Bafanadas, 7

B

SÃO PAULO | A Argélia, que jogou menos ruim, perdeu porque Chaouchi imitou Green, e a Eslovênia comemorou sua primeira vitória em Copas. Que comemore bastante, afinal a equipe de Liubliana e adjacências é um horror — claro, nem tanto quanto a Grécia. A vizinha e rival Sérvia seguiu sua toada, mas foi derrotada porque tomou no Kuzmanovic, que deu uma cortada na área faltando uns dez minutos para o fim do jogo, e Gana, outra coisinha bem ruinzinha, ganhou pela contagem mínima.

A Austrália poderia ter dado outro tempero ao seu jogo se tivesse marcado aquele gol de cara contra a Alemanha. Mas os tedescos nem precisaram se refazer do susto, porque Podolski fuzilou o goleiro Schwarzer quase na pequena área para abrir a goleada logo em seguida. A Alemanha foi a única a não estranhar a Jabulani e a jogar futebol, a mostrar o que é uma seleção — ainda que tenha um monte de naturalizados, entre eles o brasileiro Cacau.

Os 4 a 0 são significativos e demonstram que a Alemanha caiu numa chave em que tem a obrigação de sair da primeira fase com três vitórias maiúsculas para pegar o segundo do complicado grupo C, que por enquanto tem a Eslovênia como líder. E como pode ser a Inglaterra a segunda colocada, as oitavas-de-final já podem começar a turbinar esta Copa que ainda está num banho-maria típico da temperatura que faz na África do Sul.

Sobre o Autor

Adicione um Comentário

Por

O dono da bola


É jornalista, palmeirense, dinamarquês por opção e sempre pensou que ia ter de cobrir futebol antes de chegar ao automobilismo, que acompanha desde os 7 anos. E desde que se formou, está na Agência Warm Up e no Grande Prêmio, isso há mais de 13 anos. Neste tempo, foi colunista do iG, escreveu para 'Folha de S.Paulo', 'Lance!' , 'Quatro Rodas' e 'Revista Audi', foi repórter da edição brasileira da 'F1 Racing', cobriu F1, Stock Car, DTM, a Indy e quatro edições das 500 Milhas de Indianápolis, e outras categorias ‘in loco’. Agora também é comentarista dos canais ESPN. Conheceu cidades como Magdeburgo, São Luís, São Bento do Sul e Nova Santa Rita, traduziu um livro da Ferrari e já plantou um monte de árvores. Tem quem fale que seria um grande ator, mas ter ganhado o Troféu ACEESP 2011 como 'Melhor repórter' da imprensa escrita mostrou a escolha menos errada. Adora comida japonesa, música eletrônica e odeia ovo, ervilha e esperar. “Necessariamente nessa ordem", diz.
ASSINE O RSS

Arquivos

Categorias

Tags

Twitter

Publicidade

Facebook

Publicidade