MENU

24 de novembro de 2013 - 19:19F1

Fim de feira, 3

SÃO PAULO | Teve um ano aí como o de hoje que a patuleia esperava por chuva e mais chuva para dar uma animada no negócio, e a previsão indicava que a alegria seria imensa de todos. O dia amanheceu nublado, choveu antes da prova, deu tempo de secar, o radar mostrava aquela gleba de pixels azuis e verdes se aproximando do centro, e no fim não caiu uma gota. Bandeirada dada, pódio em execução, começou a chover.

Foi o mesmo hoje. As câmeras lá cheias de pingos, o horizonte mais nebuloso que aquela indústria que solta aquela fumaça densa de poluição que faz daquela região de São Paulo uma semi-Cubatão, o radar apitando, as equipes se preparando, não molhou nada. Aí só ouço o passar dos carros na rua com aquele barulho típico do solo úmido.

Dois parágrafos de cascata para dizer que o GP do Brasil poderia ser muito mais. A corrida, na ótica do vencedor, só teve uma única volta de competitividade: aquela que Rosberg liderou por ter largado melhor que Vettel. Mas a Mercedes, na calada da noite, deve ter trocado os V8 pelos V6 que vai usar no ano que vem, uma experiência única. Só esqueceram o turbo. Rosberg e Hamilton foram jantados pela patota toda, Webber, Alonso e até Massa. Button e a McLaren que casam perfeitamente para as condições vistas ganharam as posições nos pits. Nico foi quinto beneficiado pelos azares alheios. Lewis terminou em nono depois de ser punido por não enxergar e enxotar Bottas. Os pontos foram o bastante para a garantia do segundo lugar entre os Construtores. 3 vitórias, 9 pódios, 8 poles: diante do que foi Vettel/Red Bull, a Mercedes sai de cabeça erguida, apesar da rateada nesta segunda metade d’ano.

Alonso, como sempre, tira um pouco mais do carro do que pode. Lançou-se para cima das Mercedes, limpou a área, mas viu em Webber um cara combativo em sua despedida. Markola passou a primeira vez e teve de lidar com o rival/amigo ao longo porque a Red Bull tava trabalhada na preguiça e na zuêra nos pits. Webber e Alonso ao lado de Vettel, sinceramente, era o pódio mais merecido para este fim de ano: o cara que se despede da F1 mais o rapaz que fez das tripas coração para ser vice com o carro que tinha ao lado do reinante todo poderoso, como diria o Mateus Solano na novela.

Um volte a Button: quarto lugar, melhor resultado no ano. E a McLaren, que ainda viu Pérez se despedindo em sétimo, termina o ano virgem de pódios. Pior desempenho em 33 anos. Uma nhaca total. A mudança de regulamento cai bem para Woking, que costuma não ter duas temporadas de puro malogro e mau trabalho. Mas a verdade é que a equipe tem colecionado resultados medianos numa análise baseada em números. É bom lembrar que a equipe começou e terminou 2012 ganhando e tendo o melhor carro nos dois momentos. Mal chegou a disputar o título, oscilante que foi no meio-termo.

Massa acabou em sétimo, mais do que frustrado: puto. A punição que toscou se deu em decorrência de uma regra tosca. OK, ela existia, foi falada. Havia lá a tal linha, que tinha uma separação determinante. Digamos que tenham sido formadas A e B: em A, o carro poderia passar totalmente dentro; em B, não. Só que nenhuma lei física seria obedecida nesta situação: pela velocidade que o carro passa dentro em A, ele não tem como sair totalmente em B. Ou se colocava uma divisória clara entre a entrada do box e a reta principal ou nem se assuntava a respeito daquilo. Felipe vinha ali em quarto controlando Hamilton e poderia chegar no pódio pelo acordo feito com Alonso, que deixaria o brasileiro passar. A FIA é trabalhada na idiotice, tá lôco.

E quanto a Felipe, gente da maior qualidade, pessoa do bem que mereceu toda a festa e consideração da Ferrari e tal: a mudança para a Williams lhe cai bem demais.

Hülkenberg ficou em oitavo. Camarada que não teve lá tanto brilho no fim de semana, mas que é brilhante no geral. Vai pra Force India – ou melhor, volta –, muito pouco para o que é e o que pode mostrar. O time dálit, aliás, vai mostrar quem é na F1 justamente no ano que vem, na radicalidade da alteração do regulamento. Neste ano, o conservadorismo dos pneus ao longo do ano deu uma baixada no desempenho de Sutil e Di Resta, mas no geral, para quem foi Jordan em seus piores momentos e Spyker, a FI está estabelecida como pelo menos equipe do meio pelotão. É uma grande incógnita, realmente, para o futuro. Se tiver Pérez/Carlos Slim ali, um bom dinheiro será injetado para recursos mil.

Ricciardo somou seu último ponto pela Toro Rosso que também andou para trás na corrida, indicando estar acertadinha para as condições molhadas. Daniel chega para sentar no cockpit de Webber no melhor momento possível: as modificações que vão também afetar a condução dos carros coloca todo mundo no mesmo patamar de aprendizagem – que, claro, vai ser aperfeiçoado conforme o talento de cada um. Riccardinho é de uma boa safra e tem umas tiradas legais. É um novo sangue na Red Bull que estava amanteigada pelo tchau do australiano mais velho.

Di Resta, Gutiérrez e Sutil, 11º a 13º e situações similares: a dúvida do amanhã. Paul já tá vendo a vida na Indy ou no DTM; pouco se fala na sequência de Esteban na Sauber, que dirá na F1; e apesar de Adrian falar que tá assinadinho e tal, não parece tão certo assim seu futuro na Force India – a não ser que esteja de malinha, cuia e Dona Sutileza para a Sauber.

Kovalainen foi 14º. Uma lástima total. Valsecchi, há pouco via Twitter: “Eu disse à Lotus que meu coração e minha motivação seriam maiores que a experiência de Kova. Eu lamento a escolha que eles fizeram”. Resume bem. E resume também uma situação que também foi vista em 2009 com Fisichella substituindo Massa: simplesmente pegar um piloto que tá acostumado com um carro X e pôr no Y de paraquedas é um erro. Hülk, no fim das contas, fez bem em não cair na Lotus nestas duas provas sem Räikkönen. Heikki vai lá ser verde e amarelo na vida no ano que vem, e tá bom demais.

Maldonado, 15º, sai da Williams por alguma porta que não seja da frente para ir para a Lotus – dizem que o anúncio deve sair na segunda-feira. Vergne, 16º, acaba o ano de forma blazé. E no rebolo das piores, a Marussia enfim venceu a Caterham para abocanhar os milhões polpudos do décimo lugar. Fosse justa, chamava Glock de volta para 2014.

Bom, a verdade é que a F1 fez hora extra neste 2013 e o que mais movimentou o negócio todo foram os anúncios, as especulações, a silly season, o Snowdinho Teixeira e tal. Interlagos estava em compasso de fim de feira, meio plúmbea como o tempo que a caracterizou. Um ano que foi macambúzio pelo terreno ocupado por Vettel e que se encaixa na história da categoria.

7 comentários

  1. Irunkandji disse:

    Sobre a Lotus: Kovalainen andou dando umas voltas na Caterham em treinos. Ganhou a oportunidade de guiar um carro bom, embora afinado para outro piloto. Nada garante que o Davide se saísse melhor, mas não colocá-lo foi bola fora da equipe (mais uma) e duvido que tenha a ver com capacidade ou experiência do garoto. A saída do Kimi acabou com qualquer chance de suplantar a Mercedes na briga pelo vice campeonato. Grosjean sozinho ainda não estava preparado para carregar a cruz sozinho sem o Kimi como ponto de referência e que coloca pressão na equipe técnica. Qual a explicação dada para a quebra do bom motor na terceira volta?
    No caso do Fisichella, era um piloto ativo que guiava o bom carro da Force India de 2009, fez a pole em Spa, prometendo um final de carreira muito digno. Daí, ganhou um presentão: a oportunidade de guiar um dos piores carros já feitos pela Ferrari em décadas, o F-60, mostrando que o coitado do Badoer fora incinerado feito Joana D’Arc injustamente. Massa só escapou do linchamento imediato por ter se acidentado.
    No primeiro caso, piloto enferrujado, agradecido pela oportunidade e sem maiores compromissos guiando um carro feito para outro; no segundo, uma bosta sobre quatro rodas que nem Schumacher quis.

    • Carlos Amaral disse:

      Pensava q só eu é q achava q aquele F-60 era uma cadeira elétrica que queimou o Badoer e o Fisichella…
      Mas, com essa história do Kovalainen, descobriu-se que terceiro piloto não serve pra nada. É igual ao cara que procura primeiro emprego e não consegue pq falta experiência. Ué, vai conseguir experiência como? Jogando Playstation?

  2. Luiz Seiji disse:

    Falando nisso,cade os tais anúncios oficiais que você disse que fariam no GP do Brasil que você havia dito em NSA 2???

  3. Paulo disse:

    “… aquela indústria que solta aquela fumaça densa de poluição que faz daquela região de São Paulo uma semi-Cubatão…”
    Desde quando a região do autódromo é uma semi-Cubatão?
    A maior parte das indústrias que existiam na região saíram de lá e foram para cidades da Grande SP ou para o interior.
    Nessa região estão duas grandes represas (Billings e Guarapiranga) que abastecem as casas de boa parte dos paulistanos.
    Além disso, a fumaça detectada na transmissão não é de uma indústria, mas de uma usina de geração de energia elétrica (Usina Piratinga). É uma termoelétrica que queima, principalmente, gás natural. Há alguma poluição naquela fumaça, mas a maior parte daquilo que se vê é vapor d’água, que fica mais visível em dias úmidos.

  4. Pedro Paiva disse:

    “Blasé”. A punição do Massa veio num momento ruim e meio que esfriou a prova. Mas aquela entrada ali tem que ser modificada faz tempo. Se, em vez de uma punição estivéssemos discutindo um acidente, não ia ter um que não reportasse que havia uma regra e o Massa desrespeitou e se deu mal. Um piloto profissional, conhecedor da regras, não pode cometer tal falta. Muito básico. Isso sim é inaceitável. Massa estragou sua própria despedida.

  5. O Massa deixou a Ferrari seguindo o seu roteiro original, Frustrado! O Webber guardou uma última doce lembrança do Pódio, uma Queda Livre sem Paraquedas! Esse ano acabou bem mais cedo com a Fórmula Vettel tendo como campeão dos outros o Alonso que pescou um terceiro lugar sem ter que ajudar o paparicado Massa! 2013 já foi! Que 2014 seja mais satisfatório para o torcedor mundial, e que o Brasil consiga alguma sobrevida na categoria ultrapassando um Fim que está cada vez mais próximo de acontecer.

  6. Paulo Z disse:

    um dos anos mais sem graça da F1 desde que me entendo por gente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>