MENU

9 de março de 2015 - 8:47F1

Cheiro de angu

SÃO PAULO | Parece que a Sauber se meteu numa enrascada e tanto no caso que foi parar nos tribunais da Corte de Victoria e que envolve Van der Garde e sua tentativa de pegar um dos C34 para si e correr o GP da Austrália do próximo domingo. Se a situação parecia confortável para uma equipe que é chefiada por uma advogada, as alegações apresentadas pela escuderia indicam que um desastre está por acontecer.

Van der Garde e seus advogados afirmam que o contrato assinado no ano passado, que o colocava como reserva da equipe e titular para este ano, foi quebrado sem nenhuma razão. A Sauber baseou sua defesa não sobre o acordo em si, mas dizendo que seria um risco colocar o holandês para correr sem ter conhecimento do carro novo e um banco apropriado.

Meramente impressão de quem nada conhece o juridiquês: se o time suíço não está concentrando os esforços sobre o contrato que diz ser inválido e já está num estágio adiante, o da ‘preocupação com a integridade física de Van der Garde’, até falando em “risco de morte”, é porque tal acordo tem alguma validade e não há muito o que se debruçar na questão. E tem outra: alegar que VDG não andou o carro também não é um argumento muito sólido para quem já chamou às pressas um piloto de uma outra equipe 15 minutos antes de um treino livre começar — De la Rosa substituiu Pérez no GP do Canadá de 2011.

Van der Garde, se bem conhece o simulador e o carro do ano passado, tem condições de andar no deste ano.

O julgamento deve ter uma sentença na quarta-feira, mas é bom que os advogados de Nasr e de Ericsson estejam devidamente preparados para fortes emoções e com o terno em dia para algum resultado adverso. “Ah, mas quem é que tem prioridade neste caso?” Não tem, meu caro: os dois pagaram a mesma quantia para ficar com a vaga. E mesmo se não tivessem pagado, o contrato tá lá, firmão e belo, e eles não têm nada que ver se a Sauber resolve assim sua vida.

49 comentários

  1. Mike disse:

    Não precisa ser advogado ou conhecedor das leis de outros países, para saber que contratos são cumpridos ou rescindidos, isso no mundo todo. A Sauber agiu de má fé com os três pilotos. Van der Garde só quer o que está estipulado, cumpra-se, ou pague a multa. Multa é o ” x ” da questão. O que a Sauber quer é que o brasileiro e o sueco dividam a conta com ela. Lembre-se Alonso bi campeão de 2005 e 2006 foi mandado embora da Mclaren após a tumultuada temporada de 2007, Kimi foi dispensado pela Ferrari no final da temporada de 2009, nesses dois casos ambos com os contratos em vigor. A diferença foi´que as equipes pagaram as multas e os dispensaram, não importando os motivos. A Sauber e nenhuma equipe são obrigadas a manter qualquer piloto nos seus quadros se não quiserem. Agora a multa da quebra tem que ser paga integralmente, seja por piloto ou por equipe.

  2. Clay disse:

    A sauber não é obrigada a ter seja lá quem for como piloto, ninguém. Mesmo que tenha contrato vigorando. Agora a quebra de cláusula exigi-se multa, que a mesma não deve ter sido paga. O holandês está sendo muito bem orientado, que é direito seu. A sauber é que agiu de má fé, pelo visto com os 3 pilotos. A realidade é a seguinte, quem ficar de fora vai receber uma bolada grande. Vide exemplos de Alonso em 2007, foi mandado embora da Mclaren e Kimi em 2010 da Ferrari, com contratos em vigor. A diferença é que essas equipes pagaram as multas contratuais da quebra de contrato. Portanto é bem capaz da sauber chamar o Felipe e o Marcus para dividir a multa do holandês.

  3. Paulo disse:

    Quebras de contrato não se resolvem com grana? Não tô entendendo esse furdúncio todo que o VDG tá armando…como vão obrigar a Sauber a botar ele no carro? Se um empregador não quer mais o empregado, paga o que lhe é devido e pronto.
    Ou VDG esperou os testes de pré temporada pra ver que o carro é mais ou menos e se animou? Será que se a Sauber se mostrasse a draga do ano passado ele faria isso?
    Que vida VDG acha que vai ter na Sauber depois dessa treta toda?
    Ou ele se mostra um gênio das pistas, o que não parece ser o caso, ou então se queimou de vez na F1.

  4. André disse:

    Que contrato é esse que não tem uma cláusula recisória? Não vi ninguém comentando sobre isso. Se a Sauber não o quer, que pague a multa e tchau. Que absurdo obrigar uma equipe a dar um carro pra um piloto que ela não quer.

  5. Walter Borges disse:

    Caro Victor, não concordo que um sentença dada por um juiz australiano tenha que ser estendida ao resto do campeonato. Não tem fundamento. É uma questão de jurisdição. Juízes de direito tem o poder de decidir acerca de temas variados no local de sua jurisdição. Entender que este juiz (o australiano) possa determinar o que vai ocorrer no Japão, México, EUA, etc nos parece bem improvável. Desta forma, ou VDG aciona a Sauber em sua sede (acho que na Suiça) para uma provável indenização/reparação, ou se arrisca em ações semelhantes no resto da temporada de 2015, em suas diversas localidades, com os juízes das localidades em que se der a corrida. Eu não imagino, depois disso, quem irá dar emprego a ele na temporada seguinte…

  6. hausensson disse:

    De que vale um cara correr numa equipe que não o quer, se valendo disso na justiça?

    Vai é passa vergonha, o Van der Garde!

    Duvido muito que a Sauber entregue um carro “redondinho” pra ele…

  7. Miguel Nonose disse:

    Agora, nesse exato momento o pau deve tá comendo solto na Sauber, Deus nos acuda, salve-se quem puder.
    Se já tava emocionante imagina agora? Quem vei pilotar o carro???
    E a Sauber vai sobreviver a esse rojão??? Vai ser mais um processo(Nars ou Ericson) ou uma gorda multa por quebra de contrato, acordo para o VDG

  8. Fábio disse:

    Manda essa cara pilotar fogão! Não consegue enxergar um palmo diante do nariz: e se ele ganha essa liminar? Como ficará o relacionamento dele com o time (ainda que por uma corrida)? Ou será que o bebezão esqueceu que pilotos dependem de suas equipes? E dentro da pista NÃO TEM TRIBUNAL.

    Se ele ganhar, alguém duvida que a Sauber o alimentará com o pão que o diabo amassou?

  9. Minha opinião.

    Van der Garde vence o processo e vai receber uma bela multa paga pela Sauber, porém correrão Nasr e Ericsson.

  10. Guilherme bezerra disse:

    O grande problema de tudo isso para a Sauber, é que tanto Nasr como Eriksson são pagantes e caso um deles perca a vaga a equipe certamente terá sérios problemas com os patrocinadores. É um problemão para se ter as vésperas da abertura do mundial. Se estivesse na pele de Nasr ou Eriksson estaria preparado para qualquer coisa…

  11. Flavio Bragatto disse:

    É bem por aí mesmo!
    Se estava no contrato de VDG, um abraço!
    Agora, com certeza, está no contrato dos dois titulares também.
    A Sauber que se funique! Vai ter que colocar um 3º carro, para conseguir manter o contrato.

  12. Bruno disse:

    Olha, tbm sou leigo mas minha leitura é que, apesar de todos as especificidades que imagino que deva ter um contrato de piloto da F1, não é puramente um contrato comercial, é um contrato de trabalho… e aí o tratamento legal é bem diferente. Além disso, o caso está sendo julgado na suiça (inclusive com primeira decisao favoravel ao VDG) entao a unica coisa que deve estar sendo julgada na australia é algum tipo de liminar pra garantir que botem ele no carro… e isso justificaria a estrategia da sauber de apelar pra questao da seguranca… pq o contrato em si nao deve nem estar em discussao por la

  13. Silvestre Zanon disse:

    Ele não quer correr. Apenas colocou a Sauber contra a parede pra receber uma indenização gorda e rápida….sem ficar anos e anos se arrastando nos tribunais. É o que eu penso.

  14. ronaldin disse:

    Acho que o Nasr e o Ericsson vão decidir a vaga restante no par ou ímpar.

  15. Vitor Vilarinho disse:

    Se o VDG ganhar, isto valeria para todas as provas? Ou apenas a primeira? Já que o julgamento é na Austrália. O que ele ganharia – além de conforto de ego – se “correr”(já que a Sauber dificilmente entregará um carro 100% para ele) na primeira prova e não competir no resto da temporada? Se ele pretente “ser visto”, foi um péssimo marketing que ele fez, além de piloto mediano-baixo, nenhuma equipe(seja de formula, turismo, kart ou de carrinho de rolimã) irá quere-lo na equipe depois disto!

  16. Miguel Nonose disse:

    Caso o VDG ganhe, certeza que oque vai falar mais alto na hora da escolha entre Nars e Ericson vai ser a grana que cada um pode trazer durante a temporada.
    Brasil escândalos internacionais (Nars é patrocinado por uma estatal Brasileira), Brasil em recessão e crise econômica.
    Ericoson é o único Sueco na F1 depois de mt tempo e sendo o único deve ter mais apoio do seu pais…….
    Mas se fosse por habilidade o Nars ganhava.

  17. Marcos José disse:

    Se o holandes ganhar, o alemão (Sutil) também entrará na justiça pela outra vaga podem apostar! Monisha achou que poderia quebrar contratos por ser advogada mas poderá se dá mau nesta história toda. Se ela fosse esperta (e me parece que ela não é) já teria tentado um acordo antes com o holandes, sem colocar em risco os contratos atuais de Nasr e Ericsson. E eu acho que o brasileiro é quem vai dançar bonito nesta história!

    • Andre disse:

      Acho que ela conhece direito um pouco melhor do que você hein amigo, e seu achismo…ahm seu achismo…

      • Marcos José disse:

        Ela conhece tanto que se enrolou toda nesta história, veremos o que ela vai fazer depois! Eu repito se ela fosse esperta está ação da justiça (e ganha pelo holandes) nunca iria aparecer!

  18. Miguel Nonose disse:

    Estranho que no globo esporte nem tocaram no assunto, devem estar com medo ou querem abafar o caso até que saia o veredito. Porém mais estranho ainda é que a Rede Globo continua com a propaganda da F1, fazendo alarde de ter 2 brasileiros, ” F1 2015, 2 vezes mais brasileira”.
    Se a escolha da Sauber se resumir apenas em quem é o melhor ou quem pode trazer mais grana pra equipe ( antes desse processo a Sauber já mal de grana imagina depois)
    Na questão pilotagem o Nars ganha facilmente dos 2, tem mais titulos que o VDG e Ericson.
    Mas grana… O Brazil tá quebrado, recessão. Já o Ericson é o único Suéco na F1 depois de muito tempo.
    E dinheiro vai falar mais alto na hora da escolha

    • Tony Salles disse:

      O pessoal da Globo, inclusive no Twitter, rotula quem aborda qualquer possível problema em com equipe de brasileiros como “sensacionalistas”, pra depois se contradizer e abordar o assunto:

      “5 mar. – E já tem sensacionalista por aí dizendo que a vaga do @FelipeNasr corre risco por causa do processo do Van der Garde. Menos… #F1naGlobo”

      e hoje:

      “E @FelipeNasr e @Ericsson_Marcus estão presentes ao julgamento junto com o advogado da @SauberF1Team #F1naGlobo”

      É…

      • Miguel Nonose disse:

        Mas parece que eles não tão dando muita importância pro caso…
        Seja como for essa disputa nos tribunais está mais emocionante que muitos GPs.

  19. Marcelo disse:

    Se o carro da Sauber fosse uma bomba, duvido que o VDG estaria brigando para pilotar.
    Como o carro parece ser razoável e confiável… agora ele quer valer o contrato.

  20. Wagner Campos disse:

    Parece q o ano da Sauber tinha começado bom demais pra ser verdade… Em termos de desempenho e de investimento futuro, ficaria o Nasr caso VDG vença nos tribunais. E tenho uma dúvida: se os dois pilotos pagaram o mesmo pela vaga, pq o carro está nas cores do banco do brasil?

    • André disse:

      Porque também são as mesmas cores da Suécia, e também porque o Ericsson já falou, que o patrocinador dele não faz questão de aparecer.

    • Marcus Ericsson = Suécia = Bandeira azul e amarela.

      • Wagner Campos disse:

        Mas quem patrocina o Ericsson n é a Suécia. E onde já se viu patrocinador que paga alto e não quer aparecer?

        • Andre disse:

          Amigo, se o patrocinador dele não faz questão de aparecer, como ele mesmo já disse, fazer o que, liga pro patrocinador do cara lá e reclama…e não é a Suécia, mas o fato de o cara ser sueco e as cores serem as mesmas do BB, já ajudam…difícil entender?!

          • Renato F1 disse:

            Quem disse que o patrocinador do Ericson não aparece no carro? Está nos aerofólios dianteiro e traseiro: Silanna Semicondutores. As cores da empresa são branco e vermelho. Talvez ficaram com medo de ser confundidas com a antiga McLaren de Prost e Senna!

            Agora, acho estranho os patrocinadores injetarem o mesmo valor e o carro levar as cores do Banco do Brasil e quase nada da Silanna. Isso, para mim, é muito estranho!!!

          • Wagner Campos disse:

            Na real? É. Se fosse algo legal dificilmente seria esse o procedimento. Depois vc me passa o telefone da empresa pra eu reclamar. E outra, como n se vê carros de F1 pintados com as cores da bandeira de um piloto novato, continua sendo algo no mínimo curioso. Difícil entender?!

        • Alex disse:

          O Ericsson tem paitrocínio, por isto não tem nada que apareça no carro. Simplesmente papai pagou para correr.

  21. Andre disse:

    Pois o Victor desapareceu desde fim de Janeiro quando disse q a Sauber nao tinha dinheiro nem tempo habil pra fazer um carro pra essa temporada de 2015.
    E ainda citou quase impossivel a Sauber aparecer no priemiro treino em Jerez.
    KKKKKKKKKKKKKKKKK

  22. Marques disse:

    Na verdade, se derem ganho de causa VDG o último contrato assinado com outro piloto seria considerado inválido. Ou seja, Nars se ferraria, e por consequência a Sauber, pois o Banco do Brasil põe uma grana alta lá. O que transforma o VDG está fazendo algo meio esquisito. Primeiro que se ele “ganhar” o carro duvido muito que deixem ele terminar qualquer corrida, segundo se a Sauber perder mais grana provavelmente terá enormes dificuldades para sobreviver. A não ser que VDG tenha um objetivo maior por trás, como querer comprar parte da equipe, etc.
    Mas tudo isso pode ser convertido em grana, o que ferraria a Sauber do mesmo jeito.

    • Leo-RS disse:

      O problema não seria em relação a validade, mas sim em relação ao cumprimento do mesmo. O contrato do Nasr continuaria válido sim (claro, tem que analisar a capacidade das partes e a legitimidade, idoneidade do objeto e o consentimento). Resumindo, se a Sauber tiver um revés com o VDG, também terá com relação a dupla atual.

  23. Marcelo disse:

    Tá, mas mesmo que consiga a vaga, será que chegaria antes do último? Porque eu duvido que a equipe faria um carro bom e trabalharia bem pra favorecer quem lhe processa… Acho que dariam uma engambelada de faz de conta pra ele preferir parar do que se arrastar pela pista. Não é bom pra equipe ter um carro ruim? Não, mas pro piloto também não é vantagem correr pra chegar sempre em último.

  24. Rodrigo Goulart disse:

    É um tanto estranho isso. A lógica do Direito Contratual é que todo o descumprimento se resolve em perdas e danos. Ou seja, se o contrato previa uma vaga para ele e foi descumprido, a Sauber seria obrigada a indenizar o piloto.

    • André disse:

      Contratos já foram quebrados e indenizações já deixaram de ser pagas milhões de vezes, sem ter o devido conhecimento do caso, e das leis locais. é impossível ficarmos especulando, ainda mais com base no nosso direito, que é totalmente diferente do direito australiano.

  25. Leandro disse:

    Pois é, é justamente a defesa da Sauber que praticamente faz com que o holandês tenha razão, caso contrário alegariam alguma quebra de contrato para afastá-lo. Fico apreensivo sobre quem vai “pagar o pato”, o sueco ou o brasileiro…

  26. andre disse:

    Provavelmente as razões de ‘mérito’ sobre a quebra do contrato com o Van der Garde serão deduzidas pela Sauber somente na Suíça, onde corre o processo propriamente dito.Na Austrália devem estar discutindo somente se a decisão liminar do Tribunal Arbitral Suíço deve ser aplicada/cumprida pela Justiça Australiana ou não. Neste caso, vale alegar que o cumprimento da decisão seria um risco.

    • Leo-RS disse:

      Bem pensado. Há ainda essa questão da liminar da justiça da Suiça e o cumprimento pela justiça australina. As diferenças entre o direito aplicado nos países da europa continental e nos países anglófonos. Negócio para contratualistas e juristas do direito internacional privado. Resumo da ópera, a Sauber vai ter que abrir o cofre.

  27. Pedro Jungbluth disse:

    Pelo meu entendimento jurídico, que é pouco, se existem dois contratos válidos para a compra de mesmo bem (no caso, uma vaga) vale o mais antigo.

    • André disse:

      Bom, conhecimento jurídico vago, neste caso, pouco adianta…o caso é julgado em um país que tem o seu direito totalmente adverso do nosso, então não nos cabe especular A ou B. O que é lei lá, pode não ser aqui e vice-versa, e acredito que a Sauber, tendo uma advogada na sua direção, certamente contratou advogados com conhecimento das leis locais para administrar a questão.

  28. Thiago disse:

    Vai chover. O Victor apareceu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>