MENU

15 de outubro de 2011 - 3:47F1

Ruingam, 2

SÃO PAULO | E foi-se um dos recordes que a Red Bull poderia bater na temporada. De quem menos se esperava, alguns podem achar, mas foi daquele que realmente esteve mais perto ao longo desta temporada de desbancar os taurinos das poles. Com a régua do campeonato devidamente passada, Hamilton tem amanhã a grande chance de fazer as pazes não só com a vitória, mas com um caminho que perdeu ao longo da temporada.

Porque um cara que mal comemora a pole realmente está mal…

Enfim, o carro da McLaren está tinindo nesta pista xexelenta da Coreia do Sul, e ao que parece já está mais ao nível da rival de chifres. É uma base validíssima que a equipe vai carregando e levando para a temporada do ano que vem, em que pouca coisa vai mudar em termos técnicos. Vale ressaltar que a capacidade de reação dos prateados é muito maior que a da Ferrari, por exemplo, que estagnou. Ainda que não tenha lá o que fazer mais no carro deste ano, os vermelhos contentaram-se em ser a terceira força.

Ainda sobre Hamilton: fazia 27 provas que o inglês não conseguia uma pole. Deve ter largado o empresário, a vida de pop-star e Nicole Scherzinger em uma semana, segundo a voz da consciência, em apenas uma semana.

Vettel sai ao lado, e nota-se que não ficou nada muito feliz, o que demonstra sua concentração e importância com um campeonato fadado às corridas amistosas. Na segunda fila, uma repetição, com o impávido Button e o pálido Webber.

Massa larga pela quarta vez em cinco corridas na frente de Alonso. Mas a gente sabe bem que sua posição à frente não dura mais do que duas voltas e cinco contos de réis — ainda que o espanhol pouco se importe em batalhar por um vice que realmente não tem lá muito valor. Depois, o sétimo de sempre, Rosberg, com Petrov andando bem à frente de Senna no fim de semana. O russo deu uma acordada. Aí as Force India, que tornaram a ser quinta força. É um belo revezamento feito com a Sauber, uma briga interessante.

O supramencionado Bruno só sai em 15º. Um desempenho fraco. Mais ainda o de Barrichello, ceifado já no Q1 junto com a patota da misericórdia. Aliás, para quem diz que tem muito mais a mostrar do que Raikkonen, é um desempenho que funciona como uma pá de cal. Disse se tratar de uma decisão estratégica para poupar pneus. Que a tática funcione amanhã, pois. Senão vai ser estranho.

A briga de amanhã pelo troféu principal naquele circuito pífio, de arquibancadas sem bundas a sentar, tem cara de ter três pilotos. E para que um se resgate, tire a zica do pântano, seria de bom grado vê-lo no lugar mais alto. Eu estarei na Rádio Globo novamente, comentando a prova ao lado de Oscar Ulisses. Ouçam, então.

3 comentários

  1. Leonardo Cassettari disse:

    Amigo Alexandre… O link é que foi errado… Clique em “Próxima Nota” na parte superior q vc vê a matéria de hj do Victor Martins.

  2. Alexandre Lourenço -SP disse:

    OPS!!!
    Esse tópico não era pra falar da Indy não?
    Não é só na Band que a Indy parece ser deixada de lado.
    Eu hein !!!!!

  3. Carlos Roberto da Silva Junior disse:

    O Rubens Barrichello pode poupar á Mãe e o Pai que ele não ganha mais nada e já o nosso Felipe Massa ficará esse ano fora do podium com mais uma surra grande de Fernando Alonso lembrando que ele já tem oito podiums esse ano e uma vitória, só não conseguindo mais por que tem uma Ferrari limitada e o Bruno Senna deve bater na porta da Williams tirando á vaga de Barrichello.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>