MENU

13 de maio de 2017 - 11:59F1

S17E05_ESP1

20175131029959_000_OD1WX_DR



SÃO PAULO | A F1 viu mais uma vez um ótimo treino classificatório neste sábado. Se não teve uma briga dos quatro primeiros pela pole — Räikkönen se alijou da disputa —, qualquer um da Mercedes e Vettel poderia ter conseguido a primeira colocação. No fim, Hamilton levou por pouco para chegar à 64ª da carreira e encostar de vez no número de Senna. Querem valer quanto que o empate vai acontecer em Mônaco por tudo que esta pista representou na vida de Ayrton? E, claro, seria legal demais pela coincidência.

Hamilton e Vettel na primeira fila, Bottas e Räikkönen na segunda. Já vimos esse grid na Austrália e na China. Com todas as atualizações dos dois carros, é possível cravar que Mercedes e Ferrari têm desempenhos iguais. Aí vai do braço e da capacidade de cada um.

O Q1 deu uma demonstração notória de quem são os cinco pilotos de menos qualidade da atual F1. Ainda que tivesse reclamado do carro ontem, não é para Kvyat tomar tanto tempo assim do companheiro Sainz. Foram 0s8, uma diferença de P9 para P20 no grid. Largar em último, com o equipamento que tem, é mais um tiro na mente de um piloto que há exatamente um ano voltava à Toro Rosso pelas barbeiragens que cometera no GP da Rússia sobre Vettel em 2016. Palmer também tomou 0s8 de Hülkenberg, mas dele se espera isso e muito mais. Stroll levou 0s7 de Massa mesmo a equipe lhe dizendo que a pista estava 0s6 melhor — não estava, claro, era só um impulso, mas o rapaz é limitado. Ericsson ao menos anda próximo de Wehrlein, mas até agora não bateu o novo companheiro em classificação. E tem Vandoorne.

Vandoorne é bom e pertence à Ótima Geração Belga. E, de forma geral, o público se empolgou com o rapaz quando ele substituiu Alonso no ano passado e pontuou. Mas o carro da McLaren com esta draga da Honda é pior. E agora como titular, na hora de tirar tempo e leite desta pedra laranja, nem de longe repete o que Alonso faz — quando pode fazer. São desempenhos completamente antagônicos. É que seu refresco é a situação como um todo.

O Q2 esperava ver Wehrlein e mais quatro, muito provavelmente Alonso e Massa e outros dois. Mas estes dois surpreenderam. Bom, que homão da porra é Alonso, não? A voltaça final que o colocou momentaneamente em sétimo foi quase uma vitória — e assim ele comemorou ainda na pista quando soube que havia se classificado para a fase final. Felipe se salvou en la bacía de las almas na parte inicial e parecia que o #19 ficaria por ali. Achou um tempo apenas 1s pior que o líder Hamilton. Os dois deixaram para trás os carros da Haas que estavam mais velozes. É que Grosjean é essa coisa inconstante e em decadência e Magnussen falha na hora em que tem de mostrar a que veio. Sainz e Hülk até podiam sonhar coisa melhor.

Na parte final, Räikkönen sumiu — distintamente do desempenho nos treinos e voltando ao normal — e deixou que os outros três lutassem pela pole. A primeira volta de Hamilton já parecia suficiente para a pole, mas logo que os tempos dos primeiros trechos de cada um da tentativa seguinte surgiram, era possível entender que a pole caberia a qualquer um. Bottas perdeu a posição de honra na curva final — onde escapou encostando na lombada da saída da curva; Vettel vinha estranhamente 0s4 melhor que Hamilton e se perdeu em algum ponto não registrado pela TV. E Lewis ganhou do líder do campeonato por 0s051.

Os três primeiros, em vez da salinha da imprensa, foram lá falar em frente à arquibancada principal. Mais um grande acerto da F1. A F1, enfim, vai aceitando o mundo como ele é hoje, mais interligado, conectado e despojado. E foi lá que Hamilton, na brincadeira, fez um comentário a respeito de uma atitude de Hamilton que o André Avelar notou e entendeu como o início da guerra psicológica entre os dois.

No que ficou do resto, palmas para Alonso. Qué hombre de la porra. É seu melhor momento no ano na F1, mas nem assim ele esqueceu da Indy. Já fora do carro, no novo esquema que a F1 e a FIA acertaram, brincou ali na pista e em frente a seu público que havia aprendido a acelerar mais nas retas depois que andou em Indianápolis. É capaz que na corrida Alonso dê 30 voltas e abandone. Mas é notório que a cabeça dele já está no Speedway.

A Massa, coube o nono lugar. Para quem saiu dizendo que queria o sétimo, de fato é um resultado ruim. No geral, um desempenho OK para quem tem um carro não muito OK. Vai sofrer um tanto para lutar contra as Force India do ótimo Ocon e do constante Pérez. Alonso talvez seja mais fácil passar.

Previsão para o domingo na Catalunha é de chuva, o que daria uma nova cara à corrida. Sem ela, com o tempo seco, e mesmo com o aumento da área de pista para uso da asa móvel, deve ser uma disputa intensa com decisão na estratégia. Se Bottas vencer, Hamilton for terceiro e Vettel, nono, os três empatam no campeonato. Como o motor da Ferrari de Vettel não está lá essas coisas, vai que acontece esta trinca… mas é difícil. É mais fácil pensar que, como está, fica. E Hamilton, Vettel e Bottas vão assim ao pódio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>