MENU

21 de setembro de 2015 - 13:29F1

Marina Bay Watch, 2

SÃO PAULO | Já não é mais segredo para ninguém que a Lotus vai ser comprada pela Renault. Cyril Abiteboul, diretor da montadora, só não disse com todas as letras ao Canal+ francês por óbvia proibição da chefia. Mas já que não pôde fazer o anúncio oficial, tratou de dar outra indicação: a do lamento de que Grosjean não continuaria mais na equipe.

O que significava, pois, que Maldonado seguiria e que Grosjean só pode estar a caminho da Haas em 2016. Horas depois, a Lotus confirmava a permanência do venezuelano, xingado às pencas por Button depois de um incidente no fim do GP de Cingapura.

Maldonado tem um contrato de cinco anos com a Lotus e injeta uma grana violenta e necessária para uma equipe que está correndo risco de ir à administração sob as leis inglesas, tal qual aconteceu com Caterham e Marussia. Quaisquer bons milhões, portanto, ajudam à beça, ainda que o piloto não ajude em nada.

Só que, sem Grosjean, a coisa muda um pouco pelos lados da escuderia. Romain levava o patrocínio da Total, tem raízes francesas — naturalmente agradáveis a uma marca de seu país — e, sobretudo, é o primeiro piloto. Maldonado jamais poderia ser um substituto capaz de liderar o time no momento em que a Renault precisa mostrar capacidade depois de ser tão fragilizada que foi pela Red Bull.

Então há uma dúvida: pegar um piloto que já bote as coisas nos eixos — como Vettel acabou fazendo na Ferrari — para bater no peito com orgulho da marca Renault ou ter um ano de transição tranquilo, atraindo um segundo piloto pagante num carro preto ainda carregando as raízes da Lotus — como a Manor fez, correndo como Manor Marussia para ter o dinheiro da temporada passada?

Se pensar na primeira opção, a Renault deveria ter olhos abertos para um piloto que conhece muito bem: Alonso, que já parece não crer mais no projeto da McLaren-Honda, já rompida entre as partes por conta da filosofia de trabalho. Fernando foi campeão pelo carro azul em 2005 e 2006 e viu na equipe seu refúgio assim que saiu/foi saído da própria McLaren no fim de 2007.

Caso opte pela segunda, aí há uma série de pilotos capazes de levar grana para lá. E que se prepare devidamente para 2017.

4 comentários

  1. Daniel Ramos disse:

    Olha não dúvido que o Alonso queira retornar para a Renault, já que lá ele seria o piloto principal, poderia sonhar quem sabe em ter uma Renault forte em 2017/2018 e tentar mais um campeonato. Penso que para a Renault seria jogo ter o Alonso de volta na equipe, poderia tentar atrair alguns patrocinadores Espanhois, e quem sabe alguns Franceses que ainda se simpatizam com o Alonso, e o cara querendo ou não é um nome forte pra atrair patrocinador.

  2. Douglas disse:

    Seria uma boa porque agitaria o mercado de pilotos. Mesmo com problemas, a McLaren é uma equipe interessante. Voltando ao Alonso, será que ele conseguiria se desvencilhar da McLaren. A menos que tenha uma cláusula de performance, não vejo ele saindo do time. E se ele sair, Button se daria muito bem, ao menos por mais um ano.

  3. Marques disse:

    A ideia do Grosjean é pular pra Ferrari em 2017 quando da aposentadoria do Raikkonen (que pqp, como esse cara é chato, sempre com aquela cara de bunda que alguns chamam de “personalidade”, não à toa tomou um surra do Alonso e Vettel).
    Para a Renault seria interessante, mas será que Alonso tem essa capacidade/vontade de liderar um time como o Vettel faz na Ferrari? Até Hamilton parece ter mais jeito para fazer isso que o espanhol (vide o relacionamento que tem na Mercedes). Seria legal ver o Vergne voltando a categoria na vaga do Grosjean.

  4. Marcos Oliveira disse:

    Não acredito que Alonso embarcaria numa dessas de novo. Existe muita incerteza no novo projeto da Renault e tudo que ele não quer é trocar o INcerto pelo duvidoso.

    Aliás… pra Alonso tá FODA mesmo! Mesmo o projeto da Audi na Red Bull, que parece interessar ao espanhol, é pra 2018! Até lá ele já tá velho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>