência preponderante na garantia de uma quantidade ao menos razoável de ultrapassagens em um GP.
    Quanto aos circuitos, Magny-cours e Imola (depois do fim da Tamburello) são tão ruins quanto os piores Tilkódromos, né galera. Hungaroring também não fica atrás.

  2. Paulo Aidar disse:

    Concordo, F1 em kartódromo só pode dar corrida chata. Poderiam tb correr em duas baterias como a GP2.

  3. Apesar das etapas tilkianas precisarem urgentemente cassarem seus rumos, por que a F-1 foi chata esse ano? Pô, foram cinco ou seis líderes de campeonatos diferentes, assim como 4 pilotos com chances de título na última corrida.

    2010 valeu a pena.

  4. Juan disse:

    Como a Fórmula 1 é o laboratório da alta tecnologia automotiva e soluções simples são simplesmente defenestradas, imagino as seguintes medidas:

    1. sprinklers espalhados pelo autódromo. Em um momento da corrida, decidido aleatoriamente por uma rotina de um supercomputador, os sprinklers seriam acionados encharcando a pista. A quantidade de água também seria escolhida aleatoriamente de forma a permitir que, em algumas corridas, alguns kamikazes optassem por pneis intermediários.
    2. inverter o grid de largada. Hispanias, Lotus e Virgins largariam nas três primeiras filas. Pelo menos estaria garantida uma enorme quantidade de ultrapassagens nas primeiras voltas … e também muita gente no muro.
    3. instalar semáforos em determinadas partes do circuito. Quando alguém se distanciasse demais, acionava o farol vermelho até juntar todo mundo.
    4. oferecer um contrato bilionário para o Sr. Tilke ficar em casa e não fazer mais nada “pela F1″.

    Juan Santista

  5. Gabriel de Amorim disse:

    Já escrevi isso, acho que no Gomes, e me rechaçaram dizendo que só funcionaria na Indy, mas vou escrever de novo.
    1º – corte custos. Como? Todo mundo compra um só chassis, que conteria assoalho, tanque e cockpit, e desenvolvam seus kits aerodinâmicos como queiram.
    2º – Parem com essa palhaçada de pneus macios e duros, usem um só, mas tenham mais distribuidores.
    3º – Motores 1.8 turbo 2 atm ou aspirados 3.0 – esqueçam o número de cilindros, configuração, etc., mas limitem o material que poderá ser usado!
    4º – Testes permitidos!!!
    5º – Carros mais largos e com mais aderência mecânica.
    6º – Freios menos sobrenaturais.
    7º – Matem o Montezemolo!!!!!
    8º – Promovam o Didi a Deus!!!

    tá ai!!!

  6. playmobil disse:

    F1 como nos bons tempos??
    simples….aerodinâmica menos atuante, freios mais frágeis e, o principal…que quebrem as duas mãos do seu Tilke…um amigo meu me disse e tenho que concordar…é que capaz de alguém pedir a ele para desenhar um circuito oval e ele conseguir fazê-lo sem pontos de ultrapassagem,rsrsrs

  7. Marcelo disse:

    Vocês esqueceram de colocar a volta do cambio manual da década de 80 e retirar toda essa parafernalha eletrônica do carro.

  8. Paulo Henrique Santo de Paula disse:

    Ola!!!!
    A f1 necessita de circuitos como: Interlagos, Monza….
    Os antigos circuitos deveriam voltar ao circo da f1.
    Os novos circuitos só enchem os olhos na estetica, acomodação.
    Mas pro amante de velocidade a emoção é: ultrapassagem
    brigas acirradas por posições!!
    Por favor que volte a emoção que tivemos este ano em Interlagos!!

  9. Bob Taborda disse:

    -Mudar os freios;
    -Regular aerofólios para uma aleta na dianteira e iguais aos da CART no fim dos anos 90 nos Superspeedways, no formato de caixa;
    - Restringir o desenvolvimento dos chassis, cada chassis deverá ser usado por tres anos, com desenvolvimento ininterrupto;
    - Relações de peças com carros de rua, utilizar muita mecanica “normal”;
    - Motores liberados na sua formatação, V8, V10, V12, Boxer, Turbo…
    - Pneus de tres modelos: Muito Moles, os mesmos de classificação, Um para toda a prova, super duros e um terceiro que OBRIGATÓRIAMENTE deverá ser utilizado com os Duros…
    - Obrigação de cada montadora de motor de ter duas equipes com fornecimento seu;
    - diminuição de pessoas nos pit stops, um mecanico em cada pneu, aumentaria o tempo da ação e deixaria muito mais tenso a operação;
    - Sobre as pistas: Imola e Hockenheim não existem mais. Estoril idem, assim como Interlagos e Jacarepaguá; Portanto, as pistas de Yas, Valencia podem dar lugar a provas nas ruas dos EUA, que tinham muito mais emoção;

    Ufa, se lembrar mais, venho aqui de novo….

  10. Joao disse:

    - Aerodinâmica deveria gerar ar “limpo” atrás do carro e não turbulência como hoje.
    - Reformar os Tilkódromos para criar condições de haverem ultrapassagens, seguindo opiniões dos pilotos e não de pessoal da FIA
    - Liberar trocas de pneu e reabastecimento: cada um escolhe sua estratégia
    - Uma polêmica: um (ou dois) safety car por corrida, após 1/3 de corrida. Durante a prova um computador escolheria aleatoriamente a volta em que isso ocorreria. Objetivo: reaproximar os carros

  11. Abilio Augusto disse:

    Para a F1 melhorar:

    - Volta do reabastecimento, com diminuição do tanque para possibilitar média de três pits por corrida.
    - Voltas imediatas dos GP’s de Magny-Cours, Indianápolis, Kyalami, Buenos Aires, Zeltweg, Fuji, Nurburgring e Ímola.
    - Saída imediata de Yas Marina, Marina Bay, Valência (rua) e Sakhir, além de banir o Hermann Tilke da FIA.
    - Entrada de Portugal no calendário com o circuito do Algarve (não precisa por mais ninguém).
    - Aprovação da FIA para 28 carros por corrida e entrada da Stefan e da Durango, além da Epsilon Euskadi comprar a porcaria da Hispania.
    - Volta dos pilotos de teste num 3° carro as sextas feiras e dois ou três testes coletivos de dois dias durante a temporada em pistas fora do calendário (Jerez e Estoril, por exemplo).
    - Manutenção do sistema de pontuação, com bônus para pole-position, liderança de voltas e volta mais rápida.

    Só isso que eu lembrei, se eu lembrar de mais, comento de novo depois….

  12. Sérgio disse:

    Quer ultrapassagens na F1?
    1- Proíba freios de carbono (algonga e dificulta a freada)
    2 – Libere o uso de efeito solo (com efeito solo o carro será rápido e não tem problema de vácuo)
    3 – Uso maior do safety car em corridas (REALINHAMENTO)
    4 – Tire do calendário pistas chatas (Abu dhabi como exemplo) e volte com as pistas para pilotos corajosos…..

    Aí sim veremos uma F1 PAULADA!

  13. Adriano Del Vigna disse:

    Minhas sugestões seriam além da volta dos circuitos tradicionais (muitos dos quais se encontram fora de regulamento atual de segurança):
    - FREIOS DE AÇO/FERRO: visando aumentar a distância de frenagem. Hoje em dia os pilotos freiam já virando o volante apontando para a curva. Há pouco espaço para colocar o carro de lado numa ultrapassagem sem o risco de uma colisão lateral em casos extremos;
    - ABAIXAR O BICO DOS CARROS AO LONGO DE TODA SUA EXTENSÃO: visando evitar a entrada/captação de ar turbulento embaixo do carro. Com o uso de túneis e exaustores/difusores no assoalho do carro o ar turbulento entrando embaixo do carro reduz a eficiência desses apêndices. O “nariz de tubarão” me parece funcionar melhor com “ar limpo” à frente, porém capta para baixo do carro o ar turbulento assim que o carro de trás se aproxima do carro à frente;
    - AUMENTAR A LARGURA DOS CARROS PARA AS DIMENSÕES PRÉ-1998: aumentar a largura do carro automaticamente aumentaria a estabilidade e a aderência mecânica;

    O objetivo dessas mudanças é aumentar o “espaço para ultrapassagem”. Culpar apenas o circuito me parece olhar apenas para um lado da moeda. Basta lembrarmos das ultrapassagens em Hungaroring e Dijon (França) que mostram que em um circuito ou em trechos travados é possível ultrapassar. Mais, K. Kobayashi muitas vezes mostra que os limites de ultrapassagem para a geração atual de carros ainda não foi explorado completamente pelos pilotos. Temos que lembrar que uma corrida de carros é basicamente feita por três componentes: pilotos, carros e a pista.

    Não sugeriria a volta do efeito solo. Por fazer do corpo do carro literalmente uma asa invertida, o ar transversal ao carro, tanto quando contornando uma curva, ou uma corrente de vento forte e repentina desestabilizaria o fluxo de ar, causando uma mudança repentina de downforce durante uma curva, por exemplo, ou ainda quando contornando uma zebra quando a altura do carro em relação ao solo muda abruptamente. Nem mesmo com o uso de saias móveis o efeito solo se tornou confiável e seguro – isso provavelmente exigiria o retorno das suspensões ativas também.

    Outro detalhe que me vem à atenção é que a F1 – aparentemente em sua maioria dos casos e corridas – não se caracterizou muito pelo quesito ultrapassagem ou “brigas” a partir do meu estudo. Não nos deixemos levar por uma nostalgia idealizada causada pelas edições dos melhores momentos de várias temporadas :-) pois elas nos levam a expectativas erradas. É como julgar uma vida por um álbum de fotografias familiar. Raramente as pessoas guardam recordações/fotos de momentos ruins da vida, mesmo quando muitas vezes eles são maioria. Julgar uma vida como feliz por um álbum familiar vai levar a erros, falsas expectativas, como poderia dizer Seymour Parrish.

  14. Wallace disse:

    Tudo que foi comentado é muito válido e com certeza trará algumas mudanças, mas na minha opinião deveriam banir a telemetria em tempo real e reduzir a capacidade de frenagem. O mais ouzado freia lá no abismo….. E segue em frente. Não esqueçam o que o Berger disse: A eletrônica vai acabar com a F1?????? Parece que tinha razão. Outra coisa carro de corrida tem que quebrar, essa é a graça, do imprevisível….. Será que quem tá na frente vai ganhar??????? E com certeza as pistas maravilhas fazem falta, que saudade do interlagos original….

  15. Darlan disse:

    Creio que só de limitar a aerodinâmica que causa a maldita turbulência que não deixa os carros ficarem colados nas curvas já resolveria o problema. Antigamente se os carros eram iguais numa disputa, com certeza aconteceriam ultrapassagens pq o vácuo ajudava. Hoje se o carro é igual vai sempre ficando mais pra trás, até o ponto em que a turbulência não atrapalha. Hoje só existe ultrapassagem se: o carro de trás for bem melhor, ou se o pneu do da frente já desgastou. Tirando isso, não rola de jeito nenhum.

  16. Chopp Kremer disse:

    muto legal gostei muito do seu blog bjs

  17. ALEXANDRE FS disse:

    Do que estão reclamando? A temporada de 2010 foi talvez a melhor de todos os tempos, a de 2008 também foi muito boa.
    Vale lembrar que o circuito de Hockenhein antigo era único, mas a maioria das corridas lá eram meio chatinhas…

  18. Gabriel Izar disse:

    Querido Papai Noel, fui um bom menino em 2010 e de presente gostaria de pedir algumas pequenas mudanças na Fórmula 1, esporte (?) que insisto em seguir, mesmo nas aborrecidas corridas noturnas. A lista não é extensa, mas tornaria o ato de sacrificar parte de meu domingo muito mais agradável, vamos a ela:

    1. Pilotos com personalidade forte, que dizem o que pensam, que não se preocupam com o que o assessor de imprensa acha e que levam para a pista a rivalidade de fora delas;

    2. Carros turbo;

    3. Motores V12 – Dane-se a economia de combustível.

    4. Etanol como combustível.

    5. Efeito solo;

    6. Aerodinâmica que não elimine o downforce do carro que vem atrás no vácuo;

    7. Mande o Tilke para um Gulag na Sibéria e com ele todos os autódromos novos da F1;

    8. Grid com 26 carros competitivos;

    9. Fim da limitação de pneus, motores e testes na F1;

    10. Uma chupeta para Rubens Barrichello parar de chorar;

    11. A recuperação dos traçados originais de Hockenhein e Interlagos;

    12. A volta da Coopersucar

    Acho que é só. Como se vê não são pedidos muito complicados, faça uma força bom velinho.

    Atenciosamente,
    Gabriel Izar

  19. Fernando Gutierrez Junior disse:

    Acho que deveriam voltar com o efeito solo e acabar com essa enorme dependência aerodinâmica de hoje em dia, que não permite que os carros se aproximem.

    Se ninguém andar perto, não há ultrapassagens….

    Logicamente que se os circuitos permitirem, também vai ficar muito mais simples, né?

  20. Arthur disse:

    Acho q o regulamento tecnico d hoje nao ajuda mto, mas sem duvidas as pistas sao um grande problema.
    Hugria, Yas Marina, Barcelona, Silverstone atual, Hockenheim atual, Sakhir, sao horriveis , veja as pistas mais antigas com Spa , interlagos e motreal , quase sempre temos otimas corridas.
    Abraço!!

  21. Zé Love disse:

    Simples, só fazer chover

    Já notaram que as provas com emoção desse ano só aconteceram quando choveu?

  22. Sidinei disse:

    Antes de cada prova, um caminhão pipa para encharcar o asfalto. o Water car.

  23. Renan disse:

    Pra mim para com isso de limitar desenvolvimento, peças compartilhadas, motores com limitação de desenvolvimento e limitação de testes!!
    não entendo essa de baixar custo??? F1 é pra quem tem $$!!!
    hoje em dia se deixar os carros não quebram nunca, e nenhuma peça é desenvolvida para a rua, ja que nada é desenvolvido!!
    antigamente se tinha emoção porque mesmo o melhor carro do nada quebrava, o cara perdia os pontos e depois tinha que correr atras!!

    as pistas novas não tem nem o que comentar!!! ta na hora de acabar com essa palhaçada!! olha a diferença de final de mundial no brasil com toda aquela emoção e nos emirados com o alonso com mais carro não ultrapassar o petrov

  24. carlos disse:

    a coisa é simples. Basta alargar os circuitos criando pontos de ultrapassagens

    • Conrado Andrade disse:

      Isso a gente já viu que não resolve. A linha mais rápida vai ser sempre a ideal, e a de fora, a mais suja. Todas as pistas novas, praticamente, tem o asfalto largo!
      -
      E vc vê… as duas melhores corridas do ano foram em pistas de asfalto estreito (Canadá e Austrália).
      -
      Ainda acho que o maior problema está nos carros…

  25. eduardopha disse:

    voltar o velho traçado de interlagos e o velho de monza tamben ,voltar a ter equipes da f1 nas 500 milhas ,voltar os motores turbos,acabar com a ferrari e seu lixo de jogo de equipe,apagar estes circuitos pasteurizados do campeonato

  26. alexandre disse:

    Antigamente, na “era das ultrapassagens” só tinhamos circuitos bons? Poupe-me. Tinhamos um monte de porcarias também e nem por isso as corridas eram monótonas.

    A meu ver, a “era das ultrapassagens” não volta mais, porque dependeria de uma medida altamente impopular e imprevidente: limitar a eficiência dos freios.

    Menores requintes aerodinâmicos também ajudariam, mas não são o ponto principal.

    A meu ver.

    Abraços.

  27. Leo Santos disse:

    Naum gosto das pistas do TILKE nem nos simuladores…
    Go out Tilke
    Gostaria que spa voltasse…

  28. Gabriel, o Pensador disse:

    Concordo contigo, Victor.

    Mas acrescento nisso, como outros que já comentaram, a diminuição da dependência aerodinâmica e maior foco na aderência mecânica.

    Para a “cereja do bolo”, todos os pilotos deveriam ser obrigados a fazer um “curso de férias” com o Kobayashi.

    A partir disso acredito que as coisas melhorem muito.

    Pergunto: quando serão sorteados os demais brindes para quem comprou o Almanaque Warm Up?
    Sem querer influenciar ninguém… mas meu aniversário é hoje seria um presentão ganhar um destes brindes…

    Abraço!

  29. Jonatas disse:

    Voltar os bons circuitos…

    Hockenheim (que nada sobrou dela), Ímola, Estoril, A1 Ring…

  30. pablo disse:

    ja perguntei para o FG, mas ele ignorou completamente. o que ha de tao errado com os tilkodromos? pergunto isso pq sou completamente leigo na ciencia de avaliar circuitos.

    o que um circuito precisa para ser ideal para um piloto de corridas e para o publico? que tal uma serie de posts avaliando cada circuito da F1 e falando sobre o pq ele é bom ou ruim, de um ponto de vista tecnico?

    acho que isso daria ate uma coluna na revista warmup.

    • Victor disse:

      VM responde: O fato de os circuitos serem pasteurizados em um esquema de reta longa com curva de baixa velocidade. É apenas um acelerar e frear, sem desafio.

  31. José Morelli disse:

    Com certeza ABSOLUTA o grande problema da F1 atual é o calendário, que é horrível. Claro que anteriormente a F1 já foi muito pior em outros aspectos, tínhamos muito mais motivos pra reclamar da F1, por exemplo, tinha uma época que reclamávamos dos motores V10 que eram motores ruins isso e aquilo. Teve o problema dos carros terem muitos haletos e mini asas aumentando a eficiência do carro nas curvas e como consequência menores chances de ultrapassagens e etc. Aí em 2009 adotaram um conceito aerodinâmico mais radical e se proibiu o excesso de penduricalhos nos carros, o que foi uma baita melhoria! Também saíram os ridículos pneus sulcados que foi uma das maiores idiotices da F1 e voltaram os gloriosos Slicks. Eu também reclamava pra caramba daquela época que só dava Ferrari vencendo com Schumacher em primeiro Rubinho em segundo, acho que a F1 viveu os seus piores anos nessa época, porque não havia concorrência, a Ferrari monopolizava muito, nesse sentido a F1 melhorou bastante, as brigas de pilotos e equipes voltaram a ser frequentes e tal. Também reclamávamos dos grids de míseros 20 carros, chegou uma época a se especular até um grid de 18 carros, o que seria ridículo e a FIA teve vergonha na cara de diminuir os preços e atrair novas equipes, voltamos a ter grids de 24 carros, o que foi uma grande evolução….se compararmos aquela época de 20 carros. Agora o grande problema e que deve ser combatido na atualidade é o calendário, adição excessiva de pistas RUINS em países sem a menor tradição automobilística…..poxa, isso nivela o glamour da F1 por baixo, muito baixo! Também saíram várias pistas e Grandes Premios clássicos, tipo Grande Premio de San Marino, tudo bem, a pista nunca mais foi a mesma depois da reforma de 95, mas poxa, o GP era tradicional. O que dizer então da palhaçada com aquele que era um dos maiores templos do automobilismo mundial, a Hockenheim da floresta negra…aquela pista era absurdamente sensacional, quantas saudades! O que dizer então da retirada do GP de França da F1 que ainda permanece fora, o que é um pecado imperdoável, a França é um dos países fundadores do automobilismo europeu, a própria FIA é francesa, como pode deixar a França sem um Grande Premio? Tá, eles argumentam que tem Monaco, mas poxa, em Monaco se fala francês, mas não é a França….enfim, acho que o drama atual da F1 é o calendário montado pelo Bernie Ecclestone, este é o grande inimigo da categoria, degenerando por completo a F1 que gostamos, levando-a a lugares horríveis apenas por causa de dinheiro. O Bernie é um cara que só pensa em dinheiro e ganho pessoal, não se importa com o “bem-estar” geral da categoria, que deveria fincar raízes firmes na tradição…Ok, a F1 é sinônimo de constante evolução, mas poxa, é preciso manter um pouco a tradição, pois é um esporte que lida com fãs de longa data….assim como eu, você e vários que assistem F1 desde criança, cresceu assistindo. Enfim, morte ao Bernie Ecclestone!

    • Conrado Andrade disse:

      Com certeza tivemos MUITO MENOS ultrapassagens em 2009, do que em 2008, 2007 e 2005 (os melhores campeonatos da década de 2000, na minha opinião).
      -
      As mudanças do ano passado sinceramente, não surtiram efeito algum!!! O KERS ainda deu alguma diferença… Mesmo com slicks, mesmo com ausência dos “penduricalhos”. NADANADA.
      Mesmo em 2010, com praticamente as mesmas regras, praticamente não tivemos ultrapassagens. Esse campeonato foi extremamente competitivo… em termos de pontos. Mas na pista, não teve nada demais… extremamente aquém dos pilotos que estão lá. Apenas duas corridas dignas de mênção, que foram Australia e Canadá (ótimas corridas).
      -
      E o problema definitivamente não são as pistas: são os carros. Em todas as pistas isso aconteceu! Não foi só as feitas pelo Tilke. Até Spa Francorschamps, tivemos (outra vez) uma corrida chata. Até SPA! Monza não houve nada demais. Silverstone tambem não…
      -
      Na minha opinião, duas coisas poderiam ser feitas pra aumentar o fator “esporte” na F1: carros projetados sem aerofólios (se a Ferrari Enzo, a 458, a Mclaren F1, a Koenigsseg, etc conseguem, pq um F1 não poderia?) e a ausência da telemetria em tempo real em corridas e qualificações, deixando o “feeling” do carro, somente pro piloto. Em corridas (lembrando que a corrida começa no sábado), esse papel de “ler o carro” deveria ser exclusivamente do piloto.
      -
      É bom deixar claro que não sou nenhum engenheiro… e isso é opinião leiga. Mas…
      …Penso na ausência dos aerofólios como um fator estimulante da “aderência mecânica”, e por aumentar o vácuo, diminuindo a turbulência (claro que tem o assoalho aí tambem). Ao mesmo tempo, os freios teriam menos efetividade (visto o quoeficiente de arrasto, que seria ainda menor nas frenagens) o que daria ao piloto, um maior controle da frenagem – que na minha opinião, é o maior problema da F1 atual.
      -
      Tinha mais idéias… mas agora não lembro mais…
      -
      Só acho que o problema não são as pistas. A não ser no caso de Valência e Singapura, onde o lado de fora do traçado ideal, é praticamente sem aderência alguma; suja e perigosa.
      -
      Abs!

    • Conrado Andrade disse:

      Ih rapaz! Faltou só a questão dos pneus: por mim, libera o uso deles, da forma como cada equipe achar melhor.

  32. Joel_RS disse:

    - Motores 1,5l turbo = 1500CV no “tudoquidá”;
    - obrigação de ter um número X de peças compartilhadas com um carro de rua, mesmo que um modelo caríssimo. “Ah mas vão copiar” diria algum membro de equipe. Faz um conjunto melhor então…
    - limitação na aerodinâmica, de preferência se inspirando nos carros do início dos anos 90;
    - volta de pistas tradicionais, inclusive Nordschleiffe. Que se dane que fica “ruim” pra TV e pros anunciantes, quero mais é que o Bernie seja exilado na Sibéria.

    É pedir demais mas sonhar ainda é de graça.

  33. Zé Eduardo Morais disse:

    - O fim do monopólio dos pneus;
    - A volta de testes durante a temporada;
    - Fim do pitstop obrigatório;
    - Troca do câmbio ‘borboleta’ pelo câmbio de ‘alavanca’;
    - Retorno de circuitos como Hermanos Rodriguez, GP do Pacífico (Aida ou Monte Fuji), etc

  34. Fabricio disse:

    As corridas estão bem melhores do que antigamente.

  35. Sergio Leao disse:

    E aquela estória de grupo de estudos para aumentar o número de ultrapassagens?

  36. Leandro Giannetti disse:

    Com certeza já seria uma grande melhora. Ainda mais com um grid tão bom quanto este, que querendo ou não, é um dos mais fortes dos últimos anos.

  37. Junior disse:

    Até hoje não acredito que destruiram Hockenhein.
    Sim, destruiram mesmo, afinal o que deixaram não merece ser chamado pelo mesmo nome daquela pista sensacional que existia antes.

  38. Joca disse:

    Esses rompantes saudosistas incentivam os incautos torcedores a nunca estarem satisfeitos com o tem.
    Dizer que uma obra de arte como Abu Dabi é uma porcaria é no mínimo irresponsavel. A F1 permanece mudando e evoluindo e quem parou no tempo vai permanecer insatisfeito.

  39. Sanzio disse:

    Mas essa foi ruim? Eu achei que foi tão boa…

    Talvez falte a imprevisibilidade duma corrida como a do Canadá, a zona que a chuva fez na China, em Spa… uma pista decente como Interlagos no lugar das mais novas do Tilke, que de decente só tem o paddock….

    Faltam talvez mais loucos como Hamilton, Vettel… ou vai ou racha. Se for é show, se não for, não foi, ué. Muitos os criticaram pelas cagadas homéricas, mas se Hamilton tivesse se contentado com 2 terceiros, Vettel não tivesse arriscado pra cima do Button, do Webber… esse campeonato teria acabado muito antes do Brasil.

    Talvez então mais alguns gênios como Kubica e Koba-Sam, que andar muito mais que o carro…

    O que precisa acabar, sim, é essa sujeirada de passar companheiro na entrada do boxe, com o “Fernando is faster than you”, parar com a choradeira depois da incompetência… Do resto tá bom. Tá muito bom!

  40. Leonardo de Souza disse:

    * é “priorizava” e não “prorizava” como escrevi, o pressa de digitar.

  41. Leonardo de Souza disse:

    Acho engraçado quem elogia Hockheim antiga, lembro até hoje de gente decendo a lenha na coitada dizendo que era chata e que seu traçado era simples demais, que só prorizava a potencia dos carros devido as suas longas retas. A antiga era melhor mas apenas porque era diferente, junto com Monza era a pista de maior velocidade final, oque trazia boas surpresas com carros com bons motores só que chassis inferiores aos dos concorrentes. óbvio que isso em situação normal, com chuva não conta já que isso vira loteria em quase todas as pistas :P

  42. Adriano Augusto disse:

    A formula 1 vai virar um jogo de cartas ainda mais marcadas em 2011 se aprovarem o aerofólio traseiro moóvel, onde o DIRETOR DE PROVA autoriza ou não seu uso. se isso ocorrer, eu que acompanho f-1 desde 1980 pararei de assistir, prometo. pra mim, deveria possibilitar diferentes tamanhos de pneus, proibir difusores, abaixar o aerofolio dianteiro obrigando o bico a acompanhar, volta do chassi liso para gerar efeito-solo, proibir os freios atuais e obrigar a usar freios de ferro e acabar com essa palhaçada ridícula de pneu mole e pneu duro. acho que voltando a dar mais liberdade no regulamento, porém proibindo efeitos aerodinâmicos que joguem em vez de vácuo turbulência para o carro de trás, e aumentando o grip mecânico, através do efeito-solo e pneus eventualmente mais largos, liberando ainda as estratégias (abastece quem quiser, troca pneu quem quiser), a f-1 ganharia muito. Ah, ia esquecendo: proibir comunicação da equipe com o piloto. só plaquinha, se quiser. pode parecer coisa de saudosista, mas aposto o que tenho que com essa fórmula teríams muitas ultrapassagens. Se não for assim, só colocando mais 23 kamuy kobayashis na f-1. porque o koba passa. abs

  43. Lauro disse:

    Algumas sugestões sobre os circuitos:

    Bahrain: Usar o anel externo, de 3.6km ao invés do tradicional de 5.3km. Carros mais próximos == um pouco mais chances de ultrapassagem.

    Abu Dhabi: Matar curvas 5 e 6 (chicane antes do hairpin antes da reta) e chicane das curvas 11-13.

    Hockenheim: Matar as curvas 5-7, criando mais uma reta longa, deixando apenas a parte do estádio

    Cingapura: ao invés das curvas 7-9, estica a reta até a esquina seguinte (tão cogitando isso, AFAIK) e faz 1 curva só.

    P/ corridas:

    - Pneus um pouco mais diferentes e mais desgastaveis(?): Um bem mais rápido mas que gaste mais rápido e outro bem mais duro mas lento.
    - Pitstop não obrigatório
    - Diminuição de custos? 1 cara trocando pneu como na Indy.

    Agora peloamordedeus que não entre aquela regra da asa traseira movel apenas p/ quem está atrás. Seria uma das coisas mais toscas que jǻ teriam usado.

  44. Fernando M.A. disse:

    Sugestões? Adicionaria o seguinte:
    Fim da comunicação via rádio box-carro (carro-box pode manter), para isso o piloto vai ter que aprender as reações do carro, saber regular sem telemetria, mas por conhecimento e intuição, com isso aumentaria as imperfeições do giro do motor, analise de aquecimento do equipamento, porcentagem combustível-ar, etc.
    Dessa forma diminuir fator carro e aumentar o fator piloto tenderia a nivelar melhor a competição, principalmente nos finais das provas.

  45. Eden Thiago disse:

    Eu achei essa temporada ótima, teve suas corridas chatas, e voltar os bons antigos circuitos é uma boa, mas tinham circuitos antigos que eram chatos também.

  46. Paulo Galvão disse:

    Pra muitos “torcedores”, pra melhorar o campeonato, basta ter um brasileiro na disputa.
    Pra mim, a volta de pistas de verdades e diminuir a importância da aerodinâmica já ajudaria e muito a volta de corridas legais, apesar de que, esse ano, não tenho muito do que reclamar. 2010 foi show!

  47. Sei que é meio improvável de acontecer, mas acho que corridas mais longas, tipo nascar ou irl, seria legal pra aumentar a competitividade.

  48. ba disse:

    Escola de Pilotagem Kobayashi.

  49. Fernando C disse:

    Treinos de 1 hora de duração com 12 voltas para cada um, incluir algumas pistas no calendário (Portugal, México, Argentina, Hockenheim antiga, dimunir a dependencia da areodinâmica (posso esta falando besteira, mas isso deve facilitar os carros andarem um atrás do outro!) e voltar o reabastecimento!
    Abraços

  50. Fernando Soethe disse:

    Limitar a aerodinâmica dos carros…

  51. Luis - Itatiba disse:

    Eu tiraria a comunicação de rádio. Comunicação só com placas.
    Tiraria a obrigatoriedade de se trocar pneu.

  52. jairo disse:

    adeus tirkódromos, hockeinhein antiga, nurburgring antiga, mas com uns 100 kms a corrida e voltar o efeito solo.

    90% melhor, ctz

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>