MENU

29 de junho de 2011 - 16:21F1

Vrunzinho, vrunzinho

SÃO PAULO | A FIA decidiu há pouco aquilo que já vinha sido dito e tal: em 2014, os motores em V perdem mais dois cilindros, caindo para 6, e a capacidade também cai, para 1,6 L. E decidiu rápido: quatro linhas de explicação, e nada mais. Daqui uns 10 anos, a F1 vai chegar a 1.0, e a Ford vai se sentir interessada em entrar para alinhar no grid com um Ka.

Mas o ponto que mais se esperava debater permanece uma incógnita: não houve menção ao número máximo de giros. Atualmente são 18 mil. Queriam reduzir para 12 mil. Os donos de circuitos chiaram: “Aí, não, dragão!”. O Fernando Silva falou com Castilho de Andrade, assessor do GP do Brasil, que confirmou que Tamas Rohonyi, promotor/organizador da prova em Interlagos, está na Europa para participar das reuniões que discutem as rpm. É, sim, uma preocupação deles que não sejam drasticamente reduzidas para que o ronco não afaste público.

A decisão sobre o assunto deve sair até sexta. Vamovê.

39 comentários

  1. Adrianno disse:

    V6 turbo sempre me vem em mente o GP do Japão de 1988, os McLarens Honda voando baixo com 13800 RPM. Será ótimo rever configuração semelhante em breve.

    http://www.youtube.com/watch?v=hSTISxeZzKM

  2. Maurício Freitas disse:

    Para quem acha que ruído de motor não faz diferença, vejam estes dois emblemáticos exemplos:

    http://www.youtube.com/watch?v=RBKUQPjQ16I&NR=1

    http://www.youtube.com/watch?v=inpyXFsKLSo&NR=1

    Quem gosta de corridas se emociona só de ouvi-los.

  3. roxxon valdez disse:

    quanto mais a FIA decide e impõe fica nítido que lá é um desomando geral, um amontoado de desmiolados. cada dia parecem mais dirigentes do futebol brasileiro.

  4. foca disse:

    outra bobagem folclórica de marketing burro. como se quem gosta de corridas achasse que os carros de corrida tenham que se parecer com as carrocinhas que podemos comprar. me lembra uma vez em que o dono do extinto banco bamerindus me encomendou uma animação institucional em 3D onde o tema era um passeio numa recriação de um estudio virtual do leonardo da vinci com tema livre. quando apresentei pra diretoria geral no mesmo instante o dir. de marketing chiou que não aparecia nenhum dos novos caixas automáticos do banco. pode?!
    se me permitir aqui tem o link sem o atm: http://youtu.be/1HEXaFh1vMI

  5. Alexandre disse:

    O ronco dos V12 era espetacular, apaixonante, indiscritível.
    O rondo dos V10 era excelente.
    O ronco dos atuais v8 é apenas razoável…
    O que será dos V6 ? Peidinho de véio ?
    Pelo preço cobrado da F1 em Interlagos, meus ouvidos merecem muuuuito mais !!!
    Que se dane esse tal de “laboratório automobilístico para os futuros carros de rua”!

  6. giovano disse:

    Memória muuuuito curta pessoal…..

    em 83 a Ferrari corria com um V6 turbo de 1.5 litros….

    assim como o Piquet corria com um 4 cilindros em linha… e ninguém reclamava do barulho…

    tá tudo na mão, leiam antes de palpipar, palpitar, palpitar….

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Temporada_de_F%C3%B3rmula_1_de_1983

  7. Mário Sérgio disse:

    Caraca! Essa você mandou muito bem.

  8. samuel hamilton disse:

    Está na hora da F1 sair da ilha de Caras e vir para o mundo real. Os tempos são outros. O próprio Max Mosley, tão achincalhado pela festinha Sado, já sinalizava com essas mudanças. Outro baque na economia, como o de 2008 (se bem que na Europa, vide os PIGS a coisa ainda esteja feia) a categoria não aguenta. É melhor correr de 1.6 do que só alinhar Ferrari e MacLaren de 2.4

  9. Bruno Mantovanelli disse:

    RPM não tem nada a ver com barulho/ronco.
    Eu me lembro do ronco da Mc Laren MP4/4 de 88.
    Roncava muito mais que os carros de hoje da F1 e usava um motor Honda V6 1.5L a 13 mil RPM.
    Quanto maior o RPM mais o motor vai “gritar”, produzindo um ronco mais agudo, se o RPM for menor, o ronco fica mais grave.

  10. juan paul montracy disse:

    Victor, vc sabe dizer se os treinos da sexta-feira da stock, são abertos ao público?

    Eu mandei e-mail perguntando a eles, mas, não responderam até agora……

  11. Pedro Jungbluth disse:

    Eu acho discussão besta ao limite. RPM e número de cilindros dá um belo ronco, mas a emoção do barulho alto, das explosões, etc, pode ser encontrado em vários 4 cil. Dizer que só V12 presta é como dizer que só vinho francês presta. Preconceito idiota que surgiu, claro, com europeus cheios de si.

    Carros antigos com menos rotação e cilindrada, como já citaram, eram lindos de ouvir. Inclusive, muitos falam que era muito melhor que o som agudo e homogêneo dos motores atuais.

  12. Gabriel Amorim disse:

    Vitor, o maior valor nominal de potencia alcançado por um F1 vem de um motor 1.5 V6 turbo, lembra? Acho que o maior problema da FIA não é tanto a questao da capacidade volumétrica, mas sim da imposição do número e da disposição dos cilindros. Hoje as unidades de força da F1 são muito obsoletas se comparadas à tecnologia existente. Basta entendermos que, com 18mil rpm, a quantidade de energia dissipada em forma de calor geraria mais de 1000cv. Portanto, mudanças para favorecerem o desenvolvimento de motores deveriam ser bemvindas. Infelizmente, ainda não será desta vez…

    Abraços.

  13. Ricardo Arcuri (Paddock Press) disse:

    Baita choradeira sem necessidade hein! Naquela epoca atingiam-se 11500 rpm e o barulho era igualmente algo. A diferença tava apenas na tonalidade, muito mais grave (e agradavel) que a atual.

    Pelo menos agora eles tao pensando no interesse das montadoras. Diminuir os motores vai trazer menos consumo e o turbo vai garantir a mesma potencia atual. E ainda vai ser interessante para essas montadoras testarem projetos que possam a vir efetivamente para os carros de rua. A INdy foi mais esperta e ja adotou isso para o ano qu vem. E a FIA deveria fazer o mesmo, mas ta ouvindo à choradeira das montadoras… fazer o que…

  14. Stanley Ragazzi disse:

    Acho essa conversa toda de pouco barulho dos motores novos uma tremenda falta de assunto.
    Na época dos turbos os motores era 1.5 e a maioria era V6 e girava em torno dos 11.000 rpm e ninguém reclamava que o som era baixo (porque realmente não era).
    Conversa fiada isso.
    E essa dos circuitos, com boicote e tudo, ameaçando mudar para a Indy.
    Alguém tem que avisá-los que a Indy vai usar motores V6 2.2.
    Os Audis e Peugeots a diesel de Le Mans não fazem barulho nenhum, mas mesmo assim o autódromo estava lotado.

  15. Felipe Marques disse:

    Já to vendo a Ferrari andar de motor T-Jet hehehehe

  16. Mauro Batera disse:

    Os carros já são feios de mais!!!!!!!!

    E agora reduzir o ronco dos motores!?

    Sem comentários…

    Saudades do ronco das Ferraris e Matras dos anos 70 e 80.

  17. Joao Costa disse:

    Variedade seria legal. V6 turbo contra V10, V12 contra 1.5 turbo, Kers contra os sem Kers etc.

  18. Rodrigo Porto disse:

    a Ford alinhar no grid daqui uns 10 anos com um Ka… , dei trela de tanto rir…. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk ….antes disso eles mudarão novamente o regulamento pra motores de 4 cilindros em linha pra Fiat e VW entrarem no grid … a Fiat com o motor Fire Evo 1.6 16v e a VW com o velho e bom AP 1600…

  19. André disse:

    Tinha é que voltar os V10. Aquilo sim era barulho! Os V8 já são mais esquisitos, imagine os v6.
    André / Piloto no http://www.f1bc.com

  20. Igor silva disse:

    Mais um tempo e a F-1 vai compartilhar motores com a MotoGP.

  21. André Silva disse:

    No futuro ainda teremos a Ferrari com motor Fire 1.0 Flex 8V.

  22. Fernando Monteiro disse:

    Olá pessoal. Eu que acompanhei toda era turbo na F1, achei muito boa a idéia dos motores de 4 cilindros de 1,6 litro. Já, naquela época, aqueles pequenos propulsores entregavam enormes quantidades de HP’s, com apenas 1,5 litro e regimes entre 10.000 e 12.000 RPM. No auge da era turbo tínhamos os motores de classificação que chegavam a entregar 1300 HP. Piquet certa vez disse que seu 4 cilindros BMW, em configuração de treino com combustível de alta octanagem passava dos 1500HP. Não era a toa que os pilotos saiam dos treinos, principalmente nos circuitos de altas velocidades da época, com os olhos esbugalhados. Agora imaginemos hoje com toda essa tecnologia de motores , com todos os sistemas digitais, as atuais técnicas de confecção dos blocos e etc, com certeza teríamos motores de no máximo 60 a 70 kg ou menos com cerca de 900 HP para corridas. Lembro bem, que aqueles motores tinham o ronco mais soprado, suave em contraste com o berro rascante dos DFV de 3 litros e dos Ferraris plano 12 aspirados. A Renault até aceitou a nova configuração V6, até porque seu antigo turbo era nessa configuraçao, mas sabes-se que, como pioneira em propulsores turbo na F1, seu grupo de engenheiros apostavam no 4 cilindros pressurizado. Ainda assim aposto no propulsor frances. O que corre nos bastidores também, sobre a desistencia da Audi em apostar na F1, foi o fato da Mercedes até agora ter gasto fortunas e não ter colhido nenhum resultado significativo, pois sabe-se que de inicio a Audi forneceria os motores para a Red Bull e depois absorveria a equipee ficando os energeticos como patrocinadores mantendo sua pintura, mas com o fracasso da Ford(Jaguar), Honda, Toyota e BMW, o pessoal da DKW ponderou sobre a situação. Também meditemos, pois os fabricantes não precisam mais da F1 para extrair algo para seus carris de rua. As regras são muito restritivas, os circuitos são lentos com traçados ruíns. Acho que o povo de Ingolstadt acertou na escolha e que fiquem por lá. Mas gostaria de ver na F1 uma coisa que só vi pelos livros e videos antigos, um duelo de Audi X Mercedes. Em termos de propaganda, seria ótimo para a F1. Os fãs iriam adorar. Esperemos….
    Abraço a todos.

    • Leduard disse:

      Na 1ª corrida de F1 que assisti “in loco” em Interlagos-1972, os V8-Cosworth giravam a 10.500 rpm e o barulho, logicamente bem menos agudo, já era muito legal. Como vc mencionou os turbo 1,5l de 4 ou 6 cilindros eram muito potentes e faziam um barulho bastante sedutor, com um estouro típico nas mudanças de marcha dos BMW da Brabham. Não vejo porque a preocupação dos dirigentes de que a F1 possa vir a ser menos interessante por conta disto. Dos torcedores mais jovens até entendo, pois muitos podem imaginar que o ronco de um F1 ficaria parecendo com o de um Celta ‘envenenado’ .

  23. Fernando disse:

    Victor, seria possivel compartilhar o mesmo motor entre F1 e Indy??

    ambos serão V6 Turbo…

  24. SANDRO BRAZ disse:

    O MELHOR E MAIS DEVASTADOR MOTOR QUE A FORMULA 1 PRESENCIOU FOI UM HONDA V6 TURBO QUE DEU O TÍTULO A NELSON PIQUET EM 1987 E QUE EM 1988 COM A DUPLA SENNA/PROST HUMILHOU TODO O GRID RESTANTE GANHANDO 15 DAS 16 PROVAS DAQUELE ANO E QUEM SE LEMBRA DISSO NÃO ACHA QUE AQUILO ERA BARULHINHO.
    AHH!QUE SAUDADE DAQUELES TEMPOS.

  25. marcão disse:

    Sei lá!!! Esse assunto também já deu o que dinha que dar!!!

    V8 v6 V12 V4 uma hora ou outra vão mudar mesmo, tem é que mudar o combustivel e dizer na corrida de 60 voltas só 100 litros e tem que sobrar tantos litros…. Ai sim eu quero ver os caras se coçarem,, motor v6 tem aos montes por ai…Nem precisa ir longe… Tem uns da volks desses passats ou sei lá de que carros que é..(Tá certo que não é 1.6..) mas pra dar 1.6 l vai ser dificil. o resultado é disima = 266,6666
    Se o cara for caprichoso, der uma trabalhada legal no vira, nitratar, e botar dois turbos lá aquilo anda muito.. e tá explicado o v6..É só cortar o bloco desses v8 e diminuir um pouco o tamanho dos pistões..etc..
    Olha nem me interessa muito, 2014 tá muito longe, e tem um por aí no meio desse blog todo que jura de pé junto que o mundo acaba em 2012…Nem precisa falar quem é né!!!

  26. Anderson Puff disse:

    Nos dias de hoje, essa mudança vai servir para que as montadoras possam desenvolver ainda mais as tecnologias que logo estarão nos carros de ruas comuns, é isso que faz da F1 a top no planeta, inovação……….o tempo todo……. e tenho certeza que os engenheiros das montadoras vão fazer um “put…a” motor 1.6L V6 Turbo….

  27. Winston disse:

    É imcompreencivel tanta reclamação com o tamanho dos motores, o motor BMW turbo que o Nelson Piquet foi bicampeão em 1984 era 1.5 e atingia 1200HP na versão de treino e roncava!

    • Winston disse:

      Ratificando ano 1983, ai vai a ficha do carro

      Construtor Brabham

      Produção 1983

      Tipo de Carroçaria Monoposto de corrida

      Designer Gordon Murray / David North

      Informações Técnicas

      Motor BMW M12/13 L4 Turbo

      Caixa de velocidades Brabham/Hewland 5/6 velocidades

      Peso bruto (kg) 540 kg

  28. Fernando Passos disse:

    Já vi tudo!
    .
    A Ferrari vai pegar o motor do Punto, dar uma mexidinha e pronto! Hehehehe!
    .
    Como disseram por aí, outro dia, vai virar Fórmula “UNO”…

  29. Sandro disse:

    O mais engraçado dessa decisão é que a votação foi via fax, em tempos de internet como são modernos esses velhinhos da FIA, não?

  30. Daniel disse:

    é chato que os carros tenham menos barulho mas pensando pela parte ecológica é bem melhor. não consigo discordar da decisão, daqui a poco os carros não vão ser 1.0 e sim elétricos, não vão ter som nenhum, e ai?

  31. Sandro disse:

    Um detalhe: é um V6 TURBO

    Parece que todos se esquecem que um dos motores mais potentes que a categoria já teve foi um 4 cilindros em linha de 1,5 L, o famoso BMW M12/13 TURBO com o qual Piquet foi campeão em 1983, e que desenvolvia toda sua potência em apenas 12 mil giros. Ele fazia tanto ou mais barulho quanto os V10 da época, além é claro de humilhar na velocidade máxima.

    Essa grita contra a redução é mais por conta da Ferrari e Mercedes que não tem essa especificação de motor nos seus carros “de linha” e veria a porta aberta para novos concorrentes, que já usam essa especificação em outras categorias

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>